sábado, 21 de junho de 2014

Novos policiais civis do Pará promovem trote solidário para doar sangue ao Hemopa neste sábado



Os novos policiais civis do Estado do Pará iniciaram, neste sábado, 21, uma campanha para doação de sangue para marcar o encerramento das atividades acadêmicas. Como num gesto de solidariedade e de responsabilidade social, cerca de 20 formandos do curso de formação para o cargo de delegado da Polícia Civil estiveram, pela manhã, na Fundação Hemopa, em Belém, para realizar um trote solidário. Eles fazem parte dos quase 400 novos policiais civis. O objetivo é que eles compareçam ao órgão, para fazer as
doações, até o dia da posse. Os alunos concluíram a fase de Academia, segunda parte dos concursos públicos C 169 e C 170, para os cargos de delegado, escrivão, investigador e papiloscopista. 

Um dos formandos, Tarsio Martins, 26 anos, explica que a iniciativa do trote solidário, por meio da doação de sangue, foi uma forma de os novos policiais civis começarem bem a carreira policial, visando promover a integração com a sociedade. "Queremos dar exemplo de solidariedade e mostrar o verdadeiro sentido de uma Polícia Civil cidadã", afirma. Ele explica que teve a ideia de se fazer um trote diferente para marcar o encerramento do curso de formação, mas que a sugestão de se fazer doações de sangue veio de uma colega de turma - a analista judiciária federal, Carolina Chamié.

Aos 30 anos de idade, ela atualmente trabalha em Marabá. Doadora voluntária há dez anos, a nova delegada conta ter visto na tevê, recentemente, uma reportagem sobre a necessidade de doações de sangue ao Hemopa. A partir daí, os colegas do curso de formação de policiais civis passaram a se mobilizar, por meio de um grupo no aplicativo de celulares Whatsapp, para a campanha. Tarsio Martins explica que o trote solidário foi estendido até o dia da posse para que todos os novos policiais civis possam colaborar com as doações, pois grande parte dos formandos são oriundos de outros Estados e precisaram voltar aos seus Estados de origem para providenciar documentos e resolver assuntos pessoais, antes de retornar definitivamente para o Estado do Pará, para tomar posse no cargo policial.
Para Alexandre Oliveira, 29 anos, que fez a doação de sangue pela primeira vez, a iniciativa foi uma forma de contribuir para com a sociedade. ”Ainda mais para nós, da Polícia Civil, que devemos servir de exemplo a todos, pois somos servidores públicos”, destaca. Para ele, que já tinha vontade de doar sangue, mas ainda não havia tido iniciativa, a ideia do trote solidário foi uma boa oportunidade e um incentivo a ser doador. Já Yuri Vilanova, 26, também doador de sangue pela primeira vez, destacou o atendimento no Hemopa. “Achava que iria demorar muito, mas foi bem rápido”, disse ele ao ressaltar a importância de ter aderido à campanha dos colegas de curso de formação. “Doar sangue é muito simples e não custa nada”, asseverou. Por sua vez, o formando Augusto Potiguar, 32 anos, ressaltou a necessidade de doações de sangue, principalmente, neste período do ano, quando se aproxima o mês das férias escolares e a tendência é ocorrer a redução do número de doações, já que muitas pessoas viajam nessa época.
O eletricista Rener Ribeiro, 35, elogiou a iniciativa dos novos policiais civis do Pará. Integrante de uma torcida organizada do Clube do Remo, ele já é doador voluntário há mais de cinco anos e, desta vez, compareceu ao Hemopa para ajudar a mãe de um amigo internada no Hospital do Pronto Socorro Municipal do Guamá. “Acho que todos deveriam aderir à causa da doação de sangue para ajudar outras pessoas”, salienta. A técnica de Enfermagem do Hemopa, Gercina Martins, parabenizou os novos policiais civis por terem abraçado a causa da doação voluntária de sangue. "Toda iniciativa como essa é muito válida para abastecer ainda mais o nosso banco de sangue", assevera.

Fonte: http://www.policiacivil.pa.gov.br/