quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Deputado do Piauí, Tererê, disse que petistas perderam a vergonha de serem corruptos e que já estão acostamos à prisão

Vejam a reportagem que encontramos em um portal da cidade de Teresina, capital do Piauí, em que o  deputado estadual, Tererê, comenta a fala de petistas, entre eles, um deputado estadual e a presidente do diretório estadual. Depois eu volto.

* * *
Deputado Tererê sobre declarações de petistas de que todo político é corrupto: "Perderam a vergonha"

"Essa é uma colocação vergonhosa. Os petistas já estão acostumados a serem presos, mas não podem julgar todos por eles", disse o deputado em entrevista ao GP1.

GERMANA CHAVES, DO GP1
Atualizada em 28/11/2013 - 11h09
O deputado estadual Deusimar Brito, o “Tererê”, disse durante entrevista ao GP1 que os correligionários do Partido dos Trabalhadores estão acostumados com a prisão. A declaração do tucano partiu ao ser questionado a respeito da afirmativa de alguns petistas, a exemplo da nova presidente Regina Sousa de que “todo político faz caixa 2 e de que todo político teria que ser preso”. Merlong Solano também disse que corrupção é uma prática corriqueira na política.

Tererê disse que os petistas não podem colocar toda classe política numa só conta já que para ele, declarações desse tipo são um desrespeito aos eleitores do Piauí e de todo o Brasil. Para o deputado a resposta será dada pela população no pleito do próximo ano.

Imagem: Amanda Dantas/GP1

Deputado Tererê “Essa é uma colocação vergonhosa. Os petistas já estão acostumados a serem presos, mas não podem julgar todos por eles. O PT não tem o direito de colocar todo mundo no mesmo balaio deles. Uma declaração como esta só mostra que os petistas perderam a vergonha”, criticou o tucano.

“O que os petistas disseram e estão fazendo é uma falta de respeito para com os eleitores, mas, tenho certeza que o povo vai dá a resposta é nas urnas na próxima eleição”, frisou.

O deputado estadual voltou a questionar se o ex-presidente Lula não teria conhecimento de todos os desmandos praticados pelos condenados do Caso Mensalão. “Será que o ex-presidente Lula não sabia de tudo? O Dirceu era colado nele e o Genoino também era braço direito. O Delúbio era tesoureiro e o Lula não sabia de nada disso? Será mesmo? Fica a pergunta. É uma coisa que a gente tem que analisar”, disse.


Fonte: http://www.gp1.com.br/noticias/deputado-terere-sobre-declaracoes-de-petistas-de-que-todo-politico-e-corrupto-perderam-a-vergonha-326973.htm

* * *
Voltei
Sem muitas delongas, percebemos que a falta de vergonha virou epidemia entre os políticos corruptos de nosso país. Por isso, pergunto: vocês não acham que já chegou a hora dos homens de vergonha, como já existem alguns na política, brigarem também na política e tentarem se eleger honestamente, ou devemos apenas reclamar e continuar votando nos corruptos, inclusive, confessos de práticas ilícitas como o caso citado na reportagem? Se vocês acham que já chegou a hora, então, lembrem-se de que no próximo ano temos eleições.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Em ritmo de reforma .... Delegacia Regional de Bacabal


Eleição da nova diretoria do Sindicato dos policiais civis do Estado do Maranhão: triênio 2014 - 2016

Interessados em apoiar a chapa que estamos compondo entrem em contato.
BRUNO AVELAR:        TIM (99) 8158 7904; OI (98) 8803 0337
MÁRCIA GARDÊNIA:  TIM (99) 8193 6437 ; CLARO (86) 9477 3067
  

Pode entrar ....

 

Algumas Mulheres da História da Matemática

A história da Matemática está recheada de matemáticos-homens, ou, melhor, foi feita por homens. Ao longo dos séculos as mulheres foram sempre colocadas numa posição subalterna em relação aos homens, mas também foram sempre “sacrificadas” e marginalizadas.  Apesar disso é possível encontrar na história da matemática algumas mulheres que se tornaram notadas e ficaram na história, principalmente, pela sua inteligência, pela sua cultura, pelo seu valor.
 
Um pouco dessa história pode ser conhecida através de estudo muito interessante realizado pelo professor João Batista do Nascimento*.  Seu trabalho de pesquisa evidenciou a participação da mulher no campo científico, especificamente o da Matemática revelando pontos discriminatórios constuidos ao longo da história em relação à presença feminina nesse tradicional reduto masculino.
 
Para o pesquisador, apesar dos interditos, algumas, desde os primórdios dos séculos, desafiaram esse cânone produzindo conhecimento interdisciplinar ao agregarem nuances pedagógicas ao saber matemático – como é o caso de Theano, nascida em 546 a.C., primeira mulher a frequentar a escola Pitagórica destacando-se como filósofa e física; e de Rosvita de Gandersheim, teatróloga, professora e autora de uma metodologia para ensinar a teoria dos números por meio da linguagem cênica.

Na sequência expositiva de seu estudo, o pesquisador nomeia outras que também romperam os padrões matemáticos patriarcais. E neste sentido, faz uma incursão pela Literatura Universal avaliando que a engenhosidade da personagem Elisa (In: Eneida, de Virgílio) foi decisiva para resolver questões de cálculo isoperimétrico, ao transformar um couro de boi em fios para delimitar a área de uma muralha em torno da lendária Cartago.

Situando a história das mulheres no contexto dos anos 380 da Era Cristã, João Nascimento recupera a contribuição de Hipátia (ou Hipácia) para o estudo da geometria, registrando que ela, em razão da reconhecida capacidade, assumiu o mais alto posto científico à época: a direção do Museu de Alexandria.

Na França do Século das Luzes, para vencer as barreiras discriminatórias, Grabrielle Emilie Tonnelier de Breteuil (Madame/Marquesa Du Châtelet) usou uma estratégia nada convencional aos padrões da época: vestiu-se com roupas masculinas para ter acesso ao círculo de matemáticos que frequentavam as cafeterias parisienses e, assim, defender as próprias teses. Foi pela coerência dessas proposições que, segundo o pesquisador, Madame Du Châtelet notabilizou-se nos meios acadêmicos culminando com a tradução comentada da obra Principia de Newton e a publicação do livro Institutions de Physique, no qual defendia as ideias de Leibniz sobre Cálculo Diferencial e Integral.

Maria Gaetana Agnesi, diz o autor, também esteve envolvida com as teorizações sobre Cálculo Diferencial e Integral, destacando-se na comunidade científica por expressar profundo conhecimento desse conteúdo nos debates e nas publicações Propositiones Philosophicae, coletânea de ensaios englobando vários temas das ciências exatas e naturais, e Instituzioni Analitiche (2 volumes), obra que, traduzida para o inglês, influenciou, em diversos países, a bibliografia atual sobre o assunto. Pelos estudos e competência demonstrados, em 1749, Agnesi foi nomeada docente da Universidade de Bolonha pelo Papa Benedito XIV.

A vida e a obra do matemático Arquimedes de Saracusa foram a pedra de toque para que a francesa Marie-Sophie Germain (1776) se interessasse por matemática, mesmo a contragosto dos pais. Objetivando ingressar na Ecole Polytechnique -- à época, um Centro de Ciência e Tecnologia proibido às mulheres--Marie-Shopie fez-se passar por Monsieur Antoine-August Le Blanc, aluno que não frequentava as aulas. O disfarce provocou várias situações vexatórias, mas deu certo: ela ganhou a respeitabilidade do mestre e a possibilidade de corresponder-se com o matemático alemão Johann Carl Friedrich Gauss, de quem se tornou aluna e amiga. Esse aprendizado resultou, entre outros: o aperfeiçoamento do Último Teorema de Fermat: a teoria sobre as vibrações que contribuem para manter as estruturas (teoria aplicada na Torre Eiffel-Paris, 1889); o trabalho sobre Superfícies Elásticas, pelo qual ganhou prêmio da Academia Francesa de Ciência, sendo a primeira mulher aceita nessa congregação. Em reconhecimento a esses estudos, Carl Gauss solicitou à universidade de Göttingen (Alemanha) certificar o trabalho de Marie-Sophie como tese de doutorado.

A escocesa Mary Fairfax Somerville, em pleno século XIX, autodidaticamente aprendeu Cálculo Diferencial e Integral no Traité de Mécanique Celeste, do matemático francês Pierre Simon Laplace. Como culminância desses estudos, em 1830, ela publicou o livro The Mechanisms of the Heavens, no qual incluiu fundamentos matemáticos e uma série de diagramas, tornando mais acessível a teoria de Laplace e, em 1832, a Preliminary Dissertation on the Mechanisms of the Heavens. Por essas contribuições, a Royal Society of London homenageou Mary Somerville com uma escultura do busto da cientista, a cuja inauguração não foi convidada por ser proibida a entrada de mulher.

Para João Batista Nascimento, talvez o frio asiático e o afeto familiar tenham sido responsáveis pela iniciação de Sonja Kovalevsky no saber matemático, visto que, em razão do rigoroso inverno, o quarto da jovem russa foi forrado com as anotações paternas sobre cálculo. Confinada nesse aconchego, resolveu estudar aqueles apontamentos. Daí foi um passo para aprender Cálculo Diferencial e Integral, e matricular-se na Escola Naval de S. Petersburgo. Barreiras sociais e familiares a fizeram optar pelo casamento com Wladimir Kovalevsky, o que lhe possibilitou conhecer outros centros de estudos, contatar com expressivos cientistas russos e ser admitida, em 1894, como docente de matemática na Universidade de Estocolmo. De suas investigações sobre Equações Diferenciais Parciais (Teorema de Cauchy-Kovalevsky), obteve o grau de Doutora em Filosofia pela Universidade de Göttingen e, em 1888, com um trabalho sobre Problema de Rotação de um Corpo Sólido em Torno de um Ponto Fixo conquistou o Prêmio Bordin, concedido pela Academia Francesa, além do título de primeira mulher a ingressar na Academia Russa de Ciências.

Amalie Emmy Noether, algebrista e matemática, defendeu em 1907, orientada por Paul Gordan, tese de doutorado Sobre Sistemas Completos de Invariantes para Formas Biquadradas Ternárias. Perseguida pelo nazismo, a cientista exilou-se nos Estados Unidos onde integrou o corpo docente do Instituto Avançado de Princeton.

Da história de vida da sérvia Mileva Maric, João Nascimento registra que ela, aos 17 anos, ingressou no Instituto Politécnico de Zurique (ETH) para estudar matemática, especializando-se em geometria riemanniana e cálculo tensorial. Entretanto, diz o pesquisador que, apesar da competência, Mileva, por ser esposa do físico alemão Albert Einstein, não escapou dos epítetos discriminatórios que avaliavam o saber matemático dela comparado à “genialidade” do marido.
 
*João Batista do Nascimento é Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Ceará e Professor Assistente da Universidade Federal do Pará (UFPA/ICEN).

 
Mary Fairfax Somerville
Sonja Kovalevky
 
Maria Gaetana Agnesi
Hipátia de Alexandria
Sofia Vasilyevna Kovalevskaya
Emmy Noether
Mileva Maric
Para conhecer a pesquisa: https://docs.google.com/file/d/11uX1WGiyanh4IMYVaHu8zPMZXalj7ujLH1LTq1cA0lr8oPjnVqKH-io8MfVagV/edit?usp=sharing&pli=1

ou pode pedir direto no e-mail do autor:
 
 
 Agradeço o envio do material e faço votos de que a tese vire livro logo, logo. PARABÉNS!!!

(...)

    

terça-feira, 26 de novembro de 2013

CAOS....

"Quando metade dos POLICIAIS cultivarem  a idéia de que não precisam trabalhar, pois a outra metade dos POLICIAIS irá sustentá-los, e quando esta outra metade entender que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim da POLICIA CIVIL"
 
 

ATENÇÃO POLICIAL: TÁ NA HORA DE MUDAR ESSA HISTÓRIA!

(...)



domingo, 24 de novembro de 2013

Chapa pretende implantar nova filosofia de trabalho na Polícia Civil e combater assédio moral

A decisão que tomei de formação de uma chapa para concorrer às próximas eleições do Sinpol marcada para o dia 20.12.13, é decisão recente. Hesitei o quanto pude, confesso, esperei que outras chapas surgissem para efetivar uma ação de mudança que considero imperiosa. Não estamos satisfeitos e a mudança grita por acontecer. Sem resposta, lancei-me ao desafio juntamente com outros colegas. Estamos ávidos de uma vida novinha que a gente deseja para todos os policiais civis que pretendemos seja encabeçada pela nova diretoria do Sinpol através de uma nova filosofia de luta e de trabalho. A hora é agora, e se a missão é essa, a gente assume com humildade, com fé e com muita disposição. A chapa deverá ganhar registro no próximo dia 02.12.13, pelo menos essa é nossa intenção. Esperamos sinceramente com essa ação contemplar o desejo de todos àqueles que têm se manifestado favoráveis a uma renovação de pessoas e de ações para o sindicato. Não estamos pretendendo apenas concorrer a uma eleição sindical, mas vencê-la para como representantes legítimos dos policiais civis e prontos para o enfrentamento implantar uma nova filosofia na atuação dos policiais, na defesa de seus direitos, no combate ao assédio na instituição policial, no combate às transferências arbitrárias de policiais que se recusam a fazer trabalhos de delegados e daqueles que ousam dá publicidade aos erros praticados por seus superiores hierárquicos. Conhecemos as dificuldades da policia pelo sua condição franciscana imposta pelos governos que se sucederam e pelo silêncio de quem não ousou enfrentá-los, mas também sabemos que em determinadas situações a falha não pode ser atribuída somente aos governos, como a desídia entranhada no corpo e na alma de algumas autoridades que deixam de ouvir às vítimas e resolver os seus problemas de ordem policial, principalmente, as vítimas de crimes de ação pública incondicionada em que a autoridade está obrigada por lei a proceder a devida investigação, mas na maioria das vezes limita-se apenas a circular um ponto do boletim de ocorrência e nada mais. Conhecemos a situação do estado, da polícia e dos policiais que muitas vezes dão literalmente o sangue pelo trabalho e enfrentaremos os problemas lutando em todas as frentes, inclusive, para diminuir a distância entre os salários de delegados e dos policiais que hoje beira o ridículo, o bizarro e afronta a dignidade dos policiais civis e algumas vezes o ânimo para o trabalho. Não é à toa que muitos policiais têm deixado os quadros da policia para trilhar outros ofícios onde a dignidade está presente e o assédio não existe na mesma proporção que hoje maltrata os policiais e os adoece. Não esqueceremos de acompanhar a situação humilde e acanhada do jurídico que de muito tempo não tem agradado à categoria, talvez temendo desagradar alguma autoridade quando, na verdade, a preocupação deveria ser outra. Assim, apresento-me como candidata a presidente do Sinpol e coloco o meu nome à disposição dos colegas que acreditam em meu trabalho e na disposição dos demais colegas que comporão a nossa chapa. Nos próximos dias divulgaremos neste mesmo espaço os nomes de todos os componentes para esta renovação que pretendemos. Quem tiver interesse em participar e apoiar é só entrar em contato.
Márcia GARDÊNIA 

TÁ NA HORA DE ENFRENTAR A MUDANÇA....

sábado, 23 de novembro de 2013

Genoino certamente não leu a manchete do jornal que parecia ler


Por Wagner Leite

Lendo vários portais, principalmente do Brasil, Portugal, Argentina, Reino Unido e dos Estados Unidos, foi justamente no portal da Veja - coluna de Augusto Nunes, que vi uma foto que me chamou à atenção. Era nada mais, nada menos uma foto de José Genoíno que parecia ler parte de um jornal, mas foi possível perceber que o atual criminoso Genoíno não havia lido a manchete, ou quem sabe até leu, mas não acreditou no que estava escrito: Lugar de ladrão é na cadeia. Então, veja você mesmo e tire sua conclusões: Genoíno leu ou não a manchete? Se Genoíno leu a manchete, ele acreditou ou não no que estava escrito? Só mais uma perguntinha: vocês lembram do Lula na época de oposição que disse que o Congresso Nacional parecia mais a história de Ali Babá e os quarenta ladrões? Pois bem, talvez tivesse até profetizando. Os quarenta ladrões já foram denunciados e alguns até já foram presos, só está faltando o Ali Babá que todos sabem de quem se trata, mas para não fugir a regra o Ali Babá é o último a ser pego - quando isso acontece.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O delegado do Piauí, Francisco Rodrigues, recebe medalha de mérito

Por Wagner Leite
 
As medalhas concedidas pelos governos, embora, tenham a aparência de algum mérito, em regra, são concedidas a chaleiras, puxa-sacos mesmos ou pessoas medíocres que servem ao propósito do gestor público. Todavia, vi desta vez uma medalha concedida a um delegado que procura fazer o seu trabalho silenciosamente, sem alarde e sem andar de braços dados com a imprensa. Então, você deve está se perguntando: como o governo percebeu o mérito dessa autoridade? Eu respondo. O governo não percebeu mérito coisíssima nenhuma. É que o nobre delegado tem parentes e amigos influentes no poder, e de qualquer forma, a condecoração, neste caso, apesar da influência, é realmente justa.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Sinpolpi inicia ganhando por 4 x 0 Mandado de Segurança em favor de policiais civis.

Depois de muito vai e vem, finalmente, o Tribunal de Justiça do Piauí iniciou o julgamento de um Mandado de Segurança impetrado pelo Sindicato dos Policiais Civis - SINPOLPI em favor de seus diretores que estão sendo perseguidos pela Administração Pública com transferências arbitrárias, com ataques a seus salários e outros atos repulsivos por conta da adoção da filosofia de trabalho - Polícia Legal. Hoje, no momento em que o placar estava de 4 x 0 a favor dos policiais civis, um desembargador, não sabemos porque motivo e seja lá qual for não me parece algo razoável, inventou de pedir vistas de algo que ele já deveria ter visto com muito antecedência. Talvez a força do governo explique porque esses pedidos de vista durante um julgamento ocorram com tanta frequência. A verdade é que os trabalhadores sofrem e sofrem muito com os atos arbitrários das autoridades que são praticados em nome do Estado e com a Justiça que anda em marcha lenta, lentíssima, principalmente, quando de um lado está o trabalhador e do outro, o governo, detentor das chaves dos cofres públicos.

Bom dia!

E hoje, antes do trabalho iniciar uma boa dose de psicologia não vai fazer mal, pelo contrário. Então, leitura breve para nos ajudar a viver melhor....
 
Psicologia na Imagem
  
  
Por Maria Eduarda Campagna e Rodrigo Banqueri.

O ser humano em sua evolução foi desenvolvendo no sistema nervoso central, principalmente no encéfalo, novas zonas cerebrais, diferentes de outras espécies, possibilitando sentimentos, raciocínio lógico e memórias, devido às necessidades de sua sobrevivência. A percepção foi um desses atributos, pela caça e o cuidado com seus filhos.

 A mente humana começou a evoluir tanto, que criou emoções que são responsáveis pela sensibilidade humana, que só nossa espécie tem.

A imagem contribui para muitas influências psicológicas que mexem tanto com o físico quanto o emocional, independentemente de sexo, raça, idade e cultura, sendo responsável pelos comportamentos positivos e negativos.

O efeito positivo tem como fatores psicológicos agitação, ousadia e competição. Influências emocionais mexem com o sistema orgânico das pessoas, e pode alterar o sistema endócrino e sistema imunológico, que trás complicações físicas e comportamentais, como uma depressão e doenças dermatológicas.

Temos uma imagem predeterminada em nossas mentes onde vamos dar valor para coisas que estejam nesses padrões, esse é um dos motivos para tantas diversidades de estilos pessoais. Padrões que são desenvolvidos ao longo das experiências vividas, como costumes, religiões, tendências, que são compatíveis com a imagem desejada internamente, por exemplo; queremos ser fortes, dinâmicos, elegantes, atrativos, sociáveis tudo que uma sociedade moderna impõe, só que isso são sensações que temos para expressar qualidades competitivas, isso esta no interior, apenas na mente da pessoa, sendo preciso ser expresso para o mundo, e a única forma de expressar certas qualidades para as pessoas, é trabalhando as mensagens subliminares. Às vezes uma alteração na imagem pode fazer o inverso no emocional, como exemplo; o aparecimento de uma espinha pode fazer uma pessoa não querer ir mais a um compromisso.

O fator psicológico tanto é no individuo quanto nos observadores, com reações distintas, como antipatia, identificação, critica, admiração, respeito e gozações. As pessoas interagem melhor e confiam em outras que têm as mesmas determinações, é a onde se cria vínculos amorosos, amizades e grupos, sendo essencial uma imagem que não intimida o outro que se sentem ameaçados e inferiores.

No mundo competitivo o ideal é uma imagem equilibrada, que trás uma boa reputação pessoal.
Inconscientemente as pessoas alteram seus comportamentos devido ao estilo que compõe no momento, que pode ser imitado de diversas fontes como, revistas, televisão, companhias e etc. São influencias que determinam grupos, que faz as pessoas interpretarem e remeterem as vibrações que a imagem transmite, e altera até as expressões faciais e o modo de tratarem os outros. Essas alterações são reflexos do que buscamos, sendo que o que buscamos também pode traduzir na imagem determinada, que vai depender das formas, cores e tudo que induz a interpretação de conceitos expressivos, como a semiótica, símbolos arquetípico, linguagem corporal e o conhecimento dos efeitos psicológicos nas emoções.

O efeito psicológico depende da capacidade de conhecimento e cultura que sempre vão ao encontro da satisfação pessoal, que trás um prazer psicológico que eleva o ego, isso depende de imagens com suporte estético, que comporta a necessidade de expressão e de compromissos cotidianos.
O psicológico imaginativo faz com que as pessoas determinem uma personalidade comportamental, junto com suas experiências que se adéqua com a imagem mental.
 (...)

A altura, o peso, a forma, a cor do cabelo, dos olhos e da pele, a grossura dos lábios, o tamanho das orelhas, das mãos, dos dedos, das pernas ou dos braços, são particularidades, que no seu conjunto, arquitectam um todo que dita como nos relacionamos connosco, com os outros e com o mundo. Mas, mais do que aquilo que expomos aos outros, mais do que o corpo que mostramos, a imagem corporal diz respeito à experiência interior que cada um tem com o seu próprio corpo. Abraçando percepções, crenças, pensamentos, sentimentos e comportamentos, sobre essa mesma experiência.

Quando percepcionamos que a nossa imagem corporal não corresponde àquilo que desejaríamos, despertamos dificuldades que se verificam desde a aceitação pessoal ao relacionamento com os outros e com o mundo. É comum, por exemplo:

- Emergirem sentimentos de baixa auto-estima, de desvalorização pessoal e de inadequação, que podem mesmo conduzir à depreciação do próprio enquanto pessoa, e levá-lo consequentemente à vivencia de estados depressivos;
- O surgimento de perturbações alimentares, face à insatisfação com a forma ou peso do corpo;
- A percepção da feminilidade e da masculinidade serem postas em causa, quando se percepciona que não se possui, ou se possui deficitariamente, as qualidades físicas esperadas para o género. Levando a uma diminuição da percepção de aceitação dos outros e condicionando o estabelecimento de interacções sociais;
- Ao nível da intimidade sexual, devido à necessidade da exposição ao outro, a percepção de um corpo feio, deselegante e disforme conduz muitas vezes à substituição de uma experiência prazerosa e relaxante, numa prática de elevada tensão e ansiedade, que tende a ser evitada a todo o custo.

Todas estas consequências negativas, impõem assim uma necessidade de alterar as percepções que temos da nossa imagem corporal. E ultrapassando em muito aquilo que observamos quando nos olhamos ao espelho, se quisermos modificar a percepção que temos da nossa imagem corporal, precisamos de olhar também, e em profundidade, para o nosso interior. Porque a resposta não reside no mudar o corpo, mas sim no mudar percepções, crenças e pensamentos que temos dele.

Aquilo que possuímos é único e incomparável.