quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Antônio Morais repassa fala de delegados federais sobre a aprovação da MP 657

Encontramos no endereço  https://www.facebook.com/antonio.moraes.aju.se?fref=nf de Antônio Moraes, ex-presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Sergipe a seguinte postagem que trouxemos para este espaço da mesma forma como foi publicada naquele espaço. Leiamos e procuremos tirar alguma lição.

* * *

Olhe só as ideias dos delegados federais e que não deverá demorar a chegar nas polícias civis.

Repassemos aos conhecidos do MP para conhecimento.

Repassando ...

De um grupo de discussão de Delegados Federais:

Agora que os agentes estão em seu devido lugar e cientes da insignificância dos seus cargos, vamos partir pra cima do MPF e botar um monte de procuradozinho de merda na cadeia".
Somos melhores do que eles pois somos policiais e ainda juristas. Nosso concurso é mais difícil que o do MP pois além de termos o conhecimento jurídico temos que nos preparar fisicamente para a atividade policial. Além disso passamos por uma academia muito difícil e extenuante.

Acharam que iam derrubar a MP 657 com notinhas? Muito infantis esses procuradores.

Vamos correr para cima do salário de 90,25 do STF. Somos juristas e é um absurdo não podermos indicar Delegados para o quinto constitucional dos tribunais. Temos que ampliar nossos espaços.

Nós temos a força e lobby contra o governo. Temos mais deputados que esse MP.

Somos polícia judiciária e o Delegado é função essencial à justiça e que protege os direitos humanos do cidadão em primeira mão.

Nossa função é tal qual a dos delegados de instrução dos Estados Unidos.

Vamos colocar esses agentes mais ainda sobre rédeas. Onde já se viu querer ganhar perto de delegado?

Com os salários deles controlados necessitam de diárias e outras benesses e assim poderemos administrar com mais facilidade, pois ficarão como cordeirinhos precisando incrementar seus salários.

Se querem ganhar mais que façam bicos como a polícia civil e a pm. Onde já se viu Agente querer ser nível superior. São meros auxiliares sob a orientação do nosso alto conhecimento jurídico.