sexta-feira, 22 de julho de 2016

RECADINHO DO CORAÇÃO

Caro "colega" de trabalho, você que perde seu tempo avisando aos demais colegas acerca do meu comportamento, segundo você desequilibrado, digo que está desperdiçando seu nada precioso tempo. Primeiro, porque sua atitude só faz de você um perfeito imbecil que não contribui em nada para valorização da categoria, pelo contrário, de diminuto valor, você é dessas pessoas que serve muito pouco e não agrega valor algum a Instituição que serve (coitada dela se só de ti dependesse!), pois o que você repete de ouvir dizer, se comportando como um papagaio, não é verdade, visto que o que você chama de desequilíbrio eu chamo coragem. Sabe o que é isso ?! Sabe não ! Se soubesse não agiria assim, na covardia, falando do que não sabe e sem fazer qualquer esforço para saber porque o que prefere mesmo é multiplicar no seio da categoria o desvalor que lhe é acrescido em virtude de comportamentos, inclusive, dessa natureza. Pobre categoria !!! Aos escrivães e investigadores, aspirantes ao cargo de delegado, digo também, deixem de serem idiotas, e entendam de uma vez por todas que ainda não o são e que talvez jamais sejam, e aceitem que enquanto integrarem o cargo que exercem devem fazê-lo com excelência, principalmente de caráter, devendo agir com respeito em relação aos seus pares, evitando apontar qualidades negativas dos colegas que nem mesmo conhecem. Não reproduzam fatos dos quais não saibam da real existência. Essa prática devemos abolir do nosso cotidiano, pois se queremos edificar uma escala de valor crescente para nossa categoria devemos começar nos respeitando, tratando com dignidade nossas relações pessoais no ambiente de trabalho, esteja nosso próximo perto ou longe. Isso melhorará e muito nossa imagem, principalmente entre nós mesmos. Como primeiro passo talvez seja este o mais difícil. E acreditem, a partir disso nos sentiremos mais dignos, também mais fortes porque mais crentes estaremos do que juntos podemos alcançar. Quanto a mim, nada surpresa, mas ainda sentida com tão absurda opinião, só peço a quem a carapuça couber que reflita e mude.

O desabafo faço na solidão da madrugada de um plantão na Central e na esperança de que não tardemos a sentir o nosso verdadeiro valor, que não passa unicamente pelas cifras a mais que continuamos querendo sem luta conquistar. De graça, nada vem !!!         

22.07.16, às 02h45min
CFTimon/MA