terça-feira, 16 de setembro de 2014

Vazamento de informações sobre irregularidades na Cedet prejudicou trabalho da Seic


De acordo com o delegado André Gossain, o diretor negou ter facilitado a fuga de três assaltantes de banco. No entanto, para a polícia não resta dúvida de que ele deu fuga para esses criminosos, recebendo um pagamento de R$ 350 mil.

“Nós temos certeza absoluta da participação do seu Cláudio com relação à corrupção passiva, prevaricação e facilitação de fuga. Sabemos que ele recebeu dinheiro de presos para colocá-los em liberdade. Presos condenados a muitos anos de prisão ou com mandados de prisão preventiva, que jamais deveriam sair da cadeia”, afirmou André Gossain.

Ainda segundo o delegado, há comprovação de que a quadrilha de assaltantes de carro-forte pagou R$ 350 mil para o diretor, para ser colocada em liberdade, e manter os nomes dos criminosos no sistema informatizado da Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap), como se eles ainda estivessem presos.

O delegado André Gossain afirma que outras pessoas ainda serão ouvidas. Ele ressalta que a investigação começou há pouco mais de dois meses e poderia ter tido frutos maiores e mais rápidos, mas, pessoas de dentro da Cadet deixaram vazar a informação de que havia irregularidades na Casa de Detenção, como isso, o diretor se desfez de várias provas, o que impediu que outros nomes fossem logo apontados

“Se a informação não tivesse vazado, a gente teria prendido mais gente. Como vazou, ele (Cláudio) queimou documentos e apagou computadores. A gente teve que, de uma hora pra outra, decretar a prisão. Com um pouquinho mais de tempo a gente teria fechado o circuito”, alega o delegado.

Fonte: http://imirante.globo.com/