sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

A segunda chapa ainda espera para ser inscrita

Ainda não escrevemos a chapa porque alguns colegas que se comprometeram com a luta, quase na última hora, retiraram os seus nomes, alguns com medo de enfrentar a Administração, outros, com medo de perder a boquinha especial, e outros ainda, porque acreditavam que estávamos apenas brincando. Também existem aqueles que só querem concorrer com a certeza de que teremos estrutura para enfrentar a situação e vencê-la, pensando que poderia, talvez, despertar o ódio dela em caso de não vitória de nossa parte. Ora, ora, certeza temos de que estamos vivos nesse momento e dos bons propósitos que nos motivam à luta. Certeza temos de que não há vitória sem dor. Certeza temos, que nesse momento, somos uma boa opção para os policiais e que a opção de escolha poderá motivar a categoria a pensar mais em seu futuro. Há quem diga que somos jovens, ou que não temos experiência, mas ser jovem não é defeito, e experiência se adquire. Aliás, somos de todas as idades e alguns de nós já sentimos o peso forte da mão do gestor que tenta calar-nos com assédio, com ameça de encaminhamento para a corregedoria e às vezes até mesmo com envio para a corregedoria, como aconteceu com alguns colegas "novos" do interior que aderiram à paralisação decidida pela categoria na capital. Ora, ora, acusam-nos de juventude, como se isso fosse uma mácula, um ato de desonestidade, mas essa mesma juventude tida agora como mácula é a mesma que ousou cumprir às diretrizes da categoria e cruzar os braços no interior a favor de todos. Essa mesma juventude é a que vem de algum tempo enfrentando os poderosos delegados no interior e por isso mesmo vem sofrendo o ódio que despertou naquela classe ao reivindicar que cumpram ao menos as atribuições que eles delegados dizem pertencer a eles. Então, pelo que vejo, os "jovens" prestam para enfrentar os delegados em suas bases, prestam para cumprir o que for decidido nas assembleias na capital, prestam para votar, mas não prestam, segundo alguns para serem votados. Bem, não é isso, pelo menos o que diz o estatuto e nem a luta diária longe da sede e do manto do sindicato. Ousamos brigar pelos nossos direitos, ainda que enfrentando o ódio, a perseguição e o abuso de autoridade de quem quer que seja. Alguns de nossos pares do interior volta e meia são transferidos de uma cidade para outra porque ousaram enfrentar o manda-chuva e longe do manto do sindicato. Portanto, não usem a suposta juventude como sinônimo de ignorância, de desconhecimento, pois muitos de nós até não somos tão jovens assim, e alguns estamos chegando com a experiência de outras profissões, de outras lutas e com conhecimento jurídico que nos arrima para a luta de classes e contra o patrão. O que podemos dizer é que estamos preparados e de boa fé. Sabemos que muitos estão ansiosos por notícia acerca da inscrição ou não de uma segunda chapa, já que a da situação ninguém tem dúvida que será inscrita. Contudo, somente na segunda-feira, dia 09 de dezembro, teremos a certeza de que vencemos a primeira etapa, por isso a falta de notícias nesse diário. Por óbvio, qualquer meta ou proposta de nossa parte, só poderá ser divulgada depois de inscrita a chapa. De qualquer maneira já agradecemos pela torcida e pelo apoio daqueles que acreditam na honestidade de nossos propósitos. Também agradecemos àqueles que no dia-a-dia vêm tentando dissuadir-nos de nossa vontade sempre colocando empecilhos. Agradecemos aos que bateram em retirada porque isso tornou a chapa mais vocacionada para a luta e por último agradecemos aos que tentam usar a tal juventude em nosso desfavor, pois não tendo o que atacar em nossa honra, voltam-se para a juventude, que nem possuímos tanto assim, como se fosse sinônimo de coisa ruim. Aguardemos, então, pela segunda-feira e aí, com certeza, teremos mais o que dizer. Até!!!

Márcia GARDÊNIA