quinta-feira, 24 de novembro de 2011

CORO POLICIAL

“Aqui tem algum bandido? Não. 

Aqui tem algum marginal? Não. 

Quem é que tá aqui? É polícia e bombeiro”.

Militares mantêm-se acampados aguardando negociação. Foto: JR Lisboa / Agência Assembleia. São Luis/Ma. 24.11.11
Fonte: http://www.luiscardoso.com.br/

O responsável pelo inquérito que investiga o movimento grevista da Policia Militar do Maranhão, coronel Edilson Moraes Gomes, entrou nesta quinta-feira, 24, com uma representação na Procuradoria Geral de Justiça solicitando que o Ministério Público do Maranhão requeira, junto a Justiça Militar, a prisão preventiva dos lideres do movimento. A solicitação foi apresentada à promotora de Justiça Militar do Maranhão, Maria do Socorro Assunção Gomes, que encaminhará a representação ao Auditor Militar do Estado solicitando a prisão dos referidos grevistas. De acordo com a promotora, pela própria Constituição Brasileira, Artigo 142, e conforme estabelece o Artigo 24 da Constituição Estadual, a greve dos militares é ilegal, ou seja, fere a lei e o Ministério Público como fiscal da lei não pode compactuar com a situação. Segundo Maria do Socorro os lideres do movimento afrontam a garantia da ordem pública e a exigência da manutenção das normas ou princípios da hierarquia e disciplinas militares, conforme o Artigo 255 do Código de Processo Penal Militar. 
Fonte: http://www.mp.ma.gov.br