sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Delegado Regional de Codó nega acobertamento de ações criminosas

O Delegado Regional de Codó, Rômulo Vasconcelos, pede direito de resposta ao post publicado no blog Adalberto Miranda no dia 2 de Dezembro de 2014, Rede de proteção: delegado regional de Codó é suspeito de acobertar ações criminosas. 

A seguir a palavra do delegado.

Direito de Resposta

“Inicialmente, gostaria de esclarecer que estou na Cidade de Codó há onze anos, sendo que neste período já passaram por esta Regional seis Delegados e hoje estou no comando da mesma. Em referência às acusações, ressalvo que são criminosas, irresponsáveis, absurdas, totalmente infundadas e sem credibilidade.

Não passam de palavras soltas escritas por um blogueiro natural de Codó, mas que há mais de 20 anos reside em São Luís e com certeza não sabe nada da realidade das pessoas de credibilidade e prestígio social da nossa cidade. O citado blogueiro relatou várias acusações sem nomes e sem provas. 

Em referência ao tópico de corpo mole em combate ao crime, é senso comum na nossa cidade que a nossa equipe de policiais combate diuturnamente o crime na região. Em referência a indicação de advogado e ao apadrinhamento de político, ou qualquer tipo de proteção por parte de qualquer empresário, são palavras soltas, levianas e sem fundamento. Trato todos os advogados, empresários e políticos com total imparcialidade. 

Em referência ao assalto a uma joalheria em Codó, digo que infelizmente não foi possível evitar o roubo. Mas foram feitas diligências. Este assalto aconteceu em meados de 2011 e os suspeitos foram presos em São Luís por outra equipe da policia civil.” Delegado Rômulo Vasconcelos.

REVEJA A MATÉRIA
REDE DE PROTEÇÃO: DELEGADO REGIONAL DE CODÓ É SUSPEITO DE ACOBERTAR AÇÕES CRIMINOSAS

No cargo há quase dez anos, o delegado regional de Codó, Rômulo Vasconcelos, não pode continuar na função, diante das denuncias de que está fazendo corpo mole, no combate ao crime.

Estaria até mancomunado com um advogado, para garantir a liberação de criminosos que venham a ser presos.

Antipatizado pela PM e pelos outros delegados, por conta do estrelismo e ações no sentido de aparecer na imprensa, o rambo Rômulo Vasconcelos teria evitado fazer o flagrante de um roubo de uma joalheria.

Ele foi avisado antecipadamente que haveria o assalto, mas mesmo assim deixou que acontecesse e depois, prendeu os criminosos, mas as joias nunca apareceram.

Protegido do mega empresário sarneysista FC Oliveira, que pensa ser o dono de Codó, o delegado regional atuaria também em parceria com um advogado, repassando informação privilegiada de prisões e assim permitir que o ‘aliado’ fature com a liberação dos criminosos.

A população de Codó está fazendo um dossiê com as denúncias contra o delegado, para evitar que ele venha a permanecer no cargo de delegado regional, afinal só atende aos próprios interesses e aos do empresário FC Oliveira.

Apesar das ações ‘espetaculares’ que realiza para aparecer na TV e nos blogues, a criminalidade em Codó só tem crescido e as facções ligadas às drogas mandam no município e na região.

Além disso, é preciso que haja rodízio, uma vez que os vícios adotados pelo atual delegado regional são por conta dos vários anos que ele está acomodado no cargo, sempre sob a proteção do grupo Sarney.