sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Chico Buarque envergonha os brasileiros apoiando assaltantes dos cofres públicos


Eu sou de um tempo em que dizer que gostava de CHICO BUARQUE no meio acadêmico era sinal de conhecimento, era sinal de que o cabra era revolucionário, era sabido. Eu nunca me enquadrei naquele modelo, naquele time de deslumbrados por CHICO. Os anos passaram, fui cursar outra universidade e ainda assim encontrei alguns tipos que festejavam Che Guevara e outros canalhas. Nessa universidade, ganhei um singelo apelido onde me chamavam de DISCORDO. Ora, ora, minha gente. No dia 19 de outubro, vendo parte do programa dos assaltantes que nos últimos anos assaltaram os cofres públicos, tive náuseas ao ver CHICO BUARQUE pedindo votos para a maior associação criminosa que já existiu documentadamente em nosso país. Associação criminosa que matou pessoas como o prefeito Celso Daniel que não aceitou participar do assalto aos cofres públicos. Associação criminosa que já foi desmascarada em várias ações criminais. Apesar de tudo isso, o senhor CHICO BUARQUE, queridinho dos pseudo-sábios acadêmicos, ainda tem coragem de meter a cara na televisão para pedir votos para esse bando que deixa de investir no Brasil a sobra do dinheiro brasileiro não saqueado, para investir em Cuba, na Venezuela, na Bolívia e em outros regimes ditatoriais. Não posso dizer que fico muito triste quando sou chamado de DISCORDO porque não aprovo de fato nem em parte essa safadeza. Então, se para ser tido como sábio tenho que gostar do CHICO, tenho que gostar de sua cumplicidade com todos os crimes praticados pelo bando que defende, tenho que consentir que CUBA seja um bom exemplo, percebo que vou ser o eterno DISCORDO do meio acadêmico safado. O que não me traz nenhum problema, salvo se o Brasil virar CUBA, pois aí, a PETRALHADA virá tentar me buscar, conforme já me foi confessado por um petista, como covardes que são e que só agem em bando. Neste dia, então, haverá muito sangue e ranger de dentes porque não vou fazer igual ao ZÉ DIRCEU que fugiu do Brasil, igual ao JOSÉ GENUINO que entregou os seus colegas e igual ao LULA que dormia no sofá de Tuma e entregava os companheiros que hoje eles chamam de heróis da guerrilha brasileira. Prefiro ser chamado de DISCORDO ou sacrificado a me filiar aos canalhas, quaisquer que sejam eles, principalmente os que saqueiam os cofres públicos e querem transformar o Brasil em uma ditadura de esquerda como Cuba.
Por Wagner Leite