quinta-feira, 31 de julho de 2014

(...)


VIDA DE POLÍCIA


A vida do policial é bastante arriscada
Não tem dia não tem hora nem noite nem madrugada
Encontra de hora em hora o perigo na emboscada
Ele só encontra espinho não tem flor na sua estrada
Policial não é medroso policial é corajoso
Vê o perigo e dá risada.

Aquele que for medroso à policia já não cabe
Pois a porta do perigo não é qualquer um que abre
Mas um policial valente nem que o mundo desabe
Ele entra e vai varando mesmo que a vida se acabe
Policial é positivo ele diz hoje eu estou vivo
Amanhã Deus é quem sabe.

Falo bem de quem merece a classe dos policiais
Precisamos dar valor àqueles que bem nos faz
Policiais da minha terra não dão um passo pra traz
Não tem distinção de classe na bravura são iguais
Eu presto minha homenagem para um homem de coragem
Que merece muito mais.

Policial quando solteiro tem sempre uma esperança
No dedo de sua amada colocar uma aliança
Mas se ele for casado também leva na lembrança
O carinho da esposa e o sorriso de criança
Policiais amigos meus pra vocês eu peço a Deus
Muita sorte e segurança.

Ao colega policial Enedias Chagas Neto, baleado no Fórum Desembargador Sarney, hoje, 31.07.14, quando se encontrava na condição de testemunha, nosso desejo de pronto restabelecimento. Mais saúde pra você, meu irmão, com a graça de Deus!

(...)



"Creio que é chegada a hora de sairmos desse estado de hibernação" 

Joel Durans Medeiros


LATA VELHA...


Fica a dica!

SINOPSE:

A coletânea de artigos conseguiu condensar trabalhos que analisam as tensões contemporâneas da repressão criminal adotando diversos enfoques: dogmático jurídico, criminológico, processual, sociológico e da ciência política. E a despeito dessa multiplicidade de abordagens, uma mesma conclusão se apresentou como inegável: no Estado neoliberal, a resposta penal foi reafirmada e prodigalizada como dispositivo de controle das massas e de preservação e ampliação da exclusão social, tudo em nome do bom desenvolvimento do mercado. A prevalência do punitivismo sobre políticas públicas de bem-estar social - ou, simplesmente, de afirmação de valores democráticos como a igualdade, a liberdade e a tolerância - ganhou força.

Com o objetivo de realizar uma reflexão crítica sobre aspectos relevantes da repressão penal no modelo neoliberal de Estado, foi desenvolvido o livro Tensões Contemporâneas da Repressão Criminal. Organizado pela Editoria Livraria do Advogada, o livro será lançado no próximo dia 21 de agosto de 2014, às 19h, na Livraria Saraiva, do Shopping Boulevard. A obra é composta por artigos escritos por docentes e discentes do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Pará (PPGD/UFPA) vinculados à linha de Pesquisa Intervenção Penal, Segurança Pública e Direitos Humanos, além de autores convidados, nacionais e internacionais.

Autores – Entre os nomes além dos destaques nacionais como Miriam Guindani, professora do Departamento de Métodos de Técnicas da Escola de Serviço Social e dos Programas de pós-graduação em Serviço Social (PPGSS) e Teoria Jurídica da Faculdade Nacional de Direito (PPGFND) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); a coletânea também conta com a colaboração do Doutor em Criminologia e graduado em Psiquiatria Clínica pela Universidade Nacional Autônoma do México, Eugenio Raúl Zaffaroni e do professor Loïc Wacquant, da Universidade de Califórnia – Berkeley e pesquisador no Centro de Sociologia Europeia do Collége de France.

Lançamento do livro Tensões Contemporâneas da Repressão Criminal
Data: 21 de agosto de 2014.
Horário: 19h
Local: Livraria Saraiva, Shopping Boulevard.

Estudante de Medicina é preso junto com pré-vestibulando com 500g de crack

TERESINA(PI) - Um estudante de Medicina da Bolívia e um pré-vestibulando foram presos na tarde desta quarta-feira (30) pelos policiais do 6º DP acusados de tráfico de drogas e receptação de carro roubado.

Foram detidos em flagrantes Rafaell Gonçalves Weiss, 25 anos, e Wanderson Wendel Barros Figueiredo, 18 anos, em um flat na rua Riachuelo, no Centro de Teresina. A polícia chegou até eles através de ligação anônima.

Na quitinete foi encontrada meio quilo de crack, avaliada em R$ 5 mil, além do veículo, um corola 2009 com placa falsa, que custa cerca de R$ 50 mil.

Os dois são da cidade de Presidente Dutra, no Maranhão. O chefe de investigação do 6º DP, Raimundo Marques, contou que o estudante de Medicina disse que comprou o veículo no estacionamento do Verdão.

“O estudante de Medicina não prestou depoimento, mas alega que não sabia das restrições do carro e que não tem ligação com o crack encontrado no flat”, disse Raimundo Marques.

O veículo foi tomado de assalto há cerca de vinte dias no bairro Santa Isabel, zona Leste de Teresina. A vítima, que preferiu não se identificar, relatou que estava pegando a filha na casa de uma colega quando o crime aconteceu.

"Eu já tinha perdido as esperanças do carro ser recuperado, porque já estava quase vinte dias e o veículo estava com outra placa. A polícia me falou que estava sendo usado pra traficar drogas no Maranhão" relatou a proprietária do veículo roubado.

A dupla foi levada para o 6º DP e depois encaminhada para a Central de Flagrantes.


  FONTE

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Mega operação realizada pela Delegacia Regional de Zé Doca localiza e destrói plantação de maconha no centro do Guilherme


Mais uma operação de sucesso na cidade de Zé Doca/Ma. Toda a ação foi liderada pelo Delegado Regional Jader Alves, que juntamente com sua equipe, os investigadores  Sizino Muniz, Mex e Rafael e com apoio do GTA - Grupo Áereo Tático, localizaram e destruíram  extenso plantio de maconha na região do Centro do Guilherme. 

Em virtude da extensa área de plantio e do difícil acesso foram utilizadas duas aeronaves na operação que localizaram quatro plantações de maconha. Mais de 50.000 pés de maconha que já estavam no prontos para colheita foram destruídos. Para concluir a missão as equipes permanecem por mais três dias na cidade com a finalidade de destruição total do plantio. 


MAIS IMAGENS - DO BLOG FALANDO SÉRIO




MISSÃO CUMPRIDA. PARABÉNS!!!

(...)


Empresa deve indenizar garoto que sofreu abuso em presídio no Ceará

A Companhia Nacional de Administração Prisional (Conap) foi condenada a pagar indenização de R$ 30 mil para um adolescente que sofreu abuso sexual em um penitenciária do Ceará quando era criança. A decisão é do juiz José Flávio Bezerra Morais, titular da 2ª Vara Cível do Crato. A Conap administrava a penitenciária na época do crime, quando a criança tinha sete anos.

De acordo com a mãe, ela e os dois filhos visitavam o pai, preso na Penitenciária Industrial Regional do Cariri (PIRC), quando o menino saiu de dentro da cela e foi para o pátio. Os pais saíram em busca do filho e o localizaram na cela de outro detento, quando constataram que a criança havia sofrido violência sexual.

Inconformada com a falta de segurança no local, a mãe da criança ajuizou ação cobrando indenização por danos morais. Na contestação, a Conap alegou que não tinha responsabilidade sobre a segurança do presídio. Argumentou que, mesmo não sendo responsável pelo ocorrido, encaminhou a vítima à enfermaria e também ao psicólogo.

Ao julgar o processo, o juiz destacou que a empresa não garantiu a integridade física do garoto durante a visita, “na medida em que deixou de prestar um serviço de proteção e vigilância constante e eficiente a garantir a integridade daqueles expostos à periculosidade dos indivíduos sob custódia”.

Fonte: http://g1.globo.com/ceara

terça-feira, 29 de julho de 2014

PLANTÃO 24 HORAS - CENTRAL DE FLAGRANTE DE TIMON-MA

ÚLTIMAS OCORRÊNCIAS. 


29 a 30/07/2014 - Plantão do Delegado Joelson da Silva Carvalho

Auto de Prisão em Flagrante nº 194/2014, em desfavor de W. R.C.D.S e R. A. C., em virtude de crime tipificado no Art. 157,§ 2º, inc.I e II, do CPB.

Auto de Prisão em Flagrante nº 195/2014, em desfavor de R.F.D.S., em virtude de crime tipificado no Art. 14, da Lei 10.826/03.

TCO nº 121/14 – Termo Circunstanciado de Ocorrência, em desfavor de J. S. S., em virtude de prática de crime tipificado no Art. 28, da Lei 11.343/06.

BOC nº59/14 – Boletim de Ocorrência em desfavor de F. B. S., em virtude de ato infracional análogo ao crime tipificado no Art. 28, da Lei 11.343/06.

BOC nº60/14 – Boletim de Ocorrência Criminal em desfavor de J.D.O. S., em virtude de ato infracional análogo ao crime tipificado no Art. 28, da Lei 11.343/06.


27 a 28 de Julho - Plantão do Delegado George Thales S. de C. Mendes

TCO nº 117/14 - Termo Circunstanciado de Ocorrência em desfavor de E. A. R. da S. e T. de A., em virtude de crime tipificado no Art. 147 do CPB.

TCO nº 118/14, Termo Circunstanciado de Ocorrência em desfavor de P. R. D. D. O, em virtude de crime tipificado no Art. 147 do CPB.

TCO nº 119/14 - Termo Circunstanciado de Ocorrência em desfavor de J. A. L. S., por prática de crime tipificado no Art. 147 do CPB.

26 a 27/07/2014 - Plantão do Delegado Marcos Vinnicius Marinho Monteiro


Auto de Prisão em Flagrante em desfavor de D. H. S. S., em virtude de prática de crime típificado no Art. 157, § 2º, I e II do CPB;

Auto de Prisão em Flagrante em desfavor de L. D. N. V. em virtude de crime tipificado no Art. 155 do CPB; 

Auto de Prisão em Flagrante em desfavor de J. R. D. S. e R. M. B., em virtude de crime tipificado no Art. 157, § 2º, I e II do CPB;

Auto de Prisão em Flagrante em desfavor de R. C. D. S., em virtude de crime tipificado no Art. 306 do CTB; 

Auto de Prisão em Flagrante em desfavor de R. S. C. em virtude de prática do crime tipificado no Art. 147 do CPB c/c Art. 7º da Lei 11340/06;

BOC em desfavor da adolescente R. M. B., em virtude de prática de ato infracional análogo ao crime tipificado ao Art. 331 CPB;

BOC em desfavor dos adolescentes G. R. A. D. S. ou A. C. A. de S. e J. A. C., em virtude de ato infracional análogo ao crime tipificado ao Art. 155, § 4º, I e IV do CPB; 

BOC em desfavor do adolescente I.O.D.S., em virtude de prática de ato infracional análogo ao crime tipificado ao Art. 180 CPB; 

TCO em desfavor de M. N. B. D S, em virtude de prática de crime tipificado no Art. 304 do CTB;

TCO em desfavor de W C. S. D. S, em virtude de prática de crime tipificado no Art. 28 da Lei 11.343/06;

TCO em desfavor de N. V. A. M., em virtude de prática do crime tipificado no Art. 331 do CPB;

segunda-feira, 28 de julho de 2014

“DESTEMPERADA”: Jornal deve indenizar delegada por matéria “abusiva”

Em Santa Catarina, uma delegada de polícia foi afastada do cargo. Um jornal local noticiou a exoneração como resultado do “relacionamento difícil e destemperado” da policial com os colegas de trabalho e com a imprensa. A delegada não gostou e acionou o jornal na justiça.

O veículo de comunicação tentou alegar que o fato foi noticiado com base na liberdade de imprensa e sem cunho ofensivo, mas o desembargador Gilberto Gomes de Oliveira, relator do recurso, entendeu como abuso de “liberdade de informação.”

A delegada deverá receber uma indenização de R$ 8 mil.

FONTE     

Destemperado

1.Imoderado, desregrado, descomedido.
2.Despropositado, disparatado.
3.Desordenado, desarranjado.
4.Dissonante, desafinado.
5.Desequilíbrio de humor, irritabilidade ruidosa, estupidez, histeria, rudeza de modos e palavras.

DECISÃO JUDICIAL

JUSTIÇA INDEFERE PEDIDO CONTRA LEI QUE REDUZIU IDADE-LIMITE DE APOSENTADORIA DE POLICIAIS


Decisão da 14ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo indeferiu pedido liminar de associação de policiais civis do Estado em que se contestou lei complementar federal que reduziu a idade para aposentadoria compulsória da categoria.

A LC nº 144/14 alterou a Lei Complementar nº 51/85 e determinou que agentes policiais, independentemente da natureza dos serviços prestados, sejam aposentados compulsoriamente aos 65 anos, cinco anos abaixo do limite geral fixado pela Constituição Federal aos servidores públicos. Nos autos de mandado de segurança coletivo, a associação alega que a determinação da lei é inconstitucional e não deve ser aplicada.

Para o juiz Fernão Borba Franco, a norma é legal e indica que a atividade policial é desgastante a ponto de justificar aposentadoria em época anterior à prevista na regra geral. “Não parece que o limite inferior para a aposentadoria compulsória de policiais, feita em lei complementar, viole alguma normal constitucional. Ao contrário, é compatível com a regra que estabelece a necessidade de aposentadoria compulsória e, de modo proporcional e coerente com a regra que defere ao policial aposentadoria especial, por causa das características da atividade, reduz esse limite para 65 anos de idade.”

O mérito do pedido ainda será analisado e decidido em sentença. Cabe recurso da decisão.

Fonte: http://www.tjsp.jus.br/

Tribunal decide manter preso investigador acusado de extorsão

Willian Felipe Martins Soares, 33 anos, teve pedido de habeas corpus negado
O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu manter preso o investigador da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise), Willian Felipe Martins Soares, 33 anos. A decisão foi votada por unanimidade dos desembargadores Tristão Ribeiro, Juvenal Duarte e Sérgio Ribas, da 5ª Câmara de Direito Criminal. Ele foi detido no final do ano passado, em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Militar, que investigava o envolvimento dele e de outros investigadores num esquema de extorsão a integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). 

Ao julgarem o mérito do habeas corpus, que pediu liberdade provisória sob alegação de residência fixa, de o acusado ser réu primário e estar sofrendo constrangimento ilegal, os desembargadores entenderam que as acusações contra ele são graves e que a prisão preventiva é a garantia de conveniência do acusado, dentro da instrução criminal.

Também os investigadores Fernando Toshiyuki Fujino, 32 anos, Marcos Roberto Munhoz, de 40, e Carlos Moroni Filho, de 43, são acusados pelos crimes de formação de quadrilha, tráfico de entorpecentes e associação para o tráfico, divulgação de medidas sigilosas e consussão (ato de exigir para si ou para outrem dinheiro ou vantagem em razão da função, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, conforme o Artigo 316 do Código Penal Brasileiro). Os crimes foram praticados em junho de 2013.

O Tribunal já julgou o mérito de habeas corpus impetrado em favor de Fernando Fujino e Carlos Moroni. Na quinta-feira (24), foi avaliado o pedido de habeas corpus para Willian Felipe, que foi negado, e continuará preso em Sorocaba até o final o julgamento. O advogado do investigador Marcos Roberto também apresentou pedido de habeas corpus, que também foi negado. Ele aguarda o julgamento do mérito, que deve ocorrer até o final de setembro deste ano, em Sorocaba. Os quatro policiais continuam detidos no presídio da Polícia Civil, em São Paulo.

(JJ.)


JESUS MARIA JOSÉ !

Feira: Agentes penitenciários fazem ‘vaquinha’ para aumentar muro de presídio


FEIRA DE SANTANA(BA) - Agentes penitenciários de Feira de Santana, centro norte baiano, resolveram tirar do próprio bolso e custear uma reforma no Presídio local. A "vaquinha” de R$ 1,5 mil serviu para aumentar o muro da detenção, já superado e vencido por não frear as fugas constantes. Segundo o A Tarde, os agentes reclamavam que os muros originais foram projetados em três metros e oitenta centímetros de altura, o que não dava qualquer dificuldade de ser ultrapassado pelos detentos que subiam um no ombro de outro para ganhar liberdade. Na obra, os agentes acrescentaram um metro e vinte centímetros. O Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb) disse que a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado (Seap) teria se comprometido em fazer a reforma em 30 dias, mas avaliaram que a situação era de insegurança e resolveram por conta própria o imbróglio. Ainda segundo a reportagem de Biaggio Talento, uma nota da Seap informou que "a elevação do muro dos pavilhões 7 e 8 do Conjunto Penal de Feira de Santana trata-se de uma decisão dos agentes penitenciários da unidade em razão da necessidade imperiosa de segurança". A resposta do sindicato da categoria não foi amistosa. "Qualquer ajudante de pedreiro sem escolaridade sabe que cinco fileiras de bloco medem, em altura, pouco mais de um metro, mas para os habilidosos matemáticos da Seap, essa altura é de apenas 40 cm".

FONTE

Problema antigo.

Internos da Major César pulam muro, cometem assaltos e voltam para celas

TERESINA(PI) - A colônia agrícola Major César Oliveira integra o sistema prisional do Piauí para cumprimento de penas em regime semiaberto. Localizada na BR 343, entre Teresina e Altos, a unidade não possui muros sendo apenas cercada por uma densa estrutura de arame farpado responsável pela contenção dos internos. 

Mas esse mecanismo não é mais eficiente e a prática de assaltos e furtos já se tornou constante no entorno da Major César. É que com deficiências na vigilância e presos tendo acesso a objetos cortantes a barreira foi ultrapassada com facilidade e o medo se instalou no local.

As denúncias são corriqueiras: tanto do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), quanto de moradores que, sem se identificar por medo, fazem denúncias às autoridades de segurança pública.

“A região é de competência do município de Altos. Várias investigações já foram iniciadas nesse sentido. Mandados de prisão foram expedidos e alguns dos internos regrediram na pena e voltaram para a Casa de Custódia. Outros, já estão com mandados de prisão preventiva”, conta o presidente do Sinpoljuspi, Vilobaldo Carvalho.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil do Piauí, James Guerra, a situação é conhecida e as instituições responsáveis já se organizam para responder a altura. Mas para o gestor, sem uma modificação severa nas leis brasileiras, as medidas podem ficar sem força, visto que a legislação ainda possui uma série de brechas que podem ser dribladas.

“Eles passam pela cerca, roubam e voltam para dormir como se nada tivesse acontecido. Ao meu ver, a sistemática de punição brasileira tem que ser revista ou então a polícia vai, apenas, enxugar gelo. Prendemos e a justiça solta. Nossas leis tem que ser revistas com urgência”, defende o delegado-geral.


Provas

As vistorias são atividades rotineiras no sistema prisional por todo o mundo. Nelas, os internos são contados e as realidades nas celas são apuradas. É também através delas, que ocorrem diariamente e mais de uma vez por dia, que as provas para esses delitos são encontradas.

“Muito material que provem dos furtos e assaltos já foram encontrados nas celas. Mesmo assim, as investigações continuam é por bem que a sociedade que for lesada continue denunciando para evitar que os assaltos se repitam. Quando a gente esteve lá documentamos a secretaria através de ofício, que priorizasse a reforma pela questão da área de segurança. Não estive lá depois, mas acredito que já estejam trabalhando na parte de segurança”, disse Vilobaldo Carvalho.

Ações
Desde que as denúncias se tornaram constantes, o efetivo de policiais militares nas guaritas foi reforçado. Antes, a informação era de que turnos inteiros ficavam sem supervisão necessária principalmente nos limites da colônia agrícola com o mundo exterior.

“Ainda são poucos os agentes penitenciários na Major César e os buracos na cerca davam para passar bois. Mas com os militares nas guaritas acredito que já se tenha surtido efeito e os casos diminuíram”, revela o presidente do Sinpoljuspi.

A Secretaria de Justiça também promove reforma na colônia agrícola. Mas outra queixa é de que os trabalhos foram iniciados pela parte administrativa da unidade e não nos pontos emergenciais.


Queixas dos internos - “Escutamos, ainda, muitas reclamações de internos sobre os assaltos. Tem gente lá dentro que quer se regenerar e aproveita o semiaberto para isso. Mas eles temem ser confundidos com os que praticam os roubos”, informa o Vilobaldo Carvalho.

domingo, 27 de julho de 2014

(...)


PMs acusados de matar e arrastar Cláudia voltam a trabalhar no Rio


PMs acusados de arrastar Cláudia foram presos
(Foto: Ale Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Seis policiais acusados pela morte Cláudia Silva Ferreira – que foi arrastada por um carro da PM após operação no Morro da Congonha, em Madureira, no Subúrbio – já voltaram a trabalhar. Segundo a Polícia Militar, a prisão temporária deles acabou em abril e, portanto, nada os impediria de voltar aos respectivos batalhões. No entanto, eles foram afastados das ruas e fazem trabalhos internos.

A PM informou que Rodney Archanjo, Adir Machado e Alex Sandro Alves – que estavam no carro que arrastou Cláudia – e Gustavo Meirelles – que participou da operação na Congonha – continuam trabalhando no 9º BPM (Rocha Miranda). Já Ricardo Boaventura e Zaqueu Bueno foram transferidos para o 3º BPM (Méier) e 41º BPM (Irajá), respectivamente. Eles também participaram da operação, mas não estavam no carro que arrastou a moradora.

Todos os policiais indiciados no caso deverão permanecer em funções internas em seus batalhões até o julgamento no Tribunal Justiça do Rio de Janeiro e conclusão do Inquérito Policial Militar, segundo a corporação.

Entenda o caso
A Polícia Militar realizou uma operação no Morro da Congonha no fim de março. Segundo a PM, na chegada dos policiais houve troca de tiros. Os moradores negam que tenha ocorrido confronto com supostos traficantes. Cláudia foi baleada por volta das 8h, quase três horas depois da chegada dos policiais na favela, enquanto andava para comprar pão.

Cláudia Ferreira foi colocada dentro do carro da PM na Rua Joana Resende, no alto do morro da Congonha. A viatura seguiu até o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, num percurso de nove quilômetros, que podia ser feito, em média, em cerca de 13 minutos.

O vídeo de um cinegrafista amador mostrou o momento em que o carro da PM seguia pela Estrada Intendente Magalhães. A porta traseira estava aberta e Cláudia foi arrastada no asfalto por 350 metros. Os PM param e ela foi jogada de volta no porta-malas.

FONTE

Mulher é detida tentando entrar com celulares no presídio em Maceió

MACEIÓ(AL) - Uma mulher foi detida durante uma visita realizada ao presídio Baldomero Cavalcanti, no bairro do Tabuleiro dos Martins, na parte alta de Maceió, no final da manhã deste sábado (26), tentando entrar na unidade com aparelhos eletrônicos dentro de um mamão.


Segundo a assessoria da Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris), Ana Luiza Maria da Conceição levava dois celulares, três fones de ouvidos, cinco carregadores de celular, um pendrive, sete chips e duas baterias de celular escondidos na fruta.

De acordo com informações passadas pela Seris, a apreensão dos objetos ilícitos ocorreu durante uma revista de agentes penitenciários. O material estava sendo levado para o detento Felipe Moura dos Santos.

Ainda de acordo com a assessoria da secretaria, a visitante Ana Luiza Maria da Conceição será conduzida para Central de Flagrantes, para realizar o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

FONTE

SÓ MESMO PRA GENTE VER COMO TODO CUIDADO É POUCO!!!

sábado, 26 de julho de 2014

(...)


Já vi que a jiripoca vai piar !

No dia 17.07.2014, publiquei neste espaço matéria veiculada no 180graus.com tratando das eleições do SINPOLPI que seriam realizadas no próximo dia 08.08.14. Pelo que pude verificar nas argumentações apresentadas no pleito formulado na ação ajuizada em desfavor do Sindicato, o Sr WAGNER NUNES LEITE teria dado um golpe no Sindicato. É isso mesmo?! Sim, porque está afirmado que o mesmo se AUTOINTITULARA Presidente da Comissão Eleitoral desrespeitando o que prevê o estatuto já que se AUTOINDICARA para o exercício do cargo.  Fato este que teria ensejado a nulidade do edital de convocação das eleições, também do pleito eleitoral. Conforme ainda se pode verificar no corpo da decisão judicial, a mesma foi concedida sob a alegação de inexistência de ata de reunião contendo as deliberações de escolha dos membros da comissão eleitoral. Pois bem, pelo que até aqui pude inferir a acusação de golpe do ex vice-presidente ao Sinpolpi não parece proceder, visto que pude verificar depois de analisar material que me foi disponibilizado via e-mail que existe sim ata de reunião. Sendo assim, julgo muito pertinente o questionamento: A judicialização dessa questão significa mesmo o que?!            

VEJA O MATERIAL QUE PROVA EXISTÊNCIA DA ATA DE REUNIÃO... TUDO VIA E-MAIL.



Já ouvia da minha saudosa avó: "Não se faz acordo de cavalheiros com quem não é cavalheiro"



SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA SE REÚNE COM DELEGADOS PARA TRAÇAR NOVAS ESTRATÉGIAS


Estreitar as relações de todo o corpo do sistema de Segurança Pública, colocar em prática as demandas discutidas nas reuniões, enfatizar a integração das forças policiais e organizar operações de combate à violência em todo o estado, foram alguns dos assuntos em reunião do secretário de Estado de Segurança Pública, delegado Marcos Affonso Junior, com os delegados regionais, O encontro aconteceu na manhã desta sexta feira (25) no auditório da SSP. 

Presentes ainda, a delegada geral da Polícia Civil do Maranhão, Maria Cristina Resende Meneses; o subdelegado geral, Augusto Barros Neto; o superintendente de Polícia Civil do Interior, delegado Jair Lima de Paiva Junior; e o chefe do Departamento de Inteligência da SSP, José Nilton.

Para o secretário de Segurança, delegado Marcos Affonso, uma reunião dessa natureza fortalece pontos importantes para colocar em prática determinadas ações que estão sendo pautadas, e assim possibilitar um estreitamento das relações entre as polícias do interior e da capital, no repasse de informações e no planejamento estratégico de combate a violência. 

“Um dos pontos relevantes destacados na reunião foi a integração das forças policiais. Isso tem ajudado no combate a criminalidade. É sempre bom ter a força da Polícia Militar ajudando a Polícia Civil, pois nós trabalhamos em prol da sociedade e, desta forma, conseguimos cumprir o papel que é dar tranquilidade a população maranhense”, enfatizou Marcos Affonso.

Segundo a delegada geral Cristina Meneses, para melhorar a segurança pública é preciso somar esforços e unir as forças que formam o sistema de Segurança. Ainda segundo ela, outro fator importante é organizar e otimizar os trabalhos, principalmente na troca de informações entre as polícias. “Essa iniciativa do delegado Jair Paiva, Essa troca pode ajudar bastante nas investigações de crimes”, ressaltou. 

O delegado Jair Paiva, superintendente do Interior, pontuou a reunião como uma nova forma de atuar e estreitar as relações entre a Polícia Civil. Para ele, a relação entre as polícias possibilita uma resposta rápida no combate a criminalidade. Ainda segundo ele, é importante ressaltar o trabalho e as operações que estão sendo deflagradas.

Durante o encontro, o subdelegado geral, Augusto Barros, disse que essa integração tem dado resultado satisfatório tanto para as polícias Civil e Militar, pois somar forças é possível traçar um mapa geográfico das regiões com maior índice de criminalidade. “Essa reunião serviu para organizar e deflagrar mais operações”, frisou.

FONTE