sexta-feira, 24 de maio de 2013

ESTILO DE VIDA QUE MATA


Eu não estou grávida, estou infeccionada. Isto mesmo!

Sexta-feira, 17.05.13, trabalhei o dia todo sentindo um imenso mal estar. Naquele momento nem eu saberia precisar o que de fato me incomodava, só sei dizer que deixei a delegacia por volta das 14:00h com uma quentinha na mão na intenção de almoçar durante a viagem de retorno para casa (Teresina). Não conseguia comer, mas insisti, achei que era por conta do cansaço e com aumento da sensação de mal estar tomei um remédio e adormeci o percurso inteiro deixando VALDEMIR JUNIOR, meu colega de trabalho, sem as tagarelices da viagem, pois só despertei na cidade de Timon, destino final da viagem.

Com o mal estar mais acentuado já cheguei em casa me reclamando do imenso incômodo e de inchaço que já sentia na região abdominal, tudo parecia ter estufado dentro de mim. Mas, mais uma vez achei que fosse por conta do cansaço e me decidi por dormir ignorando qualquer alimentação. 

Na manhã de sábado sensação de desconforto generalizada pelo corpo e pernas adormecidas. Café não consegui tomar. Liquido nenhum conseguia ingerir. Urinar não conseguia também. Bastante preocupada me programei para uma caminhada no período vespertino, pois imaginava que a atividade física pudesse ajudar no funcionamento no corpo. Na caminhada me senti pior ainda, pressão baixa, tontura e ânsia de vômito, gosto amargo na boca e HOSPITAL, não teve jeito! Na urgência nada podia ser feito, seria necessário exames clínicos para descobrir a causa do inchaço na região abdominal que só aumentava. 

No domingo a agonia que não era pequena continuava se intensificando, afinal, a sensação de mal estar sentida naquela manhã me fazia sentir como se a qualquer momento eu fosse estourar, igualzinha dona redonda, personagem da novela global Saramandaia. E assim, já se faziam quatro (04) dias sem comer, beber, xixi e cocô. Pensar o que, senão, VOU MORRER! 

Na madrugada de segunda-feira, 21.05.13, outro jeito não teve e precisei ser hospitalizada para exames médicos. Hora de checape geral. Até o momento tudo normal à exceção do sumário de urina que demonstrou uma infecção bacteriana urinária de alto risco, que segundo o médico originou a desfunção renal e foi provocada pelo estilo de vida que adotei no meu dia a dia: muitas horas de trabalho na mesma posição (sentada), quase nenhum liquido ingerido, poucas idas ao banheiro (ou nenhuma durante o dia), ausência de paradas intervalares obrigatórias entre horas continuas de trabalho, atividade física negligenciada, alimentação inadequada, poucas horas de sono e nível de estresse elevadíssimo. 

Outros exames ainda deverão ser feitos, mas no momento faço uso de antibióticos para cessar a infecção. Ainda não consigo ingerir alimentos sólidos, mas beber é o que faço a todo momento: a obrigação agora é irrigar os rins, beber muito, mas não o suficiente para afogar a consciência que devo ter de que os nossos gestores querem nos matar quando nos obrigam a trabalhar em um local que não dispõe de água e nem banheiro ignorando em absoluto nossas condições insalubres de trabalho. 

Há alguns dias o Secretário de Segurança Pública, Aloisio Mendes e Superintende de Policia do Interior, Jair Lima, estiveram na companhia de outras autoridades visitando as dependências das Delegacias da cidade de Bacabal/Ma, só não tiveram oportunidade de verificar o nojo que é alojamento dos policiais na Regional e dos plantonistas, no 1º DP, assim como os seus banheiros nojentos e fétidos que, ou usamos para adoecer ou não usamos para adoecer do mesmo jeito. 

Eu estou salva desses banheiros. Recentemente retornei minhas atividades na Delegacia da Mulher (Graças a Deus!), prédio muito melhor, banheiro também! ... Mas, já estava doente! 

Passar por toda essa agonia me exigiu alguma reflexão sobre como devo me comportar a partir de agora para ter uma vida mais saudável e não morrer antes de terminar de escrever minhas crônicas – sonho antigo! 

A agonia vivida me chamou atenção para outras escolhas e comportamentos que já vinha percebendo equivocados da minha parte, embora não tivesse decidido por abandoná-los. Insistência de gente imbecil que gosta de persistir no erro. 

Considerando que não morrer na segunda-feira foi um milagre, já que cheguei no hospital sem sentidos e me peguei momentos antes com Santa Teresinha, de quem sou devota, aproveito o momento para me redefinir na vida pessoal e profissional. Claro, espero melhoras! 

Ademais, como tudo na vida tem seu lado positivo e negativo, a doença me chegou em tempo de assembleias de policiais civis aqui no Piauí para se fazer cumprir a lei de uma vez por todas no que cinge a estrutura e funcionamento das atividades policiais, incluindo como ponto de pauta a questão salarial (!). 

A minha saída do Hospital na segunda-feira, por volta do meio dia, coincidiu com o horário da assembleia no Sinpolpi, e como me encontrava nas proximidades resolvi em nome da velha curiosidade, participar, já que continuava viva. 

Que sorte! Estava realmente precisando ouvir todas aqueles relatos, conhecer todas aquelas denúncias. Tudo providencial! Às vezes é necessário tomar conhecimento do óbvio. Serviu para eu me mancar e perceber muita coisa. 

De fato, o PIAUI e o MARANHÃO são vizinhos e bem parecidinhos. Que pena!!! 

No discurso acalorado do Presidente do Sinpolpi (CRISTIANO RIBEIRO), a informação de que policiais do Maranhão participaram aqui em Teresina de uma palestra proferida dias atrás pelo Presidente do Sindicato de Sergipe para falar sobre a implantação naquele Estado da Policia Legal. Certamente o pessoal da vizinha cidade de Timon/Ma. Muitos de fé e coragem! 

Do que ouvi gostei. E muito! O resultado apesar da opressão do governo e das retaliações do Delegado Geral, James Guerra, com transferências abusivas de policiais da cidade para o interior, retirada de chefias e gratificações e mais medidas tomadas ao arrepio da lei é que o movimento se fortalece. Está cada vez mais forte! Quanto ao Delegado Geral, diante de tantas denúncias.... sei não! 

Mesmo antes do final da assembleia, a todo momento entrega de chefias e gratificações... NEM TUDO SE VENDE, E NEM TODOS SE COMPRA COM DINHEIRO. Ademais, pelo que pude perceber já está é passando da hora da policia civil ser tirada do abismo a que foi empurrada. 

Chega de mazelas, de licitações fraudadas, improbidades administrativas, de corrupção, de hipocrisia, de opressão, de perseguição quando se deseja imprimir verdades não oficiais e que se contrapõem a interesses de uns e outros. Chega!!! 

A Instituição deve e precisa ser maior que essa m. toda que a gente engole em silêncio, ca-la-di-nho(a)..! 

Hoje, 23.05.13, mais entregas de cargos de escrivães ad hoc na cidade e no interior, além do fechamento da Central de Flagrantes na cidade de Picos/Pi que funcionava como cadeia pública maltratando presos e policiais em desvio de função. Tudo resultado do movimento! 

Vi como devemos fazer policia legal e como na intenção de fazermos a maquina funcionar a qualquer custo terminamos por corroborar com as ações de incompetência e inoperância dos nossos gestores fazendo tudo parecer bem no dia a dia, quando tudo está mesmo é muito mal. 

Além de cumprir a lei, a POLICIA LEGAL pode nos gerar como resultado uma polícia menos corrupta, melhor estruturada e com cada um dando conta de desenvolver o que lhe é atribuído pelo dever do cargo, sem desvios ou usurpações de funções públicas. 

Nada de escrivão e investigador fazendo papel de delegado, nada de terceirizados de arma em punho fazendo papel de policia, nada de delegados de policiais se comportando como meros chanceladores de procedimentos policiais enquanto curtem preguiça, arrogância, incompetência e inoperância, enquanto permanecemos sendo ignorado nos nossos mais básicos direitos. 

Minha colega escrivã recentemente removida para regional de Codó que o diga! – Desculpe-me, minha amiga, mas silenciar nunca adiantou.... não vai adiantar nunca! 

Valorização profissional para todos e fim dessa desproporção vergonhosa de salários entre escrivães/investigadores e delegados. (A que serve isso?! Por que continuar assim?!) 

Agora vou tomar de conta do meu quadrado. Aprendi a lição, caro escrivão (do Maranhão) RIBEIRO. 

Pensando me encontrar em leito de morte, prometi a JESUS CRISTO que se vivesse não mais me incomodaria com algumas pessoas/coisas que tem me adoecido nessa policia civil do Maranhão, se eu vou conseguir não sei, porque natureza e consciência são estados que dificilmente a gente esconde ou controla, mas promessa é dívida... 

De qualquer forma, deixo algumas pessoas em paz para que eu também assim me sinta. Mas uma coisa é certa, depois de ouvir tantos relatos de colegas do Piauí, conhecer a experiência de Sergipe e refletir a minha, POLICIA LEGAL, agora, ALÉM DE CUMPRIMENTO DA LEI, será para mim uma FILOSOFIA DE VIDA. 

Aos colegas escrivães digo: mesmo que a sua delegacia não tenha água, banheiro, e você viva todo tipo de situação de insalubridade que nós bem conhecemos – PRINCIPALMENTE NO INTERIOR – BEBA E MUITO! Pare e vá ao banheiro quantas vezes precisar e se na delegacia só tiver aquele banheiro fétido a nos oferecer outras doenças, usa aquele que tu dispõe ainda que fora da delegacia. Só quando se está morrendo ou se pensa que está é que a gente verifica que tudo mais pode esperar pra deixar a vida passar. 

Para completar ganhei ontem, 23.05.13, “LOBÃO MANIFESTO DO NADA NA TERRA DO NUNCA”... livro no qual o titulo já diz tudo.... 

NÃO MORRI, 
MAS MUITOS (PRE)CONCEITOS, 
PREOCUPAÇÕES TOLAS E MANIAS BESTAS MATEI EM MIM. 

SAÚDE PARA TODOS, POLICIA LEGAL TAMBÉM!!!



Márcia Gardênia Alves Pereira