sábado, 10 de março de 2012

CRIMES DE ESTUPRO

PM PRESO ACUSADO DE PRATICAR VÁRIOS ESTUPROS - As ocorrências de crimes de estupro não param. A todo momento surgem novos casos e quando a gente pensa que nada mais surpreende, somos surpreendidos com fatos que só nos levam a acreditar que ainda não vimos o pior.  De PM tocador de violino a criminoso. Autor de vários crimes, um sargento da Polícia Militar de Minas Gerais, 17 anos de corporação foi preso nesta quinta-feira (8) suspeito de envolvimento em oito casos de estupro de mulheres em Belo Horizonte e em cidades da região metropolitana da capital mineira. Das oito supostas vítimas, cinco mulheres já reconheceram o acusado por meio de fotos. O militar, que toca violino na orquestra sinfônica da corporação e não teve o nome divulgado, está detido no 18º Batalhão de Contagem (MG), por conta de mandado de prisão preventivo expedido por magistrada da Vara Criminal de Inquéritos da Comarca de Belo Horizonte, a pedido do Ministério Público. Entre as supostas vítimas dele há pessoas com grau de parentesco com policiais militares.  
Em Barueri(SP) um homem suspeito de cometer mais de 30 estupros também foi preso. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o servente de pedreiro de 24 anos era investigado há três meses pelos crimes na região. Segundo a Polícia Civil, com um faca, o suspeito rendia as vítimas na Rodovia Castelo Branco, quando elas saíam para trabalhar pela manhã ou retornavam à noite. Em seguida, as levava para terrenos baldios, onde as violentava e ainda usava a arma para deixar marcas nos pescoços das mulheres. Ao menos 12 vítimas identificaram o servente como o autor do crime na delegacia de Barueri. Ele já havia cumprido pena por estupro por dois anos, em 2006. O suspeito foi levado para a Cadeia Pública de Carapicuíba, após ter a prisão preventiva decreta.
Em Serra (ES) as ocorrências de estupro também não são poucas e chocam.  Uma mulher denunciou, na manhã de ontem, na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), o ex-marido pelo estupro do próprio filho de apenas 3 anos de idade.  O estupro teria acontecido no último final de semana, enquanto a criança estava sob a guarda do pai, que é separado da mulher. A mãe da criança disse que o menino voltou para casa com um comportamento estranho e queixando-se de dores abdominais.  Na delegacia, o menino foi ouvido por uma psicóloga e contou, com riqueza de detalhes, o que aconteceu, não deixando dúvidas para os policiais sobre o estupro. "Até a maneira dele brincar com os bonecos mudou", disse a mãe, inconformada.
No estado da Paraiba os números de estupros já superam números de 2011.                         
Não só os números de assassinatos de mulheres na Paraíba que preocupam as autoridades e representantes do movimento de mulheres na Paraíba. É importante ressaltar que a violência sexual é comumente considerada como um crime cometido nas ruas, mas grande parte dos abusos e violência é cometida dentro de casa, seja pelo parceiro, parentes, ou pessoas próximas à família e é cometido contra crianças e adultos. Por isso, nem todos os casos são denunciados ou registrados. O que leva a crer que os números não correspondem a realidade. Em 2010, uma revisão do Código Penal igualou a tipificação dos crimes de estupro e atentado violento ao pudor, no artigo 213 da lei 1205/09 e ampliou a pena pelo crime e seus agravantes, o que não influenciou diretamente a estatística, nem diminuiu a sua incidência. É importante lembrar que as Polícias Militar e Civil contam com a ajuda da população para combater esses crimes e tentar prevenir futuras ocorrências. O número é 190 e a identidade do cidadão é mantida em absoluto segredo

No MARANHÃO a incidência desse crime é grande. As crianças integram grande parte da estatistica dessa pratica criminosa. Mesmo diante de tantas prisões realizadas esse é um crime cometido com uma habitualidade cada vez maior. Pais e padrastros tem sido autores de muitos desses crimes. A sociedade mais consciente e intolerante a esse tipo de crime tem denunciado e ajudado a policia a investigar e prender os autores. Por isso não se cale, DENUNCIE!