sábado, 5 de novembro de 2016

No peito e na raça, começou o plantão !

E vamos lá, porque hoje iniciamos o plantão mais reflexivos que nunca. Pauta primeira: eleição sindical. Ou coisa difícil! Mais sobre isso falo depois ... 
Pauta segunda: a condição franciscana da policia civil. 
Duas realidades preocupantes. A primeira, que não muda. A segunda, que só muda para pior. Parecendo conformada com o que tem, ou melhor, não tem, a categoria completamente desarticulada e desmotivada, olhando na direção única do seu umbigo alimenta uma condição de melhoria individual que não lhe chega mas serve muito bem como motor de força para um discurso retrógrado mas embasador de uma vivência de aceitação a tudo que lhe é imposto sob o manto de uma legalidade quase sempre aparente. Cede-se, cede-se e cede-se sem parar. Me incluo ! Querem um exemplo? Essa custódia de presos que nunca deixou de existir em delegacias reiterando uma prática de desvio de função que torna sempre atual a lembrança de que delegacia não não é lugar de preso. Com estrutura inadequada e sem segurança nenhuma para custodiar presos, o 3º DP de Timon recentemente foi palco de uma fuga de presos tomando como refém o policial plantonista. Modus operandis?! O mesmo. Os presos serraram as grades da cela, permaneceram a espreita e sob vigilante atenção esperando o momento do policial, que fica sozinho e vulnerável, se dirigir às celas para a entrega das quentinhas do almoço. Pronto! Fuga empreendida com absoluto sucesso. Desta vez utilizando para fuga o veiculo do próprio policial. Fora o constrangimento e o susto, o pior não aconteceu e o veiculo fora encontrado. Mas desta vez, parece, não vamos continuar dizendo  'tudo como dantes no quartel de  Abrantes', pois a autoridade policial do distrito do fato já pediu a interdição das celas. Mais que legal! Muito digno !   

Por enquanto nem ouso perguntar para onde serão encaminhados os próximos presos após essa interdição. Me arrepio só de pensar que podem permanecer na  Central de Flagrantes sob a justificativa de que ficarão por pouco tempo. Não quero crer e como já aprendi a não me antecipar ao caos, aguardo tranquilamente.  

Como o telefone não para de tocar (triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim ) e já tomei conhecimento do encaminhamento para cá de uma motocicleta e um arma de fogo apreendidas pela PM (#gloriosa), vou encerrar essa breve anotação somente compartilhando meu desejo de que não seja motivo de prisão em flagrante nem o primeiro, nem o segundo fato. Que São Longuinho (recorro a ele pra tudo) permita que seja apenas a entrega do veiculo e da arma. E nem pensem, meus colegas, que o motivo é preguiça, nada disso, desse mal não sofro. A postos, estamos cá nós; escrivã e delegado. Já os dois investigadores, esses só Deus (onipotente, onipresente e onisciente) sabe quando os veremos de novo. Eh, Isso mesmo! Estão, sabe-se lá até que horas,  na audiência de custódia acompanhando presos. Pois é. os mesmos policiais que estão de serviço na Central são os mesmos que ficam com a obrigação de levar os presos para audiência de custódia.  Por isso que eu disse: no peito e na raça, começou o plantão!


05.11.2016
09h15min