segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Policial militar do DF usa rede social para chamar modelos plus size de "leitoas"


Um policial militar do Distrito Federal surpreendeu internautas ao fazer uma postagem preconceituosa em uma rede social. Ao comentar um protesto de modelos plus size contra a “gordofobia”, em frente ao Congresso Nacional, na última terça-feira (11), o militar usou palavras ofensivas para se referir às mulheres.

Em um longo post, seguido de uma montagem pejorativa, que modifica uma fotografia divulgada por participantes do protesto, o policial, identificado como Roberto Sousa, diz que assistia a um telejornal quando viu a notícia de um protesto de modelos que sofreram discriminação em um hotel de Brasília. Ele ridiculariza ação e utiliza expressões como “criaturas bizarras”, “recalcadas”, “mal amadas” e “leitoas”.

— Aí eu estou no sossego do meu lar assistindo telejornal e me deparo com uma reportagem que diz que 4 leitoas (e olha que ainda não é natal) foram para a frente do Congresso tirar a roupa e protestar contra o que elas chamam de “gordofobia” pois afirmaram que vieram à Brasília participar de um ensaio fotográfico e o atendente do hotel disse que elas não caberiam em uma cama de casal. Detalhe: as focas dizem que são modelo, (só se forem modelos fantasia sexual bizarra).

No mesmo trecho, o policial afirma que as mulheres formam um “quarteto bacon”.

— Se fosse eu teria mandado elas morrerem de raiva para cremá-las, jogar as cinzas no Lago Paranoá e criar a primeira ilha de Brasília! Mas cá entre nós ... Raivinha de gorda é motivo para o quarteto bacon protestar no centro do meu país tirando a roupa? 

Ao iniciar o texto discriminatório, Roberto Sousa afirma na rede social que “mulher gorda é a pior obra da engenharia”.

— A pior obra da engenharia que Deus lançou sobre a terra foi a mulher gorda e só quem tem uma criatura bizarra dessas por perto sabe o quanto essas porcarias são frustradas, invejosas, recalcadas, mal amadas, encalhadas, vitimistas e se eu fosse elencar mais “qualidades” desses sacos de toucinho, eu ficaria aqui digitando até o fim do ano. Pra mim gorda serve apenas como ponto de referência e ponto final!

O homem ainda fez uma montagem em uma foto das mulheres em frente ao Congresso Nacional e utiliza uma palavra de baixo calão para falar sobre o protesto.

A advogada Vanuza Lopes Ferreira teve acesso à postagem na sexta-feira (14) depois que colegas a enviaram a mensagem. Ela promete entrar com pedido de apuração do caso na Corregedoria-Geral da Polícia Militar do Distrito Federal nesta semana. 

— Isto é inaceitável. O que este rapaz escreveu, as comparações que ele fez afetou todas as mulheres. Ele é um policial militar, um agente público, preparado para dar o exemplo e ele mostra que não tem condições de lidar com pessoas, ele não pode lidar com gente.

— Vários policiais viram a mensagem e a gente sabe que não pode ter esse tipo de conduta. Muitos militares ficaram indignados e a corregedoria sabe deste caso. Todo mundo falou sobre isso na corporação. A Polícia Militar informou que não pode tomar providências se não houver uma denúncia formal protocolada na Corregedoria-Geral. O primeiro passo para uma possível punição é a apresentação de uma peça de representação e só depois a PM irá se pronunciar sobre o caso.

Fonte: http://noticias.r7.com/