quarta-feira, 9 de abril de 2014

SOS Polícia Civil!

 

Ainda não se deram conta, mais a Polícia Civil do Estado do Maranhão vai acabar! Não é pessimismo, mau agouro ou porque alguém especificamente queira e sim, por ação do próprio Governo, soma-se a isso, a inércia e o comodismo das pessoas que dirigem essa Instituição. Se é que podemos chamá-las de dirigentes. Se perguntarem para alguém do povo, o que a Polícia Civil faz? Certamente, pouquíssimas pessoas saberão responder ou dizer que a PC é a que realmente prende, investiga, ou pelo menos era pra ser. É a Polícia Judiciária.

Alguém do povo sabe disso? Não. Nem mesmo os ocupantes de cadeiras no secretariado do Governo. Prova disso, foi numa das reuniões entre representantes do SINPOL com a secretaria de administração e assessores, onde ali, no calor do debate, depois de ouvirem atribuições e deveres da PC proferidas por um colega Investigador, um deles disse que realmente essa Polícia da qual os sindicalistas estavam se referindo, merecia uma condição mais digna e o colega respondeu: "pois essa Polícia somos nós", e ficaram ali todos a olhar um para o outro.

O Maranhão é o Estado que tem, proporcionalmente, menor número de policiais civis por habitantes. Nos concursos promovidos pelo governo com a finalidade de repor ou aumentar a quantidade de policiais, não conseguem nem uma coisa e nem outra, excetuando-se aí os policiais militares, que ainda conseguem um percentual um pouco maior, porém, com número também não suficiente. A cada concurso promovido pelos governos, o número de policiais civis diminui, e não é pouco. Se perguntar qual a é Polícia que prende? Certamente vão responder que é a Polícia Militar, são eles quem as pessoas olham nas ruas, é a Polícia de propaganda do governo. Se perguntar sobre investigação, aí é que a Polícia Militar sai na frente, quando certamente vão dizer: é o "serviço velado” ou de “inteligência” da Polícia Militar. E a polícia Civil? Essa é só para registrar ocorrência, não sabendo que nem isso nós estamos fazendo, são os chamados "terceirizados", para quem não sabe, são empresas contratadas pelo mesmo governo (dizem que é mais econômico), que levam seus funcionários às entranhas da Polícia Civil e ali ficam, nada contra essas pessoas (trabalhadores), mais estão dando e nós estamos cedendo e perdendo espaço dentro da nossa própria casa, vai chegar um dia em que o policial civil vai chegar para trabalhar e ali já vai ter alguém que lhe dirá: "espera, estou ocupado agora". Essa será a nossa realidade, se já não está acontecendo.

Entendam, não se trata da crítica pela crítica e sim, um alerta para nós que somos parte desta Instituição tão sofrida, que ainda resiste aos gritos de “socorro”, sem achar ninguém que lhe dê a mão, ao contrário, ainda chegam “pára-quedistas” para se aproveitarem do pouco que ainda resta. É como “tirar leite de pedra”, e eles conseguem!

As Delegacias de Polícia estão sucateadas e sendo tomadas, transformadas em mini-presídios, e quem está “tomando conta” desses presos, são também pessoas contratadas por empresas, essas mesmas, as terceirizadas, gente sem nenhuma formação técnica para desempenhar função de tamanho risco. Enquanto isso, Delegados, Escrivães e Investigadores de Polícia Civil estão dividindo o mesmo espaço, não na mesma proporção, já que eles (terceirizados) estão em grande maioria.

Talvez, as pessoas que estão sentadas em suas confortáveis cadeiras, olhando e concordando com tudo isso que está acontecendo, ainda não se deram conta da perversidade que estão fazendo com a Polícia Civil do Estado do Maranhão, fazem “vistas grossas”, fingem não ver, como se diz na linguagem policial: “estão passando batidos”, quando quiserem despertar, aí será tarde demais. Acabou!

O “paciente” está na UTI, respirando com ajuda de aparelhos e são muitos os candidatos que querem desligar os equipamentos, inclusive, quem deveria está cuidando bem deles. Somos adversários de nós mesmos. A cada espaço que cedemos, é mais um Investigador, mais um profissional de Polícia Civil que deixa de trabalhar, e nessa "evolução", essa “não necessidade” de policiais civis vai bater às portas dos gabinetes dos Delegados, estes totalmente acomodados, inertes e sem nenhum poder de reação, olhando apenas para o dedão do pé, articulados com os governos, vão permitindo esses acontecimentos desastrosos para essa valorosa Instituição e também ao povo do Maranhão, sobretudo, as pessoas mais carentes. Num futuro bem próximo serão caciques sem índios, sem aldeia. Quem nos garante que o próximo gestor da Polícia Civil, é, a Polícia Civil não será um Coronel da Polícia Militar? Que seja do Maranhão, para que o constrangimento não seja bem maior, como já tivemos em outras ocasiões, quando essa “figura” era importada, sem nenhuma identificação com nosso Estado. Pensem e reflitam sobre isso senhores. Imaginem chegar ao gabinete do Secretário de Segurança, ele, sentado na sua confortável e majestosa cadeira, fardado, exibindo seus brasões e medalhas por bravura, fazer continência e em posição de sentido, dizendo: “bom dia Coronel!”

Em tempo: o Secretario de Segurança que tomou posse na ultima sexta-feira é o Ricardo Murad, que acumulará as pastas de saúde e segurança, tem coisas que acontecem no Maranhão e dispensa o mínimo de qualquer comentário lógico.

José Antonio Pinheiro Silva
Escrivão de Polícia Civil
Mat. 279059


Fonte: http://www.sinpol-ma.com.br/