sexta-feira, 19 de outubro de 2012

AURORA






Lembro de AURORA todos os dias. Loira, cabelos volumosos, de muitos cachos,  de exuberante beleza, festeira, alegre e namoradeira. Que sorriso! Pelo menos era assim que ela se descrevia. Conhecê-la foi um grande acontecimento graças a missa dominical que eu fazia questão de não faltar. É que eu adorava fazer a leitura do Evangelho. Para isso madrugava na Igreja da SS. Trindade. Padre Manoel confirma. Num domingo então, disse o evangelho: “todos devem procurar fazer uma boa ação, ajudar nosso semelhante é um dever”; Decidida pela boa ação, no dia seguinte fui ao Asilo FREDERICO OZANAN. Lá encontrei AURORA. Andei, olhei, pouco falei, mas, me encantei. AURORA tinha cada história! Parecia já ter vivido de tudo. Em algumas, ela se saia bem, noutras, sofria. Ah! Nessas nós sofríamos juntinhas. Tinha história que eu até chorava! Nunca soube como ela tinha ido parar no asilo. Sempre achei que perguntar lhe causaria tristeza. Mas, lembro dela dizer que tinha bons e belos filhos. Melhor para ela vê-los assim. No horário de sempre, quase que todos os dias, eu enlouquecia para ouvir AURORA. Um dia cheguei com papel e caneta, pois além de escutar queria anotar. Mania de anotação que tenho até hoje.  Todo dia um tema. E todos os dias ela me ensinava um pouquinho ressaltando sempre que há coisas que não se consegue só. Para os meus quatorze anos, na época, confesso, essa era uma afirmação difícil de entender. AURORA me falou de alegria, tristeza, família, erros, acertos, profissão, amizade, amores, desamores, festas, moda, enganos, esperança, religião, descreveu praças, relatou fatos, lembrou viagens, pessoas e um dia calou como se nunca tivesse dito nada. O tempo passou e eu nunca esqueci AURORA, muito menos o evangelho que me apresentou a ela.  Por que lembrei de AURORA agora ? Sempre lembro! Para quem não teve a felicidade de conhecer AURORA digo que ainda podem conhecer o Evangelho.  SAUDADES, AURORA!
             
Márcia Gardênia.
EPC/Bacabal