sexta-feira, 10 de maio de 2013

Comentando o comentário ....

PRESIDENTE,ME TIRE UMA DÚVIDA. FUNCIONÁRIO DA MAFRA PODE TRABALHAR COMO INVESTIGADOR DE POLÍCIA AD HOC ?
 
 Respondendo o email enviado por Guilherme Prazeres:

Veja bem, a resposta lógica e evidente seria não. Mas, vamos fazer uma brevíssima análise do que deve estar acontecendo conforme a sua pergunta questionamento.

A segurança Pública do Maranhão é um paciente crônico que não consegue sair do Hospital, vira e mexe vai da UTI para a Semi-Intensiva e quando tem uma breve melhora, chega a enfermaria, depois piora e quase morre, e rapidamente volta para a UTI e os médicos sabem que não conseguem curar o paciente, é um caso daqueles que todos dizem, dessa não escapa e vai escapando pelas beiradas, do jeito meio que de improviso ou, na base da corrente forte de orações que nessas horas até ateu busca um refúgio. E alguém profere a frase antiga e usual nesses momentos: só milagre de Deus!

Poderia aqui destrinchar uma serie de argumentos e dados estatísticos para provar o que todos já sabem, e que agente fala, fala, fala e se cansa de falar e ouve através da alma o que eles dizem em sorrisos: “vamos reproduzir incansavelmente as mentiras” – e sabemos, que essa reprodução maciça passa a ser absorvida pelo coletivo que não forma opinião na sociedade, mas, ecoa e cria estragos, corroendo o imaginário de grande parte dessa mesma sociedade que cobra por segurança e a manutenção do seu espaço físico delimitado no ambiente mínimo que se faz necessário, querendo individualizar a sua segurança, e ignorando o que é dever do estado.

Essa história de bate pau em Delegacias é antiga, na Regional de Imperatriz tem um que foi importado lá de Codó, e manda mais do que qualquer Delegado da Regional, é do peito, chama-se Francisco. 

Em Presidente Dutra tinha um que era homicida, crime cometido utilizando a viatura da Regional de Codó, depois o levaram para Presidente Dutra e de bate-pau passou a ser Delegado de São José dos Basílios e Joselândia, o seu nome é Gil Frank, denunciei exaustivamente na mídia e no site, o que aconteceu? – Nada! Alias, nada não, o Delegado Bate pau depois de dois meses deixou o cargo (...)

(...) Em Viana tinha um que era o responsável pela coleta e cobrança das licenças, só fazia isso, era de confiança total, e teria aqui dezenas de exemplos para relatar, o que não é novidade para ninguém.

Então, na Policia Civil acontece de tudo, tem terceirizado e bate pau que tem mais “moral” para muitos Delegados do que os próprios Policiais Civis.

Ou não?

Amon Jessen
Presidente do SINPOL-MA

Fonte: http://www.sinpol-ma.com.br/


 Bem, como para toda regra existem exceções, tem funcionário da Mafra que pode um bocado de coisa! Muitos deles exercem atividades de escrivães ad hoc e são preferidissimos de algumas autoridades policiais que chegam a substituir a escrivã de carreira pela ad hoc. E não adianta fazer cara de espanto. Acontece sim! O motivo é simples, gostam da subserviência desses indivíduos, da servidão garantida, da convivência absolutamente harmoniosa a custo de uma postura de carneirinho que querem à força nos impor.... Em 2011 uma colega escrivã foi devolvida para o Delegado Regional porque a delegada preferiu trabalhar com uma escrivã Ad Hoc, na época expliquei que não deveria aceitar a mudança sem questionar os fundamentos legais da devolução... Preferiu calar, agora amarga a dor! A delegada, preocupada, preocupada....