domingo, 6 de julho de 2014

15 presos continuam foragidos da 4ª Delegacia Regional de Codó

No início da noite de 3 de julho, exatamente 9 dias depois da fuga de 8 presos, a delegacia regional de Codó passou por mais uma fuga e da mesma forma – presos serrando a grade lateral de ventilação.

“Eles  conseguiram serrar a grade do fundo da cela, a grade de ventilação e nove presos fugiram, nós conseguimos recuperar ainda um ontem pela noite e vamos partir pra cima dos outros, são presos todos da cidade de Coroatá (…) mas a polícia de Coroatá já está acionada e vamos tentar recapturar todos”, disse Rômulo

O GRANDE PROBLEMA

Mais uma vez o problema da superlotação da delegacia é exposto.

Antes das duas últimas fugas ela abrigava 41 presos das cidades de Coroatá, Peritoró e Timbiras, onde não há local de prisão.

O correto seria colocá-los no Centro de Ressocialização Regional, mas por causa de uma determinação da Justiça, que deseja evitar rebeliões, eles não podem ser mandados diretamente para o centro que já está lotado, por conta disso superlotam a delegacia em questão.

De 24 de junho até agora já são 17 foragidos, 15 ainda longe das grades. Mesmo quando forem recapturados voltarão, novamente, para as duas superlotadas celas do prédio onde o problema tem se repetido.

CRÍTICAS

Em entrevista à imprensa de Codó, o delegado Regional, Rômulo Vasconcelos, que acaba tendo que ver a imagem da Polícia Civil manchada por conta das frequentes fugas, criticou o fato do centro não poder receber presos das outras cidades.

“O preso faz parte da região, então deveria ser aceito aqui porque a gente não tem estrutura nenhuma, o preso aí não tem banho de sol, não tem visita íntima, não tem visita família, não tem nenhum direito que a lei de execuções penais dá pra ele, não tem nenhum direito então fica difícil, o pessoal fica louco o dia todo querendo fugir e infelizmente tem um dia que dá certo”, criticou o regional

Fonte: http://www.blogdoacelio.com.br/01/


LUGAR DE PRESO É NO PRESÍDIO NÃO NA DELEGACIA, AFINAL, O PRESO É DA JUSTIÇA E NÃO DA POLÍCIA.