sexta-feira, 23 de novembro de 2012

.... HOJE FOI DIA ....

No fundo, no fundo queria falar da minha terapia de hoje e que eu estava em débito há mais de dois meses. Infelizmente não posso, ou pelo menos não devo. Mas, uma coisa é certa, lá posso dizer a minha verdade, expressar meus sonhos, meus medos,  certezas e dúvidas. Tenho me sentido cansada, agoniada e aflita diante de uma situação de inoperância constante que sou obrigada a viver. É o preço que pagamos pelas nossas escolhas. Sei que não tenho colaborado com meu bem estar, pois tenho insistido em não atender a todos os conselhos que me são dirigidos no sentido de me fazer entender que o melhor é a cegueira, é o nada dizer ou nada fazer. Estou  fora! Isso não consigo. Mas, admito que tudo seria muito, muito mais fácil se eu conseguisse assim me portar. Mas essa não é minha escolha. Nunca foi. Jamais será! Bem que eu tento, podem acreditar! Aos que me entendem e tentam sempre ajudar, agradeço! Àqueles que não compreendem e, ainda aos que optam pelo uso da má fé no intuito de provar que estou errada nada posso dizer além de: sinto muito! Se era o intuito, conseguiram, a dor ainda permanece intensa. Desejo alcançado! Mas minha terapia é boa. Sempre saio renovada, novas esperanças, crença firme e pensamento certo de que as aflições existem para que possamos sempre superá-las. Felicidade para os de longe e para os de perto... 

(...)


    http://disquedenuncia-ma.org.br/xps/

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

(...)


TJ e MP promovem caminhada pelo fim da violência contra as mulheres


O Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) e o Ministério Público estadual promovem caminhada na Avenida Litorânea no domingo (25), às 8h (com saída próximo ao posto do Corpo de Bombeiros), em comemoração ao Dia Internacional dos 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra as mulheres. Ainda nesse dia e horário haverá atividade semelhante na Avenida Beira-Rio, em Imperatriz.  Os dois eventos são abertos à comunidade e marcam o início de ações conjuntas para denúncia e conscientização sobre tema preocupante neste Estado: a violência contra mulheres. A Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJMA e a Vara Especial de Combate à Violência Contra a Mulher de São Luís estão à frente da organização da caminhada na Litorânea. O desembargador Raimundo Barros representará o Judiciário. Autor da indicação, o presidente Antonio Guerreiro Júnior fez comunicado sobre a data na sessão plenária do TJMA nessa quarta-feira (21), e convidou magistrados e servidores a participarem ativamente da campanha. "Queremos difundir uma cultura de paz, respeito e igualdade entre os gêneros", anunciou.  Criada pelo Tribunal de Justiça para direcionar a luta estadual contra a violência à mulher, a Coordenadoria tem como presidente a desembargadora Nelma Sarney. O órgão realiza ações regulares - sempre com caráter educativo - no sentido de discutir com a sociedade o fenômeno da violência doméstica e das questões de gênero.  A proposta é que juntos possam enfrentar as situações de conflito. Estado tem alta incidência. Levantamento divulgado em agosto, com base em dados da Delegacia Especial da Mulher em São Luís, mostrou aumento acentuado nas denúncias de violência contra o gênero feminino. Na capital, foram mais de 3 mil ocorrências registradas até aquele mês. Na maioria dos casos, as vítimas tinham entre 18 e 29 anos de idade.A delegacia acredita em números ainda mais assustadores. A maioria dos casos não chega ao conhecimento das autoridades policiais em razão do medo da mulher em denunciar o companheiro. Grande parte das agredidas aponta a dependência econômica como justificativa. A Lei Maria da Penha, que completou seis anos em 2012, é a forma mais eficaz de punição aos agressores.                                                                                      

Fonte: http://www.tjma.jus.br/tj/visualiza/sessao/19/publicacao/400707

Até quando. E por quê !?


"Sonho com o dia em que a justiça correrá como água 
e a retidão como um caudaloso rio" 

COMO MATAR UM HERÓI....



Alguns podem falar que heróis têm vida eterna, outros que não sentem dor, que são invencíveis ou semideuses, mas pasmem! Isso tudo é utopia e não passa de mera ilusão.

Nos dias de hoje ser herói é humanamente impossível, no mínimo cômico, afinal, a sociedade quer alguém que se dedique com afinco as causas nobres do cotidiano? Ou reformulando a pergunta, as pessoas merecem alguém que lute com todas as forças pelo bem coletivo? Já não sei mais, há alguns anos atrás acreditava fielmente que sim, vendo as atrocidades de um povo doentio, pensei que poderia brincar de super-homem, dando à cara a tapa e buscando resolver os problemas do mundo, não importando se para isso criasse para mim um rótulo de intransigente ou ríspido demais.

Não me arrependo de nada, minha luta foi por uma causa justa, armas foram retiradas das mãos de marginais, condutores embriagados foram colocados aos montes no local onde não podem matar inocentes, madrugadas de sono foram perdidas para vigiar o patrimônio de alguém que trabalhou para construir uma vida, muito suor foi derramado as margens de estradas em abordagens a traficantes que insistem em destruir vidas humanas, saliva foi gasta tentando convencer vizinhos a chegar a um denominador comum e viver em comunhão fraterna, e quantas mulheres foram salvas das mãos de companheiros enfurecidos, sem contar as inúmeras vezes em que arrisquei a minha própria vida em beneficio de outrem, algo que se faz não por dinheiro ou status, mas sim pela vocação de alguém que acreditava no poder do bem, alguém que não via a hora de colocar o uniforme de super herói e combater o crim e com orgulho de dizer: sou policial!

Mas os dias vão passando, e você cada vez mais começa a perceber que por mais que faça o impossível, não é o suficiente, um sentimento de impotência inevitavelmente brota do peito e a vida começa a ensinar da maneira mais difícil que para um policial ser herói, ele precisa lutar contra forças ocultas de tamanha magnitude que jamais imaginaria quando iniciava na academia policial, poderes estes emanados das fontes mais variadas, seja interna ou externa, política ou burocrática, sem fronteiras quando o assunto é poder!

Caros colegas é triste, mas me sinto na obrigação de externar meus sentimentos, afinal, o que fiz até hoje na minha profissão foi tentando acertar, conheci pessoas incríveis, mas também tive o dissabor de conviver com hipócritas que vêem o mundo como um terreno de oportunidades, onde o esperto se sobressai ao cidadão honesto, e o que mais me frustrou foi perceber que nosso meio esta contaminado com uma praga muito mais devastadora do que qualquer doença terminal, chamada política.

Isso me matou! Não há possibilidade de sobreviver, quando se perde a esperança, perde-se tudo, podem me chamar de covarde, até de mercenário, por receber um ordenado no final do mês sem ao menos merecer um décimo daquilo, por que vou embora, aqui não é meu lugar, e não vai ser o lugar de ninguém que queira trabalhar honestamente a serviço das pessoas de bem.

Sabe de uma coisa, cansei de ouvir piadinhas por atos corruptivos de colegas, de ser odiado por fazer o certo, de ir às minhas folgas no Tribunal dar depoimentos intermináveis, de cumprir cargas horárias abusivas só porque falam que sou Militar e tenho que me submeter ao Regulamento, de ser punido por fazer o certo, de ser visto como uma ameaça a tropa por contestar as barbaridades cometidas, de deixar de lado a coisa mais importante que é a família para lutar pela causa dos outros. Não quero exigir aqui prêmios, medalhas, recompensas financeiras, ou reconhecimento midiático, apenas gostaria de aplicar a lei a todos sem distinção de classe social, pois afinal, o que diz nossa Constituição mesmo?

Deus, ajude-nos!

Heróis estão morrendo a cada instante...

* O policial que escreveu a carta não quis se identificar. Quem quer?! 

Fonte: http://www.universopolicial.com

Pela primeira vez, uma mulher comandará a Interpol


Pela primeira vez, a Organização Internacional de Polícia Criminal, cuja sigla em inglês é Interpol, será comandada por mulher. A francesa Mireille Ballestrazzi, de 58 anos, foi eleita, em Roma, na Itália, a nova presidenta da organização. Ela era vice-presidenta para a Europa da Comissão Executiva da Interpol. Criada em 1923, a Interpol é uma organização internacional que ajuda na cooperação de polícias de diferentes países. A Interpol atua como uma central de informações para que as polícias trabalhem no combate a crimes considerados internacionais, como o narcotráfico, o tráfico de pessoas e o contrabando. Comissária de polícia desde 1975, Ballestrazzi ocupou vários cargos na direção da Interpol. Desde 2010, ela era a segunda da organização. A eleição foi feita durante a assembleia geral da entidade.
*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa

quarta-feira, 21 de novembro de 2012





" SEM ESCRIVÃO A POLÍCIA PARA "






70 ANOS .....


DE MUITA ALEGRIA E POPULARIDADE..... 
ZÉ CARIOCA !

Senasp divulga resultado preliminar de projetos para Renaesp


A Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ) divulgou o resultado preliminar da seleção de propostas referentes a projetos de cursos de pós-graduação lato sensu, especialização, no âmbito da Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp). Participaram da seleção entidades que oferecem cursos inovadores e que contribuem c m o processo de pensar e de fazer segurança pública no país. Foram apresentadas pelas Instituições Federais de Ensino Superior 24 propostas, dessas 19 foram habilitadas e classificadas. 
1)   Foram habilitadas e classificadas, 19 (dezenove) propostas, conforme consta na tabela a seguir:


Ordem
Nº Proposta
UF
Nome do projeto de curso
IES Proponente
1
08020.020528/2012-11
RS
Segurança Pública e Mediação de Conflitos
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
2
08020.020531/2012-34
DF
Segurança Pública e Cidadania
Universidade de Brasília
3
08020.020532/2012-89
RR
Segurança Pública e Cidadania
Universidade Federal de Roraima
4
08020.020524/2012-32
RJ
Políticas Públicas de Justiça Criminal e Segurança Pública
Universidade Federal Fluminense
5
08020.020526/2012-21
MG
Estudos de Criminalidade e Segurança Pública
Universidade Federal de Minas Gerais
6
08020.020529/2012-65
SE
Segurança Pública e Democracia
Universidade Federal de Sergipe
7
08020.020522/2012-43
PA
Sociedade e Gestão de Segurança Pública
Universidade Federal do Pará
8
08020.020533/2012-23
MA
Cidadania, Direitos Humanos e Gestão da Segurança Pública
Universidade Federal do Maranhão
9
08020.020525/2012-87
RO
Segurança Pública e Direitos Humanos
Universidade Federal de Rondônia
10
08020.020534/2012-78
PB
Segurança Pública e Direitos Humanos
Universidade Federal da Paraíba
11
08020.020535/2012-12
TO
Segurança Pública: teoria e prática no gerenciamento da Polícia Comunitária no Estado do Tocantins
Universidade Federal do Tocantins
12
08020.020523/2012-98
MT
Políticas de Segurança Pública e Direitos Humanos
Universidade Federal de Mato Grosso
13
 08020.020536/2012-67
SC
Tecnologias da Informação e Comunicação Aplicadas à Segurança Pública e Direitos Humanos
Universidade Federal de Santa Catarina
14
08020.020537/2012-10
CE
Segurança Pública, Policiamento Cidadão e Mediação de Conflitos
Universidade Federal do Ceará
15
 08020.020538/2012-56
RJ
Organização e Gestão de Instituições de Justiça Criminal e Segurança
Universidade Federal Fluminense
16
 08020.020527/2012-76
RS
Segurança Pública, Cidadania e Diversidade
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
17
08020.020530/2012-90
SE
Gestão e Modernização Institucional da Segurança Pública
Universidade Federal de Sergipe
18
08020.020521/2012-07
PA
Segurança Pública e Gestão da Informação
Universidade Federal do Pará
19
08020.020539/2012-09
MG
Gestão em Segurança Pública
Universidade Federal de Viçosa


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Homem ateia fogo ao próprio corpo e morre na cidade de Altos/Pi


Um homem identificado como Agnelo Clementino de Sousa, 61 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (19) após atear fogo no próprio corpo. O caso foi registrado na localidade Cuntrinda, localizada no município de Altos (37 km de Teresina). 

Segundo a polícia, a família informou que ele estaria sofrendo de depressão, após descobrir que estava com a doença de Mal de Parkinson.

Segundo o chefe de investigação Francisco Carlos, da delegacia de Altos, o homem que residia em Teresina no bairro Dirceu Arcoverde, teria informado à família que iria passar alguns dias em uma fazenda de sua propriedade na cidade de Altos.
“Uma filha dele informou que o senhor Agnelo estaria sofrendo de depressão após ter descoberto que estaria com a doença Mal de Parkinson e que não aceitava que estava doente. Uma testemunha declarou que pessoas ouviram um estrondo e quando foram ver o que era já viram ele em chamas. Até tentaram apagar, mas não adiantava mais”, relatou Francisco Carlos.
A perícia foi acionada e confirmou que a vítima teria realmente ateado fogo no próprio corpo. O Instituto Médico Legal também foi chamado e fez a remoção do corpo até a cidade de Teresina.



MAL DE PARKINSON

O que é ?É uma doença neurodegenerativa provocada pela perda de células nervosas presentes na região da substância negra do cérebro. Essa região é responsável pelos estímulos dos movimentos, funcionando como uma espécie de facilitadora dos mecanismos de ação e reação do nosso organismo. Se há uma redução do número de células, há uma alteração desses mecanismos e acontecem os tremores e a rigidez característicos da doença. "A pessoa deixa de responder por seus movimentos, de acordo com o estágio da quadro clínico", explica Cícero Coimbra.

Principais causas
A hereditariedade pode ser uma das causas da doença, porém, a principal causa do Mal de Parkinson encontra respaldo nas alterações emocionais do organismo. "A dor emocional provoca um aumento na produção de salsolinol, substância que mata as células nervosas responsáveis pelo controle dos movimentos. Situações traumáticas, ansiedade, angústia, cobrança excessiva e pessimismo aumentam a produção dessa substância e são grandes indicadores de um possível paciente com Mal de Parkinson".

Sintomas
Os sintomas que caracterizam o Mal de Parkinson são os tremores intensos e a rigidez muscular, porém, a intensidade e a região afetada por eles variam de acordo com o estágio da doença em que o paciente se encontra. São essas:

Fase 1: em sua primeira fase, a doença atinge só um lado do corpo.

Fase 2: atinge os dois lados do corpo, e os sintomas podem aparecer inclusive na região da linha média do corpo (coluna).

Fase 3: aparecem as primeiras alterações no equilíbrio em consequência da rigidez muscular: "o paciente se sente preso em uma armadura dura e pesada. Quando perde o equilíbrio, não tem o apoio dos músculos do corpo, que o evitem de cair. Ele fica preso pela rigidez muscular".

Fase 4: o paciente passa a necessitar de auxílio para desempenhar atividades simples do dia a dia, como os cuidados pessoais: colocar roupas, pentear os cabelos e tomar banho tornam-se tarefas difíceis.

Fase 5: a intensidade dos tremores e da rigidez muscular impede o paciente de se levantar e até de realizar atividades como comer.

Fase 6: nos casos mais graves, pode ocorrer demência.

No Brasil, estima-se que a doença atinja 250 mil pacientes.Segundo a Organização Mundial da Saúde, 1% da população acima dos 65 anos possui essa doença, sendo que a prevalência é de 150 a 200 casos a cada 100.000 habitantes. De acordo com a ONU, existem cerca de 4 milhões de pessoas no mundo com a doença de Parkinson. Com o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento da população, estima-se que esse número dobre até 2040. 

FONTE: mulheres-sarl.blogspot.com/2009/10/mal-de-parkinson.html




segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Vamos rir???????????????????

         Apropriação indébita 



Irritado porque os subordinados não davam a menor bola para sua autoridade, o chefe pregou uma placa na porta de sua sala. Dizia: AQUI QUEM MANDA SOU EU!
Quando voltou do almoço, alguém havia pregado embaixo da placa um aviso: SUA ESPOSA LIGOU. DISSE QUE É PARA O SENHOR DEVOLVER IMEDIATAMENTE A PLACA DELA. 

MULHERES INCRÍVEIS - MULHERES AUTOMOTIVAS


Em entrevista ao Incríveis Mulheres Automotivas, Cintia Carvalho, diretora de conta da T-Systems para Daimler, fala sobre os principais desafios da sua carreira. Os desafios da mulher de hoje! Confira! 

MARIDO MATA E CORTA COM FACA PARTES ÍNTIMAS DA MULHER



O crime ocorreu no Povoado Bom Principio, próximo a cidade de Bacaba/Ma. A vítima Joseane Ramos,  de 21 anos, foi assassinada com 24 facadas e teve as partes íntimas cortadas pelo marido, Elias da Conceição. O crime aconteceu nesse domingo (18), no povoado Bom Princípio, próximo a cidade de Bacabal, no Maranhão. A vítima apresentava alguns distúrbios mentais, segundo a delegada Noemia Maia. Segundo informações da polícia, crime teria sido motivado por suposta traição. Ainda de acordo com a polícia, Elias da Conceição foi preso pela população e amarrado em um tronco de uma árvore. Depois, ele foi encaminhado para a delegacia da cidade para os devidos procedimentos legais.



Fonte: ://imirante.globo.com/noticias/
Uma Mulher Esclarecida
"Uma 'mulher esclarecida' não é, como algumas querem fazer crer, e muitos homens sabidos teimam em convencê-las, uma mulher sem escrúpulos e sem preconceitos, pois a viver como parte de uma sociedade, toda criatura tem de seguir as leis dessa sociedade, quer as ache certas ou erradas. Digo-lhes que "esclarecida" é a mulher que se instrui, que procura acompanhar o ritmo da vida atual, sendo útil dentro do seu campo de ação, fazendo-se respeitar pelo seu valor próprio, que é companheira do homem e não sua escrava, que é mãe e educadora e não boneca mimada a criar outros bonequinhos mimados.
O fato de uma mulher ser livre não implica que ela deva libertar-se também dos liames de moral e pudor, que são, afinal, embelezadores da mulher, e, portanto, indispensáveis à sua personalidade. A mulher esclarecida sabe disso. Ela estuda, ela lê, ela é moderna e interessante sem perder seus atributos de mulher, de esposa e de mãe. Não tem de trazer necessariamente um diploma ou título, mas conhece alguma coisa mais além do seu tricô, dos seus quitutes e dos seus "bate-papos" com as vizinhas. Ela cultiva, especialmente, a sua capacidade de ser compreensiva e humana. Tem coração. Despoja-se do sentimentalismo barato e inútil, e aplica sabiamente a sua bondade e a sua ternura. É mulher. Você, minha leitora, não limite o seu interesse apenas à arte de embelezar-se, de ser elegante, de atrair os olhares masculinos. A futilidade é fraqueza superada pela mulher esclarecida. E você é uma 'mulher esclarecida', não é mesmo?" 

                                                               Clarice Lispector. 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012


"Certa vez, fui reprovada numa avaliação psicológica admissional porque enfatizei demais minha vontade de crescer na empresa. A política devagar e miúda daquela instituição não visava o crescimento do profissional. Queriam pessoas conformadas que durassem muito tempo no mesmo cargo. A psicóloga metódica já imaginava minha "inadequação" e, como se já tivesse feito muito, lançou ainda uma pergunta fatal só mesmo para constatar suas suspeitas. E eu caí como uma pata. Mas qualquer coisa que eu falasse diferente disso seria mentir pra ela e pra mim mesma. É claro que fiquei revoltada. Outro "forte" argumento que ela usou para me reprovar é que eu era qualificada demais para o cargo... "Ah, tá". Essas pedradas deixam suas marcas. Mas esse mundo irônico dá muitas voltas e certos prazeres. Passei um intenso período trabalhando numa missão que envolvia diretamente advinha quem? Exatamente! Um grupo grande de diretores e gerentes da referida empresa. Claro que não! Sequer citei o nome da psicóloga em tela, até porque não tinha mais o menor propósito reconstituir os fatos agora que já passei neste concurso. M'águas passadas. Mas quem sabe o que significavam aquelas alfinetadas terapêuticas que dei na turma da área de pessoal...Estou contando isso pra dizer que meu "perfil" continua o mesmo. E apesar de ouvir muita besteira de gente babaca que não tem a mínima noção do que está falando, trabalho e vou continuar trabalhando muito para honrar esta camisa que me veste de orgulho, embora essa atitude desagrade a muitos, como vocês devem saber. Esse é o meu jeito. Minha marca. Minha fome de crescer. Não consigo, não quero e não vou ser diferente. É esse o meu compromisso..."
                   Fonte:  http://mulhernapolicia.blogspot.com.br/search/label/Filosofia%20policial


"Tudo lhe servia de partida. Um pássaro que voava, lhe lembrava terras desconhecidas, fazia respirar seu velho sonho de fuga. De pensamento a pensamento, inconscientemente dirigido para o mesmo fim, chegava à noção de sua covardia, revelada não só nesse constante desejo de fugir, de não se unir às coisas para não lutar por elas, como na incapacidade de realizá-lo, já que o concebia, espedaçando sem piedade o humilhante bom senso que lhe prendia o vôo. Esse dueto consigo mesmo era o reflexo de sua essência, descobria, e por isso continuaria por toda a sua vida..." Obsessão, in A Bela e a Fera, Clarice Lispector

RESPONSABILIDADE DO ESTADO

Mãe de detento assassinado em Pedrinhas será indenizada.  SÃO LUÍS - O Estado deve indenizar em R$ 80 mil a mãe de um presidiário assassinado, em junho de 2006, com vários golpes de chuço, por outro detento, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís. A decisão é da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) e confirma sentença do juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública, José Jorge Figueiredo dos Anjos. No seu voto, o relator do processo, desembargador Stélio Muniz, observou que o detento foi assinado quando estava sob custódia do Estado, que tinha a obrigação de garantir a integridade física e preservar a vida do detento.O desembargador considerou razoável e proporcional o valor da indenização, tendo em vista o sofrimento e os danos suportados pela mãe da vítima. Os desembargadores Vicente de Paula e Jamil Gedeon acompanharam o voto do relator.

Fonte: imirante.com

sábado, 3 de novembro de 2012

SPM abre, nesta 5ª feira, chamada pública para pesquisa acadêmica sobre direitos das mulheres

A partir desta quinta-feira (01/11) até 15 de dezembro, a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) estará recebendo propostas para realização de pesquisa sobre a garantia de direitos das mulheres e a evolução das políticas para a igualdade de gênero no Brasil. O material a ser analisado faz parte do banco de dados da Ouvidoria da Mulher, da SPM, composto por mais de 5 mil demandas registradas no período 2003-2012.
A pesquisa será viabilizada mediante parceria da SPM com universidades federais. O projeto de pesquisa objeto da chamada pública corresponde ao montante de R$ 100.000,00 (cem mil reais). O período de contratação é de janeiro a novembro de 2013.
As propostas deverão ser entregues ou enviadas até 15 de dezembro de 2012, no endereço abaixo:
Secretaria de Políticas para as Mulheres- aos cuidados da Ouvidoria
Endereço: Via N1 Leste S/nº, Pavilhão das Metas
Praça dos 3 Poderes 
Zona Cívico-Administrativa
CEP 70150-908 - Brasília – DF
Quaisquer esclarecimentos ou informações adicionais deverão ser solicitadas por escrito ao endereço eletrônico pesquisaouvidoria@spmulheres.gov.br especificando no assunto “PESQUISA OUVIDORIA”.
Base para a pesquisa - Dentre as atividades a serem desenvolvidas estão: levantar, analisar e categorizar os dados das demandas formuladas à Ouvidoria de 2003 a 2012, partindo do Manual de Tipificação da Ouvidoria; construir banco de dados da Ouvidoria avaliando o atual sistema de dados da mesma e produzindo subsídios para a instalação de um novo sistema de registro de demandas e, inclusive, desenvolvendo manual com instruções para utilização e atividades de capacitação; realizar levantamento sobre os principais marcos político-institucionais do processo de consolidação da política para as mulheres no Brasil com ênfase no Governo Federal, de 2003 a 2012; entre outras detalhadas na íntegra da chama pública.
São temas que compõem o acervo da Ouvidoria da Mulher: relações de trabalho, previdência social, comunicação e mídia, enfrentamento à violência contra as mulheres, educação e saúde. As demandas registradas se referem aos seguintes públicos: mulheres negras, mulheres indígenas, mulheres quilombolas, lésbicas, mulheres deficientes, meninas e adolescentes, mulheres rurais e brasileiras no exterior.
Acervo Ouvidoria da Mulher - Desde o início das atividades em junho de 2003 até o final de 2011, a Ouvidoria da Mulher recebeu 5.012 casos. A média de demandas recebidas no ano de 2011 foi de 109,3 casos/mês. Todavia, é importante considerar que uma mesma comunicação da demandante pode conter mais de uma demanda (solicitação de informação, reclamação sobre serviço e solicitação de intervenção, por exemplo), dando origem a diversos desdobramentos. 
Os casos que a Ouvidoria recebe são, portanto, bastante complexos, pois envolvem uma dimensão que é pessoal da demandante (resposta à sua solicitação, orientação ao problema vivenciado) e uma dimensão político-institucional (análise do conjunto de demandas, elaboração de subsídios para a formulação e avaliação das políticas públicas, trabalho realizado no âmbito da Secretaria de Políticas para as Mulheres). 
Os casos recebidos pela Ouvidoria estão arquivados como processos físicos (integralmente) e em forma eletrônica (parcialmente). Todos os mais de 5.000 processos constituem um rico acervo, importante fonte de pesquisas sobre as questões de gênero e políticas para as mulheres. 

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

SEM COMENTÁRIOS!!!!!!!!


A ideia da Delegacia Virtual copiada de outros estados para melhorar a vida daqueles que precisam da Polícia Civil, no Piauí, tornou-se uma desgraça por culpa de uma grande parcela de nossos próprios colegas que se arrimam no que deveria ser uma faculdade, uma opção, para fomentar a desídia e a má vontade de que são portadores. A Delegacia Virtual não foi criada para tirar das pessoas a possibilidade de registrar BO de perda de documento nas delegacias, mas para dar-lhes uma alternativa a mais. Por esse motivo é uma faculdade. Ocorre que muitos colegas limitam-se atualmente a “empurrar” as pessoas para a DELEGACIA VIRTUAL e LAN HOUSES, pessoas que muitas vezes não sabem nem o que é INTERNET, LAN HOUSE ou DELEGACIA VIRTUAL. Esses mesmos colegas que recusam o registro de um simples BO de uma pessoa humilde são os mesmos que desejam melhores salários, mas não contribuem com uma simples ação positiva para justificar a nossa determinação. Não é possível e nem aceitável, sem a devida justificação, que os policiais não façam o que é de sua atribuição – um simples BO de perda de documento.
Tenho tomado conhecimento que essa prática ruim e nociva está disseminada em todas as delegacias da capital, e que o 1ºDP, alegando uma portaria da DELEGACIA GERAL, já se omitia da obrigação do registro de perdas de documento, muito antes da tal Delegacia Virtual. Os argumentos dos colegas são os mais variados – segundo as “próprias vítimas”. Uns dizem que o BO tem que ser registrado na delegacia onde ocorreu a perda (tratando a perda de documento como crime); outros, que o BO deve ser feito na área onde moram; alguns dizem que deve ser feito pela INTERNET; outros tantos, arrimam-se em uma PORTARIA para não fazer nada, ainda que nada estejam fazendo. São tantos os casos de desídia e de má vontade, alguns sustentados até em portaria, que não é conveniente citá-los aqui.
Perdoem-me os colegas trabalhadores. Perdoem-me os determinados em servir à sociedade e prestar um bom trabalho, pois não me refiro a vocês. Refiro-me à parcela que quer tudo, exceto TRABALHO e SERVIR À SOCIEDADE, inspirados muitas vezes em seus superiores DESIDIOSOS. Por favor, não digam que essa fala não é de sindicalista alegando que sindicalista não pode ver a DESÍDIA dos colegas. Para os desidiosos afirmo que para ser membro do sindicato dos policiais civis, devemos, antes, ser servidores públicos, sendo esta, a regra. Portanto, vinculam-me as leis da administração pública, principalmente, o Estatuto dos Servidores Públicos do Estado e o Estatuto da Polícia Civil, e por esse motivo, a LEALDADE que todos devemos ter para com a Administração Pública, cujo vínculo é anterior e maior que qualquer vínculo sindical.
Espero, sinceramente, que os colegas entendam que podemos e devemos prestar um serviço melhor à sociedade mesmo com a condição franciscana em que vivemos.

Wagner Nunes Leite

Fonte: sinpolpi.com.br