quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

A OAB cala-se às barbáries ocorridas no Maranhão

Novamente estamos aqui para mostrar uma reportagem veiculada em outro site e ao mesmo comentá-la, levando em consideração o interesse público. Não é a primeira vez que ocupamos este espaço para criticar a OAB e seus posicionamentos, inclusive, as suas omissões. A reportagem aborda a questão do sistema prisional do Maranhão, a da própria insegurança pública do estado e o silêncio da OAB, e traz ainda um vídeo macabro para o qual chamamos a atenção e aconselhamos que não seja visto por pessoas mais sensíveis, assim como, por crianças e adolescentes. Vejam a matéria a seguir publicada no www.gp1.com.br e que também pode ser vista diretamente na fonte clicando AQUI.
Wagner Leite

* * *

Folha de S. Paulo diz que presidente da OAB "não tem dado um pio sobre a barbárie nas prisões do Maranhão"

Em silêncio

Com tradição de enfrentar governos para defender os direitos humanos, a OAB não tem dado um pio sobre a barbárie nas prisões do Maranhão. O presidente da entidade, Marcos Vinicius Coêlho, foi advogado de Roseana no TSE.
Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Marcus Vinicius Furtado(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Marcus Vinicius Furtado
Entenda o caso

O vídeo divulgado (confira aqui) nesta terça-feira (7) pelo jornal Folha de S. Paulo mostra três detentos sendo decapitados. Em 2 minutos e 32 segundos, a gravação chocante traz cenas de puro terror: corpos estendidos no pátio de uma ala no complexo são atacados em meio a poças de sangue que se acumulam no chão. Os demais detentos andam por entre os corpos, espalham o sangue e se vangloriam da ação enquanto arrancam as cabeças dos presidiários mortos.

O vídeo foi enviado pelo Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão ao jornal.