sábado, 5 de novembro de 2011

Mãe de bebê de 2 meses raptada faz apelo: "quero minha filha sã e salva"

A desempregada Mires da Silva Lima, 24 anos, mãe da bebê raptada em Teresina, nega que tenha vendido sua filha e faz apelo para encontrá-la de volta. Hoje a criança, identificada como Vitória Raquel, está completando dois meses de vida.
Fotos: Yala Sena/Cidadeverde.com

Uma quadrilha acusada de tráfico de crianças foi desbaratada pela Delegacia de Proteção à Criança e o Adolescente (DPCA) nesta semana. Pelo menos quatro integrantes estão presos em Teresina, dentre eles, o ex-deputado da Paraíba, Fausto Oliveira, preso em Fortaleza e recambiado ontem para capital piauiense.


A mãe está bastante abalada. “Peço que devolvam minha filha, sã e salva. Ela foi raptada e eu fui enganada”, declara.


Mires Lima disse que a quadrilha chegou até ela, através de uma mulher identificada como Maria da Conceição Pacífico dos Santos [uma das presas], que seria sua amiga, e a apresentou para Michele [foragida], Fausto e Joana Ribeiro do Nascimento Lira [também presa]. O fato aconteceu no dia 24 de outubro, na residência de Mires, no Quilômetro Sete, bairro Santo Antônio, zona Sul de Teresina.
No dia, a então recém-nascida, Vitória Raquel, estava com hérnia umbilical e cólicas, precisando ir ao médico, mas Mires alegou não ter dinheiro e Conceição se ofereceu para levá-la a uma clínica, junto com “os amigos”. E a partir daí a criança desapareceu.
“Peço que a polícia encontre minha filha. Hoje já faz 13 dias e até agora não tenho nenhuma notícia”, afirmou.
Sobre Fausto
Mires disse que não conhecia o ex-deputado estadual e só o viu uma vez, no dia que esteve em sua casa. “Eu nunca tinha visto ele na minha vida. A primeira vez foi naquele dia”.

Segundo a delegada Andrea Magalhães, o acusado já morou no Mato Grosso, em Brasília, em Recife, na Paraíba, em Natal, em Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro. Ele teria sido localizado através das características informadas por uma das três mulheres que foram presas na operação. O acusado disse à polícia que ofereceu a cesta básica e a quantia de R$ 70,00 para a mãe do bebê, Mires da Silva Lima, 23 anos, porque queria ajudá-la. "Ele disse que tem uma alma caridosa, que deu a cesta e a quantia em dinheiro por caridade, porque se sensibilizou com a situação de penúria da mãe", contou a delegada.
  
Ex-deputado Fausto Oliveira preso no Ceará 
Mires relembra que quando foram se apresentar para ela, a Joana disse que Michele era sua sobrinha, que morava no Joquéi Clube. Ela se arrepende e diz que não acompanhou a filha até a suposta clínica porque tinha que ficar com suas outras duas filhas. “Eu não durmo mais, eu sonho, eu ouço o choro dela, porque ela era viciada no peito. Eu sinto que ela voltar”, disse chorando.
Mires diz que passa necessidade e mora de favor em um quarto, depende do Bolsa Família e da doação de pessoas. “Eles me enganaram e é certo aquele ditado que diz: quando a esmola é grande o santo desconfia. Eles falaram em levarem ela para clínica e confiei na Ceiça [Concleição]”, declarou.

Michele - foragida

Venda da criança
A polícia está investigando que a intermediária iria ganhar um apartamento em Recife e R$ 4 mil em dinheiro, em troca do bebê. A desempregada disse que não ficou sabendo dessa negociata e afirma que não vendeu sua filha. “Eu não sei do que eles estão falando. Só eu sei o que estou passando, eles agiram de má fé comigo”, declara Mires que prestou queixa na DPCA.