quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Matéria de hoje, do CORREIO BRASILIENSE.

Centro de Marajá do Sena: ruas sem asfalto, não há saneamento básico, e o comércio é minúsculo  (Karlos Geromy/OIMP/D.A Press ) 


Marajá do Sena: município no nordeste exemplifica situação de miséria Cidade do Maranhão é o retrato mais fiel das grandes dificuldades enfrentadas por boa parte da população do país. Durante seis meses, município fica praticamente ilhado por causa das chuvas
Marajá do Sena (MA) — Um pedaço da miséria brasileira fica no Maranhão, mais precisamente a 403km de São Luís, a capital do estado. Trata-se de Marajá do Sena, um dos municípios mais pobres do Brasil. A situação é tão crítica que, durante seis meses, entre janeiro e junho, período de chuvas, a cidade fica isolada do mundo. Chegar lá é um martírio a que poucos se submetem, tamanha a quantidade de buracos na estrada, de lama e de morros com riscos constantes de deslizamentos. É preciso, ainda, atravessar o rio Grajaú, não menos difícil e perigoso.

O centro de Marajá do Sena fica num vale que sofre inundações constantes. Na semana passada, a Unidade Escolar Teixeira Santos, localizada na avenida principal, ficou alagada: livros, cadeiras, pratos, tudo o que estava próximo ao chão foi coberto pela lama, para desespero dos estudantes. O colégio atende mais de 600 alunos em três turnos. “Ficamos dias sem aulas. A rotina tem sido a mesma: limpamos tudo, para a chuva sujar de novo”, afirma o diretor Raimundo Nonato Teixeira de Souza.