quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A chapa Renovar para Avançar responde a algumas críticas injustas

A chapa Renovar para Avançar tem entrevista adiada e responde a quem cobra experiência. Temos sido cobrados a nos manifestar acerca de "colegas" que não podendo atacar a nossa honra insistem com uma grande tolice alegando que não temos experiência e dizem ainda que não se decidiram em quem votar. Ora, ora, minha gente. Está claro para nós que esses já decidiram em quem votar. Vivemos em um país democrático em que cada um deve votar de acordo com a sua consciência, mas a história recente tem nos mostrado que alguns eleitores votam segundo as suas conveniências: vota-se em A porque é homem; vota-se em B porque vai dar-lhe uma bolsa; vota-se em C porque é bonito; vota-se em D por isso ou por mais aquilo e assim vão empurrando o Brasil para o fundo do poço. Até um dia desses nos acusavam de sermos jovens como se isso fosse sinônimo de coisa ruim, de ignorância ou de uma doença incurável, então, descobriram que não somos tão jovens como diziam. Agora, falam que nos falta experiência e falam novamente por não conhecerem a nossa história ou, pelo menos, fingem que não conhecem. Para esses digo que a experiência é importante para muita coisa, principalmente para as coisas ruins como praticar o mal, meter a mão no alheio e outras práticas reprováveis. Para fazer o bem não é preciso ter experiência; para ter boa fé não é preciso ter experiência; para ajudar o próximo não é preciso ter experiência; para ser policial não é preciso ter experiência; para combater as injustiças praticadas pela Administração Pública contra os policiais civis não é preciso ter experiência. Antes de tudo e de qualquer coisa precisamos ter coragem, disposição, honestidade e humildade, o que não falta na chapa Renovar para Avançar. Conhecimento? Ah, também temos como fruto de estudo e do exercício de outras profissões. Assessoria jurídica disposta a enfrentar os manda-chuvas sem amesquinhamento também teremos. Sindicalistas que venceram a luta contra a Administração Pública em seus estados, também teremos no Maranhão, para proferir palestras a quem estiver interessado em aprender e em combater um bom combate. Portanto, estamos abertos ao diálogo e aceitamos as críticas que forem proferidas com honestidade e respeito às honras de nossos amigos, mas não aceitamos com simpatia a crítica disfarçada, a crítica desonesta, embora a democracia permita certas práticas imorais e contrárias a ética. De qualquer forma, estamos na luta com a boa fé que todo cidadão deve ter, embora, ainda existam aqueles que ficam atormentados só em ouvir a expressão boa fé.
Márcia GARDÊNIA (Presidente)
Chapa - Renovar para Avançar