sexta-feira, 26 de abril de 2013

O TAO DO BANDIDO

Um aprendiz de ladrão entrou para a quadrilha do velho Zhang, um bandido muito famoso que roubava dos ricos há mais de dez anos para alimentar e vestir milhares de pessoas. Uma noite, durante um baquete, o aprendiz pediu ao velho Zhang qual era o segredo de seu sucesso. Ele esvaziou seu copo, limpou a barba na manga da camisa e respondeu:
— Toda arte verdadeira é um caminho que leva ao Tao. E o domínio de nossa profissão repousa sobre cinco virtudes: a inspiração, a coragem, a bondade, a prudência e a justiça.
— Mas chefe — disse o aprendiz — não é bem isso que se pode esperar de um bandido!
— Fecha essa boca, ignorante, e presta atenção nas virtudes que devem ser observadas por um mestre-ladrão que deseja chegar a uma idade respeitável. Adivinhar onde está escondido o que deve ser roubado vem da inspiração. Ser o primeiro a chegar a esse lugar é fruto da coragem. Ser o último a sair, para dar cobertura aos seus homens, explica-se pela bondade. Avaliar se o golpe é muito arriscado tem origem na prudência. E repartir o produto do roubo é a virtude da justiça.
Fonte:  O Tao do Bandido por Conto popular chinês, trad. Márcia Schmalz e Sérgio Capparelli