domingo, 13 de janeiro de 2013

"POLICÍA TAMBÉM É POESIA"

Muita coisa pode ser dita por meio de poesia. Por meio da Literatura podemos conhecer a história da humanidade, os acontecimentos de uma época, as alegrias, a tristeza e as aspirações de uma pessoa, de uma categoria, de uma sociedade. Esta página não possui conteudo fechado, embora tenhamos como objetivo primeiro publicar informações de natureza policial sindical. Desta forma, de quando em vez rompemos a DUREZA da REALIDADE POLICIAL para adentrar em outros campos também importantes. Assim, trazemos agora esta linda poesia – VERSOS ÍNTIMOS – que mostra também de forma literária, é claro, um pouco da realidade de algumas pessoas, principalmente de alguns insanos e egoistas. Todos nós precisamos de um momento de reflexão e acredito que o início de um ano novo seja um bom momento para – parar e refletir. É claro que podemos e devemos refletir sobre todas nossas atitudes e procurar ver onde erramos para tentar melhorar. Podemos observar que muitas pessoas estão no seu dia-a-dia trabalhando contra o nosso sucesso, contra a nossa dignidade, contra a nossa prosperidade, e que devemos estar alerta e manter a guarda quando estivermos próximo de quem só deseja o nosso mal. Todavia, o mundo não é feito só de pessoas ruins. Existe também um ou outro que está do nosso lado, que se preocupa com o nosso bem, trabalha pelo nosso sucesso e a este sim devemos todo respeito, toda gratidão e toda consideração. Tenho certeza que todos nós conhecemos pessoas assim. Por isso esta bela poesia de Augusto dos Anjos para ajudar a pensar e a refletir sobre sobre a nossa luta. Leiam, reflitam, sejam justos e deleitem-se.



VERSOS ÍNTIMOS

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão — esta pantera — Foi tua companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
Autor: Augusto dos Anjos

Fonte: http://www.sinpolpi.com.br/WAGNERNUNESLEITE