sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A POLICIA CIVIL ESTÁ DE LUTO


E foi com um enorme sentimento de dor e perda que na noite de quinta-feira, 15.08.13, tomamos conhecimento da morte do colega policial JOÃO ELVÍDIO, 36 anos. Essa experiência eu nunca tinha vivido, mas digo que é atormentador saber que um colega que há pouco estava sorrindo entre nós já não mais retornará porque fora morto durante a operação e que outros colegas ainda em missão se colocam na busca do assassino. O perigo que corremos nós sabemos, mas administrar essa realidade quando ela nos bate a porta, isso é muito difícil. No rosto de cada colega policial o abatimento e a dificuldade de acreditar em tudo que acontecera. Jamais esquecerei a expressão triste de cada colega que chegava a delegacia e se colocava em silêncio a espera de noticias. E o que era para ser apenas mais uma operação, dessas que a gente vai sorrindo, trocando mensagens via rádio e zoando uns dos outros como estratégia segura para nos fazer esquecer para onde estamos indo e o que de fato vamos fazer se transformou em uma tragédia. Combater o crime não é missão segura, e com o tempo aprendi que não existe diligência simples e sem risco, pois este é eminente. JOÃO ELVIDIO foi combatente, e assim se comportou desde o início. Pouco mais de dois anos de policia e um sentimento de amor imenso pela Instituição. Acreditava na mudança, e para fazê-la arriscou a própria vida. Graças a DEUS tive oportunidade de dizer para ele, em um desses cumprimentos rápidos que a gente faz a um colega quando o encontramos na correria do nosso dia a dia: "MENINO, POLICIAL BOM TAÍ", me referindo a sua pessoa, e ele apenas sorriu. E foi assim que aconteceu na tarde de quinta-feira quando nos cumprimentamos com o último aperto de mão. JOÃO ELVIDIO partiu, nos deixando saudades e boas lembranças. Fortificou um grupo que ainda chora a partida cedo do amigo. A saudade fica, com ela a experiência e muitas reflexões. Hoje somos melhores que ontem. Para amanhã esperança renovada de uma policia melhor, que nos valorize, que nos acolha em todos os nossos momentos e que não nos abandone a própria sorte, porque policia de verdade tem força, coragem e determinação e esta sempre pronto pra cumprir qualquer missão (velho lema de turma),  mas como ser humano que é precisa de cuidados dignos. 

Ao colega JOÃO ELVIDIO nossa eterna gratidão pelo que realizou e pela alegria da convivência.
 
Ainda para homenagear o colega estivemos na missa de sétimo dia realizada na Igreja São Francisco, na cidade de Bacabal. A celebração foi muito bonita e contou com a presença dos colegas policiais da cidade de Zé Doca (Del. Jáder Alves, Sizino e Rocha) e do Del. Samuel Morita da cidade de Vitorino Freire, com quem JOÃO ELVIDIO trabalhava. Também esteve presente o Comandante do 15ºBPM, Coronel EGIDIO que tem dado apoio constante para a policia civil. 

Ressalto a presença de representantes do Sinpol e do Superintende de Policial Civil do Interior, Dr. Jair Lima de Paiva Junior, no enterro que foi marcado por uma salva de tiros dos colegas policiais que a todos emocionou. 

Mas, como dizem, não existe família perfeita. Sendo assim ressalto também que nenhum delegado da cidade de Bacabal que participou da operação que vitimou de morte o policial JOÃO ELVIDIO se fez presente na celebração. 












"Durante toda a sua vida, teve como lema: 
o trabalho, a honra e a honestidade"