terça-feira, 15 de abril de 2014

Tragédias continuadas no Complexo de Pedrinhas

Mais uma morte! E esta não é uma noticia veiculada que pareça nos causar mais surpresas, embora nos assuste muito imaginar que a violência todos os dias anunciada ainda possa alcançar índices maiores. Desta vez a vítima foi André Valber Mendes, de 26 anos, encontrado enforcado na noite dessa segunda-feira (14) no pavilhão Delta do Centro de Detenção Provisória (CDP), no Complexo Penitenciário de Pedrinhas , em São Luís. 

Com a morte, que é a terceira desde o sábado (12), subiu para sete o número de mortes no local em 2014. Em todo o Maranhão, já são dez presos mortos este ano. A Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária ( Sejap) confirmou a morte, mas ainda não divulgou nota oficial sobre o caso.

Nesse fim de semana, o detento Wesley Sousa Pereira, de 23 anos,  foi encontrado morto no Presídio São Luís I, e de João Altair Oliveira Silva, 18, na Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), ambas unidades prisionais do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

(...)


E pelo jeito o desafio do Secretário de Justiça e Administração Penitenciária Sebastião Uchôa continua grande, mas com seriedade e muita competência vem desenvolvendo seu trabalho frente a pasta...Que Deus o proteja!!!!!!!!!!. 

Acerca dessa última tragédia, em entrevista disse o secretário que mesmo após a transferência dos líderes das facções, novas lideranças estão comandando os grupos. "O Serviço de Inteligência da Polícia Civil já identificou outros braços dessas facções, que já estão sendo monitoradas. Nos dois últimos casos, suspeitamos de brigas dentro de uma mesma facção, portanto, uma dissidência", disse.

Uchôa acrescentou que prefere aguardar o resultado das investigações para se pronunciar. "A secretaria entende que é um caso de polícia e está sob responsabilidade da Delegacia de Homicídios, que investiga se há ligacões entre os crimes ou se são casos isolados. Preferimos aguardar o resultado das investigações para saber se é, de fato, resultado de briga interna".

Fonte:  http://g1.globo.com/