terça-feira, 27 de maio de 2014

Ministério Público Estadual (MPE) vai investigar o certame para delegado de Polícia Civil do Tocantins

O Ministério Público Estadual (MPE) vai investigar o certame para delegado de Polícia Civil do Tocantins, devido a denúncias de candidatos que fizeram as provas no último domingo, em Palmas. Ao todo, 12.155 pessoas se inscreveram para as 126 vagas ofertadas pelo concurso.

Conforme a Fundação Aroeira, o índice de abstenção foi de 29,9%, e as provas foram realizadas sem incidentes e seguindo o cronograma estabelecido no edital. No entanto, a escolha de uma empresa sem experiência na área gerou desconfiança por parte de muitos dos candidatos.

INSEGURANÇA

Para Gleydson Lopes, que veio do Recife (PE) para prestar o concurso, a falta de experiência da fundação dificultou os estudos. “Como eles nunca realizaram provas desse tipo, não temos uma referência de provas anteriores, por exemplo”, justificou.

Já a candidata Renata Póvoa, que veio de Brasília, também disse não estar confiante na banca avaliadora. “Meu medo é de que o concurso seja suspenso e a gente tenha que voltar para fazer uma nova prova, ou ainda de que o certame seja cancelado”, disse.

DENÚNCIAS

Por nota, o MPE informou que já recebeu denúncias, ontem, de candidatos do certame e que o promotor de Justiça Edson Azambuja está instaurando procedimento investigatório e ouvindo testemunhas .

No entanto, a assessoria da Fundação Aroeira afirmou que não houve ocorrências em nenhum dos locais de aplicação de provas, e que não há motivos para insegurança dos candidatos. Para aqueles que desejam interpor recursos, o prazo vai até as 18 horas de hoje, pelo site www.fundacaoaroeira.com.br, onde também pode ser consultado o gabarito provisório.

Fonte: http://www.jornaldotocantins.com.br/


Triste e lamentável o comportamento de alguns, ou melhor, de muitos candidatos...atitudes desonestas a olho nu ... E o pior é que esse povo desonesto e sem escrúpulo nenhum quer ser delegado de policia. Torço para que aqueles que usaram de meios fraudulentos, do jeitinho brasileiro onde os meios justificam os fins sejam todos reprovados e que jamais alcancem resultado positivo em qualquer concurso público que seja, quanto mais delegado. Não merecem. E não adianta culpar somente quem realizou o certame não. Cada um que se indignou e não se dignou a fazer a devida denúncia colabora com essa vergonha reiterada que se tornaram os nossos concursos públicos....LAMENTÁVEL MESMO!!!! Mas, sobre esse concurso eu ainda tenho muito a dizer ...

Márcia Gardênia.