sexta-feira, 28 de março de 2014

Diário Oficial do Governo do Maranhão, 17.03.2014

PORTARIA Nº 172/2014 - GAB/SSP/MA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA, no uso de suas atribuições legais e com fulcro no artigo 72, inciso I, da Lei n.º 8.508, de 27 de novembro de 2006, RESOLVE:

I - Determinar a instauração de Processo Administrativo Disciplinar objetivando apurar a responsabilidade funcional de MÁRCIA GARDÊNIA ALVES PEREIRA, Escrivã de Polícia Civil, matrícula nº 1837111, Classe Especial, Referência 03, e GUILHERME PRAZERES LOPES DE SOUSA, Investigador de Polícia Civil, matrícula nº2177327, Classe A, Referência 01, haja vista que, como coautores de matéria intitulada "Casa de Ferreiro Espeto de Pau", postada em 01.10.2013 no blog particular da referida servidora, divulgaram ter sido vítimas de furtos supostamente ocorridos no 1º. Distrito Policial de Bacabal/MA, o que repercutiu negativamente, inclusive, com a difusão da questionada matéria em outros blogs, prejudicando a imagem da instituição policial, consoante informado no Ofício nº 214/2013-GAB/DRPCB, de 19.12.2013, dirigido à SPCI. Tal fato poderá caracterizar a falta capitulada no art. 56, inciso III, letra "o", da Lei nº 8.508/2006, assim como a inobservância do dever funcional previsto no art. 209, inciso VII, da Lei nº 6.107/1994.

II - Designar, de acordo com o artigo 78 da Lei nº 8.508/2006, Dra. TÂNIA MARIA COSTA REIS RODRIGUES, Delegada de Polícia Civil, matrícula nº 1125269, 1ª Classe, JOSÉ MARCELINO ARAÚJO DOS SANTOS, Investigador de Polícia Civil, matrícula nº 339929, Classe Especial, Referência 11, e MARIA SANTANA PEREIRA COSTA, Escrivã de Polícia Civil, matrícula nº 1136704, Classe B, Referência 6, para, sob a presidência da autoridade policial, comporem a Comissão destinada à apuração dos fatos.

III - Fixar o prazo de 60 (sessenta) dias para a conclusão dos trabalhos apuratórios, nos termos do artigo 81, da Lei 8.508/2006.

DÊ-SE CIÊNCIA,PUBLIQUE-SE E CUMPRA-SE.

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA,

EM SÃO LUÍS-MA, 06 DE MARÇO DE 2014.
ALUÍSIO GUIMARÃES MENDES FILHO

quarta-feira, 26 de março de 2014

Recado dado


(...)



O baile dos mascarados

O ativismo destrutivo entrega aos fardados oficiais a única vitória real que eles podem almejar contra a indignação coletiva


Por Guilherme Scalzilli

É fácil encontrar características do imaginário black bloc em outras formas de ativismo, especialmente as que compartilham a longeva herança anarquista. Mesmo as suas bases filosóficas mais recentes, cheias de biopotências, devires e outros conceitos intricados, agradam a um variado leque de opções militantes. Mas existe um diferencial poderoso no fenômeno black bloc: o uso obsessivo da palavra “tática” para definir-se.

A princípio, essa alcunha poderia insinuar um conceito instrumental da atitude rebelde, calcado na (enganadora) proposta de esvaziá-la de sentidos intrínsecos. O problema é que, manejada como simples ferramenta, a agressividade absorve a natureza dos objetivos aos quais se associa − inclusive o espírito fascista, que costuma insinuar-se pelas fileiras anônimas de manifestações abertas a qualquer plataforma.

Não há risco de contaminação reacionária na militância mascarada, entretanto, pois ela sempre incorporou padrões reivindicatórios claros, escolhendo as circunstâncias mais convenientes à defesa das bandeiras genéricas (anticapitalismo, antiglobalização etc.) que lhe conferem uma identidade coesiva. Soa ingênuo, portanto, concluir que a mera falta de líderes e regras formais garante a autonomia e a descentralização de seus adeptos. O próprio esforço para fazer da destruição seletiva uma mensagem, ou uma finalidade em si, descaracterizaria o suposto caráter espontâneo e intempestivo do gesto.

O enquadramento ideológico, a coerência programática e a dinâmica participativa demonstram que os blocos estão mais próximos de uma organização política do que o rótulo “tático” permite adivinhar. Têm afinidades, por exemplo, com as dissidências de esquerda que seguiram metodologias diversas no combate à ditadura militar. Nem todos os grupos armados achavam possível derrubar o regime, concentrando suas expectativas no apelo provocativo que ações de impacto poderiam ter sobre a sociedade.

É sob essa ótica organizacional que se revela a natureza propagandística dos ataques ao patrimônio privado. Eles visam chocar o público e marcar posição antagônica à dos meios ortodoxos de mobilização. O viés performático da ação direta alimenta a simbologia radical de uma revolta que não pode romper os laços com as instâncias representativas tradicionais, pois delas recebe um contraponto oportuno e uma base de potenciais seguidores. Sem vidraças quebradas, a ilusão da pureza “tática” desmorona.

A máscara participa da pantomima. É o ícone diferenciador do coletivo radical no ato de motivações pacíficas. Mas essa marca de funcionalidade também ajuda a incorporar os grupos black blocs às passeatas, que os assimilam como uma espécie de vanguarda protetora e reativa. Então eles se transformam na tropa de choque dos manifestantes.

O paralelo com as forças policiais não é gratuito. A indumentária significativa, o anonimato, o senso do dever e o uso seletivo (“tático”) da força compõem tanto os discursos dos repressores como os de seus adversários. Unidos no ódio pela imprensa, eles agora se espelham até na capacidade letal de atingir os profissionais desse setor. Medindo pedras e balas, bombas e rojões, a opressão estatal legitima a violência dos anarquistas, e vice-versa. Todos são parceiros de coreografia nesse carnaval midiático, fetiches úteis6 que o noticiário incentiva para despolitizar os movimentos sociais e a violência que eles sofrem.

Isoladamente, não há dúvidas sobre qual das hordas inimigas contribuiu mais para as demandas populares em 2013: a repressão dos cossacos trouxe novas multidões às ruas, enquanto a chegada dos depredadores marcou o início do esvaziamento dos protestos. Além de fornecer pretextos para a sua criminalização, a presença dos Black Blocs exaure as chances práticas da iniciativa reivindicatória. A pancadaria inevitável exime as autoridades de sequer encenarem a disposição para negociar.

Mas a maior contradição da fantasia tática do Black Bloc é exatamente a inviabilidade como estratégia reformista. Primeiro porque o ativismo destrutivo entrega aos fardados oficiais a única vitória real que eles podem almejar contra a indignação coletiva. Ao mesmo tempo, espelhando os procedimentos coercitivos dos poderes vigentes, o projeto insurrecional se parece cada vez mais com as próprias estruturas que afirma combater, afastando a militância em busca de novas formas de luta.

Talvez essa seja a verdadeira intenção dos mascarados, no fim das contas.

segunda-feira, 24 de março de 2014

(...)


Em Teresina, policial militar é envenenado pela esposa.



A mulher identificada como Maria Francisca dos Santos foi presa acusada de matar o próprio marido, policial militar, envenenado. O crime ocorreu na noite deste domingo (23), mas a vítima foi encontrada morta na manhã desta segunda-feira (24). 

Policiais militares foram a pé até a residência para dar reforço aos agentes da Delegacia de Homicídios e prenderam a acusada. Informações preliminares afirmam que não há histórico de agressões entre o casal, mas o cabo teria relacionamento amoroso com outra mulher.

Ao chegar na Delegacia de Homicídios a acusada confessou o crime e disse que matou o esposo por "desgosto". Ela assumiu que estaria sendo traída pelo marido.

"Eu estou tranquila, foi por desgosto. Eu matei por chifre. Ele me censurou porque eu estava com câncer", afirmou a mulher.

Segundo os agentes da delegacia, ela colocou veneno de rato no achocolatado e ofereceu ao marido durante a noite de ontem enquanto ele estava bêbado. Ela aparenta calma e não está nervosa.

O cabo da Polícia Militar, Antônio Carlos da Silva Rocha foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (24), dentro de sua casa na Vila Irmã Dulce, zona Sul de Teresina.

http://www.cidadeverde.com/

Convocação para Assembléia Extraordinária dos Policiais Civis do Maranhão.


Quem de fato estiver interessado em encontrar respostas para esta questão não deve faltar a Assembléia Geral Extraordinária marcada para a próxima sexta-feira, dia 28.03.14, às 15:00h, no Sindicato dos Bancários, localizado na Rua do Sol, nº413, Centro.


Pauta da Assembléia:

1- Melhoria das condições de Trabalho nas Unidades Policiais;
2- Permanência de Presos nas Delegacias;
3- Politica de Valorização e Remuneração do Policial Civil;
4- Descumprimento das Decisões Judiciais;
5- Indicativo de Paralisação das Atividades;

Agora, meu/minha colega, se você não se fizer presente, não participar, não mostrar a cara, se omitir, não vai dizer depois, sob qualquer justificativa, que não sabia o que estava acontecendo, que desconhece as decisões tomadas. A ora é essa.... Por isso, façamos um esforço e compareçamos, tenho certeza que o sacríficio valerá à pena, pois temos assuntos sérios a tratar, ou não?!

Sinpolpi contabiliza 101 homicídios em dois meses do ano


Uma pesquisa do Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Piauí (Sinpolpi) para medir a violência no Estado revela que nos dois primeiros meses de 2014, 101 pessoas foram assassinadas no Estado. 

Os números mostram ainda que o mês de janeiro foi o mais violento, desde que a pesquisa começou a ser realizada há cerca de três anos, com um total de 55 crimes dolosos contra a vida.

Segundo os dados, em fevereiro aconteceram 46 assassinatos.  Os números mostram que neste ano quase um quarto dos homicídios aconteceram na capital, com um total de 73 casos.

Em janeiro, enquanto 45 pessoas eram mortas em Teresina e no interior foram dez assassinatos, um dos menores números já registrados pela pesquisa.

“O mais preocupante é que outras regiões começam a rivalizar com o Promorar em termos de violência. Em fevereiro dos 13 assassinatos registrados na zona Sul, quatro aconteceram na Vila Irmã Dulce”, afirma o presidente do Sinpolpi, Cristiano Ribeiro.

Cristiano lembra que nos primeiros dois meses de 2014 foram registrados os assassinatos de dez mulheres, sendo sete em fevereiro e três em janeiro, onde se encontra o caso de um corpo feminino encontrado esquartejado e que até hoje a polícia não conseguiu identificar a vítima e desvendar o crime.

Outro dado estarrecedor é o grande número de moradores de rua assassinatos neste período, em um total de quatro casos, três deles registrados em janeiro.

Com relação à ocupação das vítimas, continua muito alto o índice de pessoas que tinha débito com a Justiça e ou envolvimento com drogas e assaltos. Pelo menos 27 pessoas eram ex-detentos, ex-internos, detentos, assaltantes ou traficantes, entre as 101 pessoas mortas em janeiro e fevereiro no Piauí.

Dos assassinatos, conforme os dados da pesquisa, mais da metade foram cometidos por arma de fogo. Os casos praticados com armas brancas aparecem em segundo lugar e está aumentando os delitos praticados por outros instrumentos, como pau, pedra, cordas, dentre outros.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Delegado de polícia é condenado por falsidade ideológica



O juiz Thiago Henrique Teles Lopes, da 3ª Vara de Andradina, julgou procedente ação proposta pelo Ministério Público Estadual e condenou um delegado de polícia pelo crime de falsidade ideológica. A pena foi fixada em quatro anos de reclusão, no regime inicial semiaberto, bem como pagamento de 150 dias-multa, além da perda do cargo público. Consta dos autos que o réu, na época em que também atuou como diretor do Ciretran local, teria inserido declarações falsas em documentos para emissão de carteira nacional de habilitação (CNH), fato que permitiu a aprovação de seis pessoas em prova prática não realizada. Em todos os casos os candidatos pretendiam adquirir o enquadramento nas categorias “D” e “E”, que possibilita a condução de veículos de carga, micro-ônibus e transporte de produtos perigosos. “Sendo o acusado delegado de polícia, tornam-se mais nocivos os ilícitos em que incorreu, pois detentor de cargo público de elevada relevância ao Estado e à sociedade, e sua conduta acarretou intensa afronta à moralidade pública”, afirmou o juiz na sentença.

Fonte: http://www.tjsp.jus.br

POLICIAL CIVIL DE ZÉ DOCA ATUA RAPIDAMENTE E EVITA TRAGÉDIA MAIOR

Mais uma tragédia abalou a população no município de Zé Doca, na noite desta quarta-feira (19), por volta 21h:30min. O fato ocorreu no Bairro da Vila Nova, na Rua Castro Lisboa próximo a Escola Municipal Diolinda Gusmão, quando o acusado de nome Douglas, de 28 anos, aparentemente drogado esfaqueou a própria mãe e depois manteve dentro de casa duas crianças de 5 e 10 anos reféns. A vítima uma idosa, conhecida pelo nome de Marly, aproximadamente 60 anos, veio a óbito ainda no local do crime, após levar sete facadas do próprio filho. A senhora já esfaqueada saiu correndo para rua, pedindo socorro, quando o acusado se trancou dentro da casa, onde estavam as duas crianças dormindo.

As polícias civil e militar estiveram no local do crime, onde o acusado mantinha as duas crianças em seu poder com facas apontadas para os dois menores. Uma guarnição da policia militar ficou na frente da residência, enquanto o Delegado Regional e o IPC Mex se deslocaram para o fundo da casa, pois em virtude da grade na porta da frente, ficava difícil o acesso ao interior da casa. 

A equipe da Policia Civil composta pelo Delegado e o Investigador conseguiu arrebentar uma janela da residência e quando o indivíduo solto as crianças e foi verificar o barulho  armados com as duas facas, numa ação rápida e eficiente  efetuaram dois tiros certeiro sendo um no braço e outro na perna do indivíduo, conseguido imobilizá-lo.   

O acusado estava armado com duas facas e ameaçava as crianças e os policiais a todo instante, se adentrasse na residência. Depois de mobilizado e ferido, o acusado foi levado para o hospital para atendimento médico, mas não corre risco de morte. 

As duas crianças foram libertadas sem ferimentos. Toda ação policial foi coordenada pelo Delegado Regional Dr. Jader Alves.


Enviado pelo IPC SISINO MUNIZ

quinta-feira, 20 de março de 2014

Desembargador Edvaldo Moura do Piauí nega pedido de liberdade ao delegado Clayton Doce

O desembargador Edvaldo Moura negou, nesta quinta-feira (20), pedido de habeas corpus impetrado pelo advogado Stanley de Sousa Patrício em favor do delegado Clayton Doce Alves Filho, preso sob acusação de peculato e falsidade documental.

A defesa alegou que Clayton Doce sofreria de problemas psiquiátricos, no entanto, a justificativa foi contestada pelo desembargador que considerou o argumento como sendo de pouca relevância pelo fato de que “ele poderia obstar o andamento da persecução criminal ou ainda furtar-se à aplicação da lei penal”.

O magistrado destacou ainda que “não se vislumbra teratologia, ou ainda evidente abuso ou ilegalidade na decisão prolatada, mas ao contrário, se verifica que o juízo se preocupou em fundar concretamente a necessidade de medida constritiva, o que desautoriza a cassação de tal decisão”.

O desembargador concluiu que “ante o exposto, com base nas razões expedidas, denego o pedido de medida liminar”.

A prisão

O delegado Clayton Doce foi preso na tarde da última quarta-feira (19) depois do mandado de prisão expedido pelo juiz Francisco João Damasceno, da 1ª Vara de Piripiri. A prisão foi determinada após inquérito policial instaurado em 2013, que apurava os crimes de falsidade de documentos e peculato, enquanto o delegado era titular da regional do município de Piripiri.

Contra o delegado, foram abertos ainda inquéritos para apurar outros crimes, além de processos administrativos disciplinares e ação de improbidade. Um dos crimes que o delegado foi acusado seria a cobrança de até R$ 50 mil para a ocultação de delitos.

Delegacia geral

O delegado-geral James Guerra declarou que o atestado médico apresentado aponta que o delegado Clayton Doce sofre de uma síndrome que teria se desenvolvido recentemente e não na época em que o investigado teria cometido os crimes.

“O atestado apresentado mostra que ele sofre de uma síndrome que se desenvolveu recentemente e que por isso, ele devia ficar afastado do cargo de delegado, pois é uma profissão complexa que envolve questões de arma. De acordo com o atestado, essa síndrome só se desenvolveu recentemente e não na época dos crimes. Com isso, o inquérito vai continuar normalmente”, afirmou James Guerra.
Fonte: gp1.com.br

Irmã de delegado é flagrada tentando dar golpe de R$ 19 mil

Os policiais da Delegacia do Idoso prenderam na manhã de hoje (20), em flagrante, no centro de Teresina, a irmã do delegado Mamede Rodrigues, titular do 5º DP. Elisa Amélia Rodrigues Alves Prado, 49 anos, é acusada de estelionato e estava tentando fazer um empréstimo consignado no valor de R$ 19 mil.

Elisa foi levada para a Delegacia do Idoso. Segundo a investigação, ela estava usando documentos falsos para conseguir o empréstimo.

A informação inicial obtida pela polícia é que a vítima tratava-se de uma idosa. Porém, ao chegar ao distrito especializado, foi constatado o contrário.

O delegado Armandino Pinto, titular da delegacia, não quis dar informações sobre o caso alegando que não é de sua jurisdição. O caso foi encaminhado para o 1º DP, sob o comando do delegado Riedel Batista.

Não é o primeiro processo a que Elisa responde. Segundo a polícia, ela é acusada também de aplicar um golpe de R$ 60 mil na cidade de Amarante.
 
 Fonte: http://www.cidadeverde.com

Pantera cor de rosa : 50 anos.








terça-feira, 18 de março de 2014

Merece destaque !

Inácio de Sá Bezerra Neto, 17 anos, piauiense, natural de Picos, foi aprovado em 15 vestibulares, para um dos cursos mais concorridos, Medicina. 
Na lista, o adolescente acumula aprovações na Universidade Estadual do Piauí (Uespi), duas universidades particulares nas cidades de Blumenau e Volta Redonda, e mais doze universidades federais, entre estas, nos estados do Ceará, Minas Gerais, Sergipe, Alagoas, Paraíba, Bahia, Maranhão e na Universidade Federal no Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina, no estado do Pernambuco

PARABÉNS!!!

Fonte: http://www.cidadeverde.com/

Circulando no face....


Charge, charge, charge... BENETT



 

Mantida condenação de mulher que mordeu oficial de Justiça

A 2ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve condenação de uma mulher que agrediu e mordeu um oficial de Justiça por se opor à apreensão de um veículo em São José dos Campos. Pelos crimes de lesão corporal, desacato e resistência qualificada, as penas foram fixadas em três meses de detenção, no regime aberto, 10 dias-multa e prestação de serviços à comunidade pelo prazo de um ano. 

De acordo com os autos, o oficial de justiça foi informado sobre o paradeiro de um veículo cuja apreensão havia sido determinada. No local encontrou a ré que, ao tomar conhecimento da diligência, indignou-se, entrou no automóvel e tentou ligá-lo, afirmando que o carro pertencia ao seu marido já falecido. O servidor público colocou seu braço para dentro do carro, com o intuito de impedi-la. A ré, então, xingou o oficial, mordeu o braço dele, deu a partida e saiu com o veículo.

Em seu voto, o relator, desembargador Alex Tadeu Monteiro Zilenovski, rejeitou a tese da defesa, de que a ré apenas se defendeu de suposta agressão. “Foi suficientemente demonstrada a ocorrência dos três delitos a ela imputados. A lesão corporal, pela prova pericial, a resistência, pela oposição à apreensão do veículo, e o desacato, pelos diversos xingamentos feitos.”

Fonte: http://www.tjsp.jus.br/

"Quis custodiet ipsos custodes?"


Ela saiu para comprar pão...
"Foi tratada como um bicho". 
Desabafou o marido

Insegurança Pública.

MORADORES ESPALHAM AVISOS SOBRE FALTA DE SEGURANÇA NO PLANO PILOTO. Insatisfeitos com a violência e a falta de segurança na Asa Sul, moradores espalharam avisos de alerta em placas das quadras da região. A mensagem dos adesivos diz "Cuidado! Área abandonada pela segurança pública". Os adesivos foram colocados em pontos onde houve ocorrências e a polícia não estava presente ou não apareceu. "Aqui em Brasília está assim: Segurança zero. Não dá nem pra chamar a polícia, eles não atendem.


Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/

(...)



segunda-feira, 17 de março de 2014

Documentário lançado em fevereiro de 2014, com entrevistas de militantes e pesquisadores de diversas cidades brasileiras


(...)


Delegado do Piauí é assassinado com 6 tiros durante assalto em Fortaleza

O delegado cearense Lucas Craveiro Alves, de 32 anos, que trabalhava na Polícia Civil do Piauí foi assassinado a tiros na madrugada desta segunda-feira (17), no Bairro Guararapes, em Fortaleza.

De acordo com a Polícia Militar, o crime ocorreu por volta das 3h30 da manhã. O delegado jantava em um restaurante. No momento em que retornava para o veículo, o delegado foi abordado por assaltantes.

Conforme o Programa de Policiamento Ronda do Quarteirão, o delegado reagiu e houve troca de tiros. O delegado levou seis tiros. A polícia acrescentou que a vítima foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local. 

A Polícia Militar prendeu, após uma perseguição, no início da manhã desta segunda-feira (17), em Fortaleza, três suspeitos de matar o delegado de polícia Lucas Craveiro Alves em uma tentativa de assalto nesta madrugada. Ele era cearense, mas trabalhava no Piauí e viajava a Fortaleza aos fins de semana para rever a família.

Um dos suspeitos, conforme a polícia, levou um tiro no braço e está internado na emergência do Hospital Instituto Doutor José Frota (IJF), no Bairro Centro, na capital. O suspeito está sob escolta policial.

Os outros dois foram levados para a Delegacia de Capturas e Polinter. A polícia informou também que recuperou a arma que pertencia ao delegado Lucas Craveiro Alves.

Fonte: http://g1.globo.com/

http://www.blogdojj.com.br


As opiniões podem ser gerados pelo que você sabe, assim como pelo que não sabe. E o que pensa que sabe…
Entram em jogo, como vocês percebem, o controle da informação e a censura, assim como a ignorância (como falta de cultura). Muita gente não lê, não se atualiza, não busca informações em diversas fontes e, mesmo assim, tem opiniões arraigadas em todos os assuntos que foram discutidos (especialmente política e religião, que vivem mais de doutrinação/propaganda).
Para ser bem informada, uma pessoa precisa ler e experimentar várias oportunidades de adquirir conhecimento, tornando-se – com o passar do tempo – uma pessoa culta.
No Brasil só 6% das pessoas lêem jornais todos dias, o que revela um nível de conhecimento (e de discernimento) muito baixo.
Além disso, a imensa maioria dos brasileiros não lê nenhum livro por ano, que nos permite deduzir que os brasileiros (generalizando) são mais informados pelo que eles não sabem…ou pensam que sabem.
A Opinião Pública é, simplesmente, a somatória de várias opiniões sobre um mesmo assunto. E não existem, no mundo, duas pessoas com a mesma opinião a respeito de todos os assuntos, simplesmente porque cada pessoa adquire informações e experiências diferentes, ao longo da vida.
Mas esta é só a minha opinião.
JJ
…………..
PS. A imensa maioria dos brasileiros é forma se informa só pela TV. E, geralmente, só por um canal de TV – o que é muito pouco.

GREVE DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO PIAUIENSE É CONSIDERADA LEGAL

GREVE NO JUDICIÁRIO CONTINUA FIRME E FORTE



domingo, 16 de março de 2014

Esgotamento mental não é frescura; saiba como combater o problema


Trazemos agora a Vossas Excelências a matéria a seguir que foi publicada no sítio da uol ainda no ano de 2013, para que não subestimem o poder do cérebro e vejam como os policiais são vítimas fáceis da Síndrome de Burnout. Essa condição, essa doença também tem outros nomes, todavia, o mais importante
neste momento é que leiam, previnam-se e respeitem o limite do ser humano - também os POLICIAIS CIVIL, que o estado tem como verdadeiras de máquinas, super máquinas. Para verem diretamente na fonte cliquem AQUI.

* * *

Depois de andar para lá e para cá o dia inteiro, trabalhar, ir à academia, fazer compras no mercado, seu corpo está esgotado e precisa de um descanso. Seu cérebro também. Muitas vezes não nos damos conta que, após um intenso trabalho intelectual, o cérebro também fica "cansado", e também precisa de um tempo para relaxar. Ignorar essa necessidade pode causar uma série de problemas.

No mundo moderno, em que uma grande parcela da população trabalha em frente a um computador, e em que cada vez mais se exige pensamento rápido, criatividade e empreendedorismo, é muito fácil deixar o cérebro "cansado". Além disso, muitas vezes exige-se que ele trabalhe com energia total por períodos muito longos. "Podemos dizer que o excesso de demanda da química necessária para manter o corpo e a mente ativados se 'esgotam' em algum momento", alerta Sergio Klepacz, psiquiatra do Hospital Samaritano de São Paulo.

Ele explica que essa química é composta por hormônios e neurotransmissores como cortisol (um dos grandes responsáveis pela preparação do organismo para os enfrentamentos dos desafios do dia a dia e das situações de perigo) e noradrenalina (neurotransmissor responsável pela sensação de motivação e também da atenção).

"Vários estudos mostram queda nessas substâncias durante esses períodos de estafa", diz. Por isso, as consequências mais imediatas são falta de atenção, dificuldade de memória, perda de concentração, pensamento mais lento, desânimo, alterações no sono e, é claro, cansaço – excessivo e crônico.

Às vezes o cansaço é tanto que é sentido fisicamente, com dores no corpo, dores de cabeça e até problemas gastrointestinais, como gastrites e úlceras. Por isso muitos pesquisadores afirmam que o esgotamento mental pode ser até mesmo mais grave do que o físico, pois pode causar danos tanto corporais como emocionais. Outro perigo é que muitas vezes ele é ignorado; então o cansaço se acumula e as consequências se agravam.

Sinal de alerta

Quando os primeiros sinais de alerta são ignorados, o problema vira uma bola de neve e pode desencadear uma série de complicações. Os problemas que mais surgem são o desenvolvimento de gastrites e úlceras, baixa da imunidade, com resfriados e gripes constantes, alergias, queda de cabelo, hipertensão, bronquite e alterações menstruais, entre outros.

Como essa química está atrelada ao sistema imunológico, as consequências podem ser fisicamente relevantes, com o aparecimento de quadros infecciosos que podem se agravar. "O esgotamento pode levar ao aumento da suscetibilidade para doenças, como, por exemplo, as cardiovasculares (hipertensão) e as autoimunes, tensão muscular, dor lombar ou cervical e distúrbios do sono", aponta a psiquiatra Telma Ramos Trigo, da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Além dos estragos físicos, há também os emocionais. A relação com o próprio trabalho pode ser prejudicada, pois a baixa sensação de energia e a desatenção levam também à baixa produtividade e a erros.

A relação com as pessoas também pode ser prejudicada diante da falta de ânimo em interagir, da irritabilidade, da impaciência e das mudanças bruscas de humor. O que pode fazer com que a pessoa sinta-se sozinha, agoniada, ou até mesmo se isole.

"Mentalmente, se não houver intervenção, o quadro pode ter consequências no sistema emocional, com o aparecimento de alterações de humor, tipo depressão, além de consequências em longo prazo para o cérebro", destaca Klepacz.

Energia no vermelho

Um dos problemas que podem decorrer desse esgotamento mental é a síndrome deburnout, ou síndrome do esgotamento profissional, que acontece quando o cérebro entra em processo de falência e não consegue mais trabalhar direito. Em inglês, o termo burnout é definido como aquilo que deixou de funcionar por absoluta falta de energia. Metaforicamente, é algo (ou alguém) que chegou ao seu limite, com grande prejuízo em seu desempenho físico ou mental. Ela foi assim denominada por psicanalista nova-iorquino, após constatá-la em si mesmo, no início dos anos 1970.

A síndrome de burnout é um processo iniciado com excessivos e prolongados níveis de estresse no trabalho – ou seja, é uma consequência de um processo crônico.

"A estafa ou esgotamento é o resultado de um estresse repetitivo e prolongado. A partir de certo ponto, isso passa a diminuir a produtividade e esgota nossa energia", explica Trigo.

Um estudo da OMS (Organização Mundial de Saúde) colocou o burnout como uma das principais doenças dos europeus e norte-americanos, ao lado do diabetes e das doenças cardiovasculares. Apesar de estar intimamente ligada à vida profissional, não são só os trabalhadores que sofrem deste mal: estudantes e até desempregados também podem ser acometidos pela síndrome devido a preocupações e nervosismo, por exemplo.

Diversão e lazer

Para se tratar o esgotamento mental, recomenda-se o acompanhamento de um especialista e, às vezes, medicação. "Em se tratando de esgotamento puramente cerebral, parte-se para orientações sobre o manejo das situações estressantes, avaliação da necessidade de medicamentos, orientações para aumentar a resistência física do indivíduo e avaliação da necessidade de psicoterapia", aponta Trigo.

A psiquiatra enfatiza a necessidade de buscar ajuda nesses casos. Segundo ela, muitas vezes a pessoa com estafa mental ou síndrome de burnout tende a se isolar ao invés de pedir ajuda, mas isso é fundamental para se resolver o problema. "Nosso cérebro é um órgão como qualquer outro. Na verdade, talvez um pouco mais complexo devido a trilhões de conexões. A grande questão é: por que ele não merece ajuda especializada assim como os nossos outros órgãos?", questiona.

Na hora de se tratar – e também de se evitar – o esgotamento mental, dormir bem e se alimentar adequadamente é essencial. Mas ter horas de relaxamento e diversão também. Muitas vezes as pessoas que sofrem com esses males investem muita energia no trabalho em detrimento de outros aspectos da vida, como família, amigos e lazer.

Isso acaba causando um desequilíbrio que prejudica a qualidade de vida e o bem-estar. Os especialistas afirmam que o lazer também é parte importante do dia a dia e deve ser valorizado. "O segredo é poder compensar os momentos de estresse com momentos de prazer e diversão", recomenda Klepacz.

Chris Bueno
Do UOL, em São Paulo

sábado, 15 de março de 2014

Melhor, impossível!


Fotografia de adolescente em viatura da Polícia Militar de Altos repercute nas redes sociais

A foto de um adolescente deitado sobre o capô de uma das viaturas da Polícia Militar de Altos está repercutindo nas redes sociais. O registro da imagem foi feito na tarde da última quinta-feira (13) e se espalhou rapidamente pelo aplicativo WhatsApp. 

Segundo informações do comandante da 3ª Companhia de Polícia Militar do município, Capitão Gomes Santos, no momento em que as imagens foram feitas, a viatura estava sob a responsabilidade do proprietário de um posto de lavagens.

Em outra foto, o adolescente aparece sentado dentro do veículo, com uma das mãos ao volante. O Capitão Gomes Santos considera que a atitude do rapaz foi uma maneira de desmoralizar a Polícia Militar. O comandante declarou que uma sindicância será aberta para apurar o caso e que os envolvidos serão responsabilizados.

Fonte: http://www.gp1.com.br

MEGAOPERAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL DO MARANHÃO



 Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), 82 pessoas foram detidas em uma casa próxima à Universidade Estadual do Maranhão (Uema) no bairro da Cidade Operária, nesta sexta-feira (14), em São Luís. A Superintendência de Policia Civil do Interior (SPCI) e a Superintendência de Investigações Criminais (SEIC) realizaram uma investigação e descobriram que uma festa seria realizada pela facção PCM.

De acordo com a SSP, a festa seria realizada para comemorar crimes praticados nas últimas semanas pelo grupo.
Foto: Jade Bonna / TV Mirante
A polícia informou que o local é de difícil acesso, e que, no momento da prisão, foram identificados 20 integrantes da facção. Para o transporte de todos os suspeitos, a polícia teve que utilizar um ônibus. Todos foram conduzidos para sede da Seic.
No local das prisões, os policiais apreenderam cinco revólveres, drogas e bebidas. Entre os detidos, há foragidos que respondem a processo criminal na Justiça.
Das 82 pessoas conduzidas à Seic, 68 foram autuadas, sendo 57 de maior idade e 11 adolescentes. Segundo o delegado, os menores foram liberados por não estarem em flagrante de crime violento. Já os 57 adultos foram conduzidos para o Centro de Triagem de Pedrinhas.
No local, a polícia encontrou cinco armas de fogo, sendo três revólveres de calibre 38 e duas pistolas, uma de calibre 765 e outra ponto 40. Foram apreendidos, ainda, 61 celulares, 41 munições para calibre 38, 32 e ponto 40, além de drogas e bebidas.
Além das drogas e armas, a polícia encontrou seis motos e dois veículos que seriam de integrantes da facção.
Operação
Segundo a polícia, integrantes de uma facção criminosa estavam reunidos em uma casa de difícil acesso, que fica no bairro da Santa Clara, região da Cidade Operária. Eles estavam realizando uma festa para comemorar crimes praticados nas últimas semanas pelo grupo.
A casa tinha piscina, campo e churrasqueira. Os policiais cercaram o local por volta das 17h dessa sexta-feira (14).
Oitenta policiais civis participaram da ação, que é resultado de três meses de investigação. No local a polícia encontrou 74 pessoas do sexo masculino, 10 mulheres e 14 adolescentes. Desses, 82 foram conduzidos à Seic. A polícia Civil utilizou dois ônibus para levar os detidos. 








Fonte: http://imirante.globo.com/