domingo, 5 de janeiro de 2014

Livre pensar

Os últimos acontecimentos na capital maranhense tem  nos obrigado a refletir e muito toda essa situação de caos, desordem e afirmação criminosa que estamos vivendo. Se por um lado reconhecemos que nossa policia civil melhorou, ganhou eficiência e produtividade, por outro não podemos deixar de constatar que ela está encolhidinha. Está certo, ganhamos novos recursos e novas tecnologias foram incorporadas ao trabalho cientifico e isso tem auxiliado na elucidação de crimes, mas, também é verdade que se vive um período de crise, de vários tipos de crises.... Somos um contingente minúsculo e com o trabalho investigativo seriamente comprometido pelo reduzido número de policiais.  Estamos de pires na mão. Máquina alguma pode nos substituir na colheita de depoimentos, nos locais de crime ou análises de provas. Indícios e evidências de ações criminosas requerem trabalho humano e o nosso elemento humano é escasso. Precisamos também de  investimentos mais expressivos a serem efetivamente utilizados em investigações. Mas, disso também não dispomos. O ritmo de proliferação do crime é crescente. Lamentavelmente, não é na mesma proporção que se encontra estruturada a força Estatal para o combate da criminalidade que se diversifica, ganha força e novos adeptos. Crianças e jovens estão aí na nossa cara para provar como cresce esse recrutamento para a criminalidade. Há muito reclamamos nosso desfalque operacional.  E isso está fazendo a diferença. Realidade do Brasil que no Maranhão se confirma de forma expressiva. Mas essa é uma conta que farei em outro momento... POLÍCIA TAMBÉM É NUMERO!