segunda-feira, 1 de abril de 2013

DELEGACIA DA MULHER NÃO INVESTIGA CRIME

A delegada Marta Dominguez  foi exonerada do cargo
 Delegada é exonerada por não investigar vítima de suspeitos de estuprar turista

A delegada Marta Dominguez foi exonerada da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Niterói hoje. A decisão, segundo a chefia da Polícia Civil, foi tomada porque ela não investigou adequadamente o caso de estupro da mulher que afirma ter sido vítima dos suspeitos de violentar a turista norte-americana neste fim de semana. De acordo com uma nota da Polícia Civil, Dominguez não adotou "as medidas necessárias de investigação". A perita Martha Pereira também foi exonerada do cargo de diretora do IML (Instituto Médico Legal) de Niterói, por demora no atendimento à vítima. Segundo a nota da Polícia Civil, a chefe do órgão, a delegada Martha Rocha, ouviu a jovem pessoalmente. Ela determinou ainda que a Corregedoria Interna da polícia analise o procedimento das policiais. "A jovem esteve nesta tarde no prédio da Chefia de Polícia, acompanhada pelo pai. A delegada Martha Rocha pede desculpas pela prestação de serviços e lamenta que a gestão dos dois órgãos envolvidos estivessem sob a responsabilidade de mulheres, justamente as que deveriam ser mais sensíveis em episódios como este", diz a nota do órgão. O crime ocorreu no dia 23 de março.

Martha Rocha também afastou do cargo a diretora do Posto Regional de Polícia Técnico Científica (PRPTC) de São Gonçalo, a perita Martha Pereira, uma vez que a primeira vítima do trio teria demorado a ser atendida no Instituto Médico Legal (IML) do município. Segundo a nota enviada pela Polícia Civil, a delegada Martha Rocha conversou nesta segunda-feira com as duas funcionárias exoneradas antes de tomar sua decisão. A Corregedoria Interna da Polícia Civil irá apurar todos os fatos envolvendo a investigação. “A delegada Martha Rocha pede desculpas pela prestação de serviços e lamenta que a gestão dos dois órgãos envolvidos estivessem sob a responsabilidade de mulheres, justamente as que deveriam ser mais sensíveis em episódios como este”, informou o texto divulgado pelo órgão.

Fonte:http://extra.globo.com/

Brasileira, 21 anos, estuprada. Queixa prestada na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), no dia 23 de março e investigação, pelo que se pode inferir da decisão de exoneração da delegada titular da Deam de Niteroi, nenhuma. E o mais revoltante e de indignar qualquer cidadão decente desse pais é que este seria mais um caso a passar despercebido. Quantas mulheres vitimas de violência doméstica nesse pais continuam sendo invisíveis dentro da própria delegacia? Por que não se exerce esse controle de ação ou de omissão, ao invés de decisões midiaticas que, sem dúvida, são importantes, mas muito pouco produzem de resultados quando sabemos que há autoridades que insistem em não cumprir seu papel, só sendo realmente punidos por obra de um grande azar, como foi o que aconteceu. Minha gente, que absurdo, que vergonha e que comportamento indigno esse. Já está mais que na hora de cobrarmos dos nossos governantes respeito. Essa cobrança tem que ser nossa. Não adianta delegar. Ou tu exige serviço de qualidade ou sofre com o que tem. É assim!