sexta-feira, 21 de novembro de 2014

ABUSO SEXUAL, MAIS COMUM DO QUE SE IMAGINA.

Garota teria se jogado de carro em movimento após tio tentar violentá-la

A adolescente Jéssica Maiara Meireles Alves Garcia, de 17 anos, que teve o corpo encontrado na tarde de quinta-feira (20) em um matagal na Grande Florianópolis, teria se jogado de um carro em movimento após o tio tentar abusar sexualmente dela. A versão do crime foi dada pelo próprio suspeito, de 47 anos, em depoimento informal à Polícia Civil. Ele está preso na Central de Triagem de Florianópolis. Segundo a polícia, o suspeito disse que o crime ocorreu no dia do desparecimento da menina, na última sexta-feira (14). O tio afirmou que foi conversar com o pai da menina e, ao chegar na casa, Jéssica teria pedido uma carona ao colégio. O pai da garota não estaria em casa. No caminho, o tio desviou da rota da escola. 

Pela versão do suspeito, ele teria tentado violentá-la, mas Jéssica reagiu. Ela teria aberto a porta do veículo e pulado do carro em movimento. Segundo o tio, a menina morreu ao bater a cabeça na estrada e a roda traseira do carro teria passado em cima dela. O local indicado do ocorrido foi a Estrada Geral do Alto Forquilhas, em São José, na Grande Florianópolis.

O tio confessou ter levado o corpo para um matagal entre São José e Antônio Carlos. Ela foi encontrada em um saco de lixo. De acordo com a Polícia Civil, o corpo da garota foi encontrado em estado de decomposição. Em um prazo de 15 dias, o Instituto Médico Legal deverá entregar o laudo do crime e a Polícia Civil irá fazer a reconstituição do caso.

O tio teve a prisão temporária decretada e deve permanecer detido por 30 dias, até julgamento. Em 2006, o suspeito foi preso após ser pego com duas adolescentes, uma de 14 e outra de 17 anos, em um motel. O homem é casado com uma tia de Jessica há sete anos.

O homem falou a Polícia Civil que o crime não foi premeditado e que nunca havia abusado da garota antes. Segundo ele, o ato foi um 'impulso'. No depoimento formal à Polícia Civil, ele usou do direito de permanecer calado. 

Fonte: http://g1.globo.com/