segunda-feira, 25 de março de 2013

Secretaria de Justiça não cumpre ordem judicial e o caos só aumenta nas delegacias do Piauí


A Secretaria de Justiça não cumpriu a ordem judicial de apresentar plano para retirada de presos das delegacias do Piauí e o caos só tem aumentado. Hoje, alguns presos do 9ºDP em Teresina, surpreenderam o delegado Franklin Delano e um agente de polícia no momento em que entraram na área que dá acesso as celas, fizeram-lhes reféns e uma tragédia só não se consumou porque os dois estavam desarmados e um policial que não havia entrado no corredor das celas reagiu conseguindo conter o problema. Esta não é a primeira vez que há problemas em delegacias do Piauí e, embora uma tragédia já tenha sido anunciada, autoridades ainda insistem em descumprir a lei mantendo presos em delegacias por acreditar estarem acima do ordenamento jurídico. Acredito que é chegada a hora de ser decretada a prisão do secretário desobediente e colocá-lo, quem sabe, junto com os presos que ele insiste em deixar fora do sistema e em uma cela de delegacia. Talvez ele esteja precisando respirar o odor fétido dos xadrezes das delegacias e passar algumas horas naquelas saunas para saber que tão “delinquente” quanto os que se encontram naqueles xadrezes são os que desobedecem à decisão judicial de retirá-los da situação indigna em que se encontram tendo os seus direitos humanos desrespeitados pelo próprio Estado.
O Piauí vive o caos nas delegacias por vários motivos, entre os quais a custódia de presos que deveriam estar no sistema prisional. Na cidade de Picos localizada a 300 quilômetros da capital do Piauí os presos que estão nas delegacias têm que nadar para não morrer afogado. Pelo menos foi essa a informação passada por um policial da cidade que disse que uma chuva esta semana alagou a delegacia e os presos praticamente tiveram que nadar para não morrerem afogados. Conquanto possa ser até um pouca exagerada a informação, a realidade é que todos - custodiados, policiais e a sociedade que faz uso do serviço da polícia civil, correm grande risco quando estão em uma delegacia ou mesmo quando passam por ela, e da mesma forma, ou um pouco pior, os vizinhos dessas delegacias, também agora, verdadeiras unidades prisionais cravadas no meio da população urbana, às vezes ao lado ou em frente a escolas e hospitais. Alguns incautos certamente dirão que isso não é exclusividade do Piauí ou do Maranhão e para esses digo que embora a falta de vergonha seja muito comum no Brasil, inclusive, no Piauí e no Maranhão, minha preocupação em um primeiro momento é combater a falta de vergonha do próximo e depois a do mais distante, seguindo, assim, a mesma lógica da bíblia quando diz que devemos ajudar o próximo. Portanto, registro aqui a minha indignação com o sistema prisional desses dois estados irmãos com esperança que não morra nenhum policial e que não se repita a mesma tragédia que houve em Pinheiros no estado do Maranhão em que doze presos foram decapitados e nenhuma autoridade perdeu a cabeça, o cargo ou a liberdade.

Fonte: www.pontoquentebrasil.com.br/wagnerleite