domingo, 22 de junho de 2014

Quem o machismo matou hoje?

+ Luana Berenice Gonzaga das Neves, 22 anos. 


Mulher é morta a tiros, e companheiro é suspeito do crime

MANAUS(AM) Uma mulher de 22 anos foi morta a tiros dentro da casa onde morava no Bairro Hiléia 2, em Manaus, na noite deste sábado (21). 

De acordo com a Polícia Civil, o principal suspeito de ter cometido o crime é o companheiro dela, que teria fugido do local a pé, momentos após a morte. O filho da vítima, de quatro anos, estava no local no momento do crime.

Uma vizinha, que não quis ser identificada, contou que na tarde do sábado ouviu o casal discutindo. "Ela estava mandando ele ir embora, logo depois acalmou. Então por volta de 22h ouvi os tiros", disse.

A vítima foi identificada pela polícia como Luana Berenice Gonzaga das Neves. Uma das tias da mulher, Claudia Neves disse que não chegou a conhecer o companheiro de Luana, mas sabia que ele era violento. "Ela sempre falava que ele era violento", comentou. Segundo ela, os dois estavam juntos há aproximadamente seis meses.

O casal alugou a casa no Ilea II há dois meses. De acordo com Orleilson Ximenes, locatário do local, horas antes do crime, a mulher havia ligado pedindo para que o contrato fosse modificado.

"Verifiquei que ela estava meio agoniada e pedindo que para tirar o nome dela do contrato. Eu disse que para isso, era preciso ir ao cartório e passar para o nome do companheiro dela. A ligação durou uns quatro minutos e então caiu".

Segundo o delegado Edney Marques do 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP), a vítima levou cerca de sete tiros disparados por uma pistola .40, que seria de uso exclusivo da polícia. Ele confirma que o principal suspeito do crime é companheiro dela, de 25 anos, que está sendo procurado. O suspeito já havia sido indiciado, em 2012, por tráfico de drogas.

O filho de Silva, de quatro anos, que estava na casa e teria presenciado o crime, foi encaminhado para a Central de Resgate, até que parentes possam buscá-lo. "Algumas pessoas disseram ser parentes da mãe biológica do garoto, mas não conseguiram provar", explicou.

Fonte: http://g1.globo.com/