quinta-feira, 20 de novembro de 2014

EU ME LEMBRO DESSE CRIME. FOI NOTÍCIA NACIONAL !

Acusado de estupro em festa da Medicina da USP é indiciado

Homem é acusado de ter abusado de caloura da medicina em abril de 2011.
Hoje, ela atua em coletivo que defende os direitos das mulheres na USP.

A polícia afirmou que indiciou, na terça-feira (18), o homem suspeito de crime de estupro contra uma estudante do curso de medicina da Universidade de São Paulo (USP) durante uma festa promovida pela associação atlética dos alunos em sua sede, no bairro de Pinheiros, Zona Oeste da Capital paulista, em abril de 2011. A informação foi confirmada na manhã desta quinta-feira (20) pela assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

O crime é investigado na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher de São Paulo. Em agosto, Celi Carlota, a delegada responsável pelo caso, afirmou que já tinha elementos para indiciar o acusado, depois que, no mês anterior, um estudante que presenciou o crime apareceu para prestar depoimento.

Na época, a delegada afirmou que o suspeito é um homem que trabalhava com manutenção de ar condicionado no prédio da faculdade e teria cometido o crime de estupro sobre a jovem, que era aluna do primeiro ano, no bosque que fica dentro do terreno da instituição. Ele foi ouvido durante o inquérito e negou o crime.

O indiciamento significa que a polícia descarta nas investigações a hipótese de envolvimento de outras pessoas no crime e que tinha fortes indícios, provas periciais e testemunhas, de que o suspeito praticou o delito.

Inquérito
A assessoria de imprensa da SSP afirmou, nesta quinta, que o inquérito policial – a fase de investigação e de tomada de provas – ainda não foi concluído porque a polícia ainda vai colher dois depoimentos.

Após a conclusão desse inquérito, o promotor do Ministério Público (MP) recebe o relatório da investigação policial e decide oferecer ou não a denúncia à Justiça. Cabe ao juiz, escolhido pela Justiça de São Paulo, aceitar ou não a denúncia oferecida pelo MP. Se aceitar, a denúncia se transforma em processo e o indiciado vira réu.

Entenda o caso
A vítima era caloura do curso de medicina na época do crime. Ela explicou que participava da edição de 2011 da festa Carecas no Bosque e, depois de beber demais, foi deixada por um amigo dormindo em um recinto privado no espaço da festa chamado "cafofo", para onde organizadores das festas levavam mulheres. Quando o amigo retornou, um homem foi flagrado de calças abaixadas mantendo relações com ela. O suspeito chegou a apanhar de um estudante de medicina e foi agarrado por um segurança da festa, mas acabou sendo liberado e nunca foi preso.

FONTE