sábado, 18 de outubro de 2014

Menino atacado por tigre ganha prótese com desenho personalizado

Vrajamany mostra a prótese com desenho de tigre
O menino Vrajamany Fernandes Rocha, que teve o braço direito amputado depois de ter sido atacado por um tigre no zoológico de Cascavel (PR), em 30 de julho, esteve em Sorocaba (SP) nesta quinta-feira (16) para receber o braço artificial doado pelo por um empresário da cidade, especializado em produtos ortopédicos. A prótese, que é estética e pesa pouco mais de um quilo, é personalizada com o desenho de um tigre, como foi pedido pelo garoto.

Segundo o empresário Nelson Nolé, a prótese doada ficou de acordo como ele queria e o menino deixou a clínica já usando o braço mecânico. Além disso, Nolé ressalta que o desenho é tão importante quanto o braço em si para ajudar na autoestima dele. "O desenho serve para tirar qualquer tipo de preconceito e também lembrar a todo mundo que usar prótese não é nenhuma vergonha", explica o empresário. Vrajamany terá de voltar à clínica para fazer ajustes no ombro a cada seis meses.

As próteses poderão ser trocadas a cada um ano e meio, acompanhando seu crescimento. O empresário se comprometeu a doar os braços estéticos até que Vrajamany faça 20 anos. "Essa é uma alegria enorme para a gente porque é algo de importância para o seu desenvolvimento. Também gostei muito do desenho que só reforça o quanto a gente é apaixonado por animais e sabemos que ele não teve culpa de nada. Foi uma fatalidade", disse a mãe do menino, Mônica Fernandes Santos

A prótese de Vrajamany foi feita de fibra de carbono com luvas de silicone. O cotovelo é mecânico, mas movido apenas como pêndulo, sem influência nos movimentos do menino. “Esta prótese é necessária para fazer o balanceamento do corpo, que ficou assimétrico após a amputação do braço. Ela tem como objetivo evitar problemas de coluna, não deixar que o ombro dele fique mais alto pela falta do braço e, por fim, ajudar no equilíbrio do corpo”, afirma Nolé.

O caso que teve repercussão nacional comoveu o empresário Nelson Nolé, que tem a empresa especializada em próteses ortopédicas há quase 47 anos. De acordo com o protético, o valor do braço estético varia de R$ 15 mil a R$ 20 mil. O empresário é o mesmo que doou uma prótese para o ciclista David Santos de Souza, de 21 anos, que teve o braço direito amputado depois de ser atropelado na Avenida Paulista, em março do ano passado. 

Segundo Nolé, 30% dos produtos que produz são doados. “Nós escolhemos pessoas que não têm condições de pagar pelas próteses”, completa.

Fonte: http://g1.globo.com/