quinta-feira, 17 de novembro de 2016

POLICIA CIVIL DO PIAUI REALIZA 'OPERAÇÃO VIGILES'

Polícia do PI prende 20 pessoas em 
operação contra fraude em concurso

Uma operação da Polícia Civil, por meio da Divisão de Crimes de Corrupção, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado – Greco, deflagrada na manhã desta quinta-feira (17) busca apurar fraudes no concurso público do Corpo de Bombeiros do Piauí, realizado em 2014. Segundo o delegado geral Riedel Batista, até o momento cerca de 20 pessoas foram presas na operação.

Intitulada de Vigiles, a operação cumpre 36 mandados de prisões, 35 mandados de condução coercitiva e 71 de busca e apreensão expedidos pelo juiz Dr. Luís de Moura Correia, titular da Central de Inquéritos Policiais de Teresina.

O delegado geral Riedel Batista afirmou que dentre os presos estão alguns aprovados no concurso e pessoas que articulavam a fraude. “Dentre as 20 pessoas presas até agora, há aprovados, não aprovados e pessoas que colaboravam com a fraude. Os presos estão sendo encaminhados para a Academia de Polícia, onde serão ouvidos. Já os que estão sendo levados de forma coercitiva irão para a Delegacia Geral, onde uma equipe com cinco delegados colherá os depoimentos", explicou.

Cerca de 150 policiais civis entre delegados, agentes e escrivães estão envolvidos na operação que contou com o apoio do próprio Corpo de Bombeiros Militar, e do Núcleo de Concursos e Promoção de Eventos (Nucepe|), organizadora do certame, além do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública.
De acordo com o delegado Carlos César Camelo, a investigação iniciou em abril, após a operação Véritas, quando ao cumprirem mandados de busca e apreensão, a polícia encontrou indícios de fraude no concurso do Corpo de Bombeiros e a partir disso o delegado Kleydosn Ferreira solicitou apoio da Nucepe, realizadora do certame.

“A Nucepe deu todo o auxílio necessário e a principal informação foi em relação aos gabaritos, já que as pessoas suspeitas tinham gabarito idêntico ou quase idêntico ao do fraudador. A probabilidade de duas pessoas fazerem o mesmo gabarito de uma prova de concurso, estou falando de respostas certas e erradas e, as erradas serem a mesma alternativa, é quase zero, é como ganhar na loteria. Então o delegado aprofundou mais ainda essas investigações colheu mais outros elementos de inteligência que comprovavam a relação entre as pessoas, principalmente ligações telefônicas no dia do concurso principalmente, isso foi levado ao conhecimento do juiz Luiz Moura que expediu os mandados”, destacou Carlos César Camelo.
“A quantidade de pessoas investigadas ou que já têm provas suficientes para indiciamento é uma grande parcela dos aprovados no concurso e classificados. Temos 36 pessoas com mandados de prisão temporária ou preventiva, que tem muitos indícios e mais 35 mandados de condução coercitiva contra pessoas que a polícia tem uma relativa suspeita, por isso que não foram presas e só conduzidas para prestarem depoimento. No total de 71 pessoas, é um número muito grande entre pessoas que já estavam no curso de formação e classificados. Sobre anulação fica a cargo da Nucepe, da administração do Corpo de Bombeiros e do próprio governo do estado”, declarou o delegado Carlos Cesar Camelo, que esclareceu ainda que  
 “As pessoas suspeitas tinham gabarito específico idêntico, tanto nas questões certas como nas erradas. A probabilidade de duas pessoas fazerem o mesmo gabarito é quase como ganhar na loteria", disse o delegado. A operação foi deflagrada após seis meses de investigação.



Fontes: http://cidadeverde.com; g1.globo.com/pi/piaui/