quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprova isenção de IPI na compra de carros para todos os policiais graças a substituto do deputado Capitão Assunção

Vejam que coisa interessante. O deputado Major Fábio (DEM-PB), com sua visão limitada, pensando somente em sua instituição apresentou um projeto de lei para beneficiar apenas policiais militares e bombeiros, mas o Capitão Assunção  fez mais e melhor e apresentou um substitutivo incluindo outras categorias da segurança pública. A matéria vocês podem ver abaixo ou clicando AQUI. Eis um dos motivos porque há anos defendemos que os policiais, inclusive, os policiais civis tenham representantes nos parlamentos.
Wagner Leite

* * *

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou proposta que concede isenção de Imposto sobre Produtos Industrializados aos carros comprados por integrantes dos órgãos de segurança pública. A proposta beneficia policiais federais, rodoviários federais, ferroviários federais, civis e policiais militares e bombeiros, além da Guarda Municipal.

O texto aprovado é um substitutivo ao Projeto de Lei 6256/09, do deputado Major Fábio (DEM-PB), que originalmente previa o benefício apenas para policiais militares e bombeiros com pelo menos três anos de serviço. O substitutivo, apresentado pelo relator na comissão, deputado Capitão Assumção (PSB-ES), incluiu as outras categorias da segurança pública e determinou sua validade a partir do ingresso na carreira.

O projeto foi apresentado para facilitar a compra de veículo próprio pelos profissionais de segurança pública e, assim, garantir maior segurança nos deslocamentos.

Capitão Assumção explicou que todas as categorias estão sujeitas aos riscos inerentes às profissões da segurança pública, podendo tornar-se alvo de bandidos em transportes coletivos, não importando o tempo de serviço. "Nem que seja por um dia, o exercício da profissão de segurança já induz a perigos. Sendo assim, não podemos exigir que a pessoa se exponha por três anos para fazer jus ao benefício", argumentou. As informações são da Agência Câmara.

Fonte: Tribuna de Petrópolis